Cancro da Próstata- Novo Tratamento - Perguntas e Respostas

 

A próstata é um órgão acessório do aparelho reprodutor masculino, que tem como função a produção de um líquido pouco espesso que ajuda a conservar os espermatozóides após a ejaculação, mantendo a sua viabilização na vagina. Localiza-se por baixo da bexiga com a forma de uma castanha, sendo atravessada pela uretra, daí a interferência com a micção quando existe patologia prostática.2. O que é a Quimioembolização? Sob anestesia local, e sem perda de sangue, efectua-se um pequeno orifício de 1.5 mm de diâmetro na virilha, através do qual se coloca um fino tubo plástico, catéter. Mediante monitorização por um aparelho de raios X digital sofisticado, o catéter é dirigido para as artérias prostáticas. Citostaticos são injetados nas artérias prostáticas.Partículas embolizantes de pequenas dimensões, como grãos de areia, são depois injectadas nas artérias prostáticas, entupindo os ramos que irrigam a próstata, poupando, contudo, a artéria pudenda interna, para que o paciente possa manter a função eréctil. A técnica dura geralmente 1 hora, estando o doente consciente e podendo mesmo visualizar o tratamento no monitor de televisão. Completada a embolização, retira-se o catéter, efectua-se compressão manual durante cerca de 5 minutos e coloca-se um pequeno penso compressivo, que deve ser mantido até à manhã seguinte. Duas horas após a embolização, o doente já se pode levantar do seu leito e deslocar-se para urinar. O Hospital St. Louis é o único centro a nível mundial, onde a quimioembolização prostática se efectua, O internamento dura apenas algumas horas e a quase totalidade dos pacientes vai para casa após o jantar, se a tensão arterial estiver normal, mesmo que residam a várias centenas de kms de Lisboa. Neste período, haverá um contacto permanente com a equipa médica, para avaliar queixas ou esclarecer quaisquer dúvidas.

O que é a Quimioembolização?

A embolização efectua-se em Medicina desde a década de 60. A embolização das artérias hipogástricas tem sido tentada e descrita para tratamento de situações de hemorragia incontrolável secundária a situações oncológicas prostáticas, ou vesicais, ou a cirurgia. Nós próprios publicámos, em 1989, na revista americana «Radiology» a sua realização em hemorragias incontroláveis da pélvis por neoplasias. A embolização arterial supraselectiva para tratamento da sintomatologia urinária secundária a HBP foi a técnica utilizada num doente com hematúria persistente e descrita por DeMeritt em 2000. A embolização das artérias prostáticas (EAP) no Tratamento da Hiperplasia Benigna é uma técnica inovadora, de investigação, minimamente invasiva no alívio dos sintomas, que é realizada no Hospital de S. Louis, com menos riscos que as técnicas cirúrgicas e com bons resultados preliminares. O seu objectivo é interromper a circulação sanguínea que irriga a próstata, resolvendo o problema de forma rápida e duradoura e preservando a próstata. Sem irrigação sanguínea a próstata atrofia-se e os sintomas melhoram ou desaparecem. A equipa de Radiologia de Intervenção do Hospital Saint Louis,  depois de ter efectuado a embolização com sucesso, em mais de 2000 pacientes com fibromiomas uterinos e a embolização na hiperplasia benigna da próstata em amigos de 1400 pacientes começou a efectuar a quimioembolização em Abril de 2013. No nosso país, realiza-se no Hospital Saint Louis, desde aquela data. Em qualquer parte do mundo, a embolização é sempre efectuada por um radiologista de intervenção, um médico que é treinado especialmente para realizar este e outros tipos de embolização com técnicas minimamente invasivas, sem necessidade de incisão, não deixando qualquer cicatriz.

 

Como se realiza a Embolização?

Sob anestesia local, e sem perda de sangue, efectua-se um pequeno orifício de 1.5 mm de diâmetro na virilha, através do qual se coloca um fino tubo plástico, catéter. Mediante monitorização por um aparelho de raios X digital sofisticado, o catéter é dirigido para as artérias prostáticas. Citostaticos são injetados nas artérias prostáticas.Partículas embolizantes de pequenas dimensões, como grãos de areia, são depois injectadas nas artérias prostáticas, entupindo os ramos que irrigam a próstata, poupando, contudo, a artéria pudenda interna, para que o paciente possa manter a função eréctil. A técnica dura geralmente 1 hora, estando o doente consciente e podendo mesmo visualizar o tratamento no monitor de televisão. Completada a embolização, retira-se o catéter, efectua-se compressão manual durante cerca de 5 minutos e coloca-se um pequeno penso compressivo, que deve ser mantido até à manhã seguinte. Duas horas após a embolização, o doente já se pode levantar do seu leito e deslocar-se para urinar. O Hospital St. Louis é o único centro a nível mundial, onde a quimioembolização prostática se efectua, O internamento dura apenas algumas horas e a quase totalidade dos pacientes vai para casa após o jantar, se a tensão arterial estiver normal, mesmo que residam a várias centenas de kms de Lisboa. Neste período, haverá um contacto permanente com a equipa médica, para avaliar queixas ou esclarecer quaisquer dúvidas.

 

Que exames terei de fazer para efectuar a Quimioembolização?

 

Terá de fazer uma ecografia pélvica por via transrectal para avaliar o volume da próstata. Deverá também fazer PSA, fluxometria, resíduo vesical pos-miccional e exames de sangue de rotina (hemograma, creatinina e testosterona total e livre). Terá de realizar uma  Angiografia por TAC, para estudar os vasos pélvicos e a possibilidade de vir a efectuar a embolização. Deverá fazer uma Ressonância Paramétrica. A cintigrafia óssea só será efectuada se o PSA for superior a 10.

 

 

Quais são os riscos associados com a Quimioembolização?

A quimioembolização é uma técnica muito segura, contudo, podem ocorrer alguns riscos associados, como em qualquer tratamento médico, mas que são raros. Actualmente, no Hospital St. Louis, a maioria dos doentes não sente qualquer sintoma após a embolização. Alguns podem referir ligeira dor, calor ou ardor, que são facilmente controlados por medicação apropriada. Os riscos da embolização são muito inferiores aos da cirurgia. A fim de evitar riscos, os doentes, cujas artérias estejam muito envolvidas pela arteroesclerose, revelado pela Angio TAC, são excluídos. As complicações são as de qualquer cateterismo, sendo as mais frequentes, o hematoma no local da punção, a infecção urinária, a urina ou esperma com sangue e a cor roxa da coxa e abdómen. Contudo, estas reacções adversas desaparecem ao fim de alguns dias sem tratamento.

 

Será a Quimioembolização Dolorosa?

A embolização não causa qualquer dor durante ou após o procedimento.

 

 Quanto tempo dura a Convalescença?

No dia seguinte à embolização, o doente não deve estar acamado, podendo na maioria dos casos, retomar a sua vida normal, não devendo, contudo, conduzir. O paciente pode retomar a sua actividade profissional 2 dias, após o tratamento.

 

Como são os resultados da Quimioembolização Avaliados?

Os resultados da quimioembolização são avaliados pelo PSA mensal até aos 6 meses e depois de 6 em 6 meses e pela ecografia prostática. Efectuará também a avaliação de testosterona total e livre dos 6 meses e a Ressonância Magnética paramétrica anualmente.

 

  Quais são as contra-indicações da Quimioembolização Prostática?

Terá de marcar consulta  no Hospital Saint Louis. Só o deverá fazer depois de  possuir ecografia prostática com sonda rectal, PSA e fluxograma recentes e resíduo vesica pós-miccional. Na consulta deverá preencher inquéritos internacionais sobre os sintomas, a qualidade de vida e a função sexual. Será observado, ser-lhe-á explicada a técnica e se for necessário, ser-lhe-ão pedidos outros exames. Deverá também efectuar Ressonância Magnética paramétrica da prostata em centro de qualidade e com experiência. Se o PSA for superior a 10 terá de efectuar a cintigrafia óssea. Antes da quimioembolização deverá avaliar a testosterona total e livre. Após esta consulta, deverá efectuar Angio TAC para avaliação dos vasos pélvicos e possibilidade de tratamento. Contudo, este exame tem algumas limitações pois por vezes podem verificar-se  pequenas lesões nas artérias, durante o tratamento que não tinham sido detectadas no Angio TAC.

Não será submetido a quimioembolização se aceitar outro tratamento alternativo ou se as artérias prostáticas estiverem muito envolvidas por aterosclerose.

 

Como são os resultados da Quimioembolização Avaliados?

No dia seguinte à embolização, o doente não deve estar acamado, podendo na maioria dos casos, retomar a sua vida normal, não devendo, contudo, conduzir. O paciente pode retomar a sua actividade profissional 2 dias, após o tratamento.

A embolização não causa qualquer dor durante ou após o procedimento.

A quimioembolização é uma técnica muito segura, contudo, podem ocorrer alguns riscos associados, como em qualquer tratamento médico, mas que são raros. Actualmente, no Hospital St. Louis, a maioria dos doentes não sente qualquer sintoma após a embolização. Alguns podem referir ligeira dor, calor ou ardor, que são facilmente controlados por medicação apropriada. Os riscos da embolização são muito inferiores aos da cirurgia. A fim de evitar riscos, os doentes, cujas artérias estejam muito envolvidas pela arteroesclerose, revelado pela Angio TAC, são excluídos. As complicações são as de qualquer cateterismo, sendo as mais frequentes, o hematoma no local da punção, a infecção urinária, a urina ou esperma com sangue e a cor roxa da coxa e abdómen. Contudo, estas reacções adversas desaparecem ao fim de alguns dias sem tratamento.

Terá de fazer uma ecografia pélvica por via transrectal para avaliar o volume da próstata. Deverá também fazer PSA, fluxometria, resíduo vesical pos-miccional e exames de sangue de rotina (hemograma, creatinina e testosterona total e livre). Terá de realizar uma  Angiografia por TAC, para estudar os vasos pélvicos e a possibilidade de vir a efectuar a embolização. Deverá fazer uma Ressonância Paramétrica. A cintigrafia óssea só será efectuada se o PSA for superior a 10.

Como se realiza a Embolização?

A embolização efectua-se em Medicina desde a década de 60. A embolização das artérias hipogástricas tem sido tentada e descrita para tratamento de situações de hemorragia incontrolável secundária a situações oncológicas prostáticas, ou vesicais, ou a cirurgia. Nós próprios publicámos, em 1989, na revista americana «Radiology» a sua realização em hemorragias incontroláveis da pélvis por neoplasias. A embolização arterial supraselectiva para tratamento da sintomatologia urinária secundária a HBP foi a técnica utilizada num doente com hematúria persistente e descrita por DeMeritt em 2000. A embolização das artérias prostáticas (EAP) no Tratamento da Hiperplasia Benigna é uma técnica inovadora, de investigação, minimamente invasiva no alívio dos sintomas, que é realizada no Hospital de S. Louis, com menos riscos que as técnicas cirúrgicas e com bons resultados preliminares. O seu objectivo é interromper a circulação sanguínea que irriga a próstata, resolvendo o problema de forma rápida e duradoura e preservando a próstata. Sem irrigação sanguínea a próstata atrofia-se e os sintomas melhoram ou desaparecem. A equipa de Radiologia de Intervenção do Hospital Saint Louis,  depois de ter efectuado a embolização com sucesso, em mais de 2000 pacientes com fibromiomas uterinos e a embolização na hiperplasia benigna da próstata em amigos de 1400 pacientes começou a efectuar a quimioembolização em Abril de 2013. No nosso país, realiza-se no Hospital Saint Louis, desde aquela data. Em qualquer parte do mundo, a embolização é sempre efectuada por um radiologista de intervenção, um médico que é treinado especialmente para realizar este e outros tipos de embolização com técnicas minimamente invasivas, sem necessidade de incisão, não deixando qualquer cicatriz.

 

Partilhe este conteúdo

Deixe o seu comentário: