Embolização - Resultados

Os resultados ao longo e médio termo não são ainda conhecidos. Contudo, os resultados a curto termo avaliados recentemente mostram que a maioria dos doentes submetidos a angioplastia das VA e VJI na nossa unidade referem alguma melhoria da sintomatologia, à semelhança de outros centros em que esta terapêutica é realizada.

Será feia avaliação antes e após o tratamento. A avaliação dos resultados da angioplastia e colocação de stent nas veias jugulares e ázigos faz-se aos 6 meses por flebografia.

Os doentes operados serão incluídos num estudo de RM, com que deverão concordar e que terão de pagar para avaliar a evolução antes e após a intervenção e tentar estabelecer parâmetros de diagnostico no estudo das veias.

Dos 17 pacientes já investigados na nossa unidade só 2 não melhoram. Em quatro verificou-se regresso de alguns dos sintomas, encontrando-se contudo melhor do que antes do investigação. Num deles, foi colocada uma stent na jugular que tinha sido tratada só por angioplastia tendo melhorado novamente.

Partilhe este conteúdo

Comentários: 2

  1. Jorge Eduardo Fortes Martins says:

    Bom dia

    Sou portador de EM progressiva, desde 2007, que comecei a sentir alguns sintomas, principalmente falta de força nos braços, mas nunca liguei, porque conseguia executar as minhas tarefas profissionais. (Trabalhava em mergulho (16 anos) no âmbito da biologia marinha, ainda cheguei a pensar num problema hiperbárico, o primeiro surto deu-se quando enchia uma garrafa de mergulho num espaço bastante pequeno e sem ventilação, a temperatura do local aumentou e eu tive uma vertigem, desde esse dia comecei a indagar o que me estava a acontecer, seguidamente dá-se uma crise de sinusite que me assustei, começo a ficar cansado com maior facilidade, diariamente passavam pela minha mão bastantes pesos, garrafas de mergulho, cintos de mergulho, gericans de combustível e outros assessórios.
    Comecei a “vacilar”, principalmente, quando entrava em contacto com temperaturas diferentes, quando fazia semanalmente, a manutenção dos aquários verificava que todo o meu corpo tremia e os braços ficavam dormentes, trabalhava sempre com águas a 14º e 15º, pois os peixes que tinha nos aquários eram todos capturados por mim em mergulho, estava constantemente a sofrer grandes alterações de temperatura, o próprio edifício (Fortaleza de Santa Maria da Arrábida) é bastante húmido, e devido à falta de orçamento para manutenção; as reparações não eram feitas atempadamente e toda a estrutura ia se “definhando” trabalhei em salas no edifício, em que as paredes ficavam negras devido à humidade, foi um desgaste físico e psicológico enorme.) Só fiz a RM, em finais de 2009, fui sempre seguido pelo Drº Pinto Marques, andei durante estes dois anos a fazer TAC, pois possuo uma liga metal no rádio e cúbito, e na tíbia, devido a acidentes desportivos e motorizados.
    Andava o Drº (neurologista) Pinto Marques, a tentar encontrar uma causa, no entanto, surgiam-me problemas intestinais, urinários e por fim de equilíbrio.
    Consegui realizar a RM, na empresa REMAGNA. A partir deste momento e para confirmação, fiz uma punção lombar, comecei a tratar-me com o interferão (Rebif injectável), hoje estou com os comprimidos Gilenya. Passei a ser tratado pelo Drº João Correia de Sá, no H. de Santa Maria, anteriormente estava no H. São Bernardo em Setúbal, onde possuo a minha residência.

    Depois de ver a reportagem na TVI sobre EM, fiquei interessado na intervenção, ou tratamento.
    Gostava de saber quais são os requisitos necessários para me sujeitar à intervenção de “libertação”. Procuro uma melhor qualidade de vida diária. Também gostava de saber o quanto me ficaria a intervenção.
    Obrigado pela atenção

    Setúbal 30 de junho de 2013

    Jorge Eduardo Fortes Martins

    PS: Sou funcionário público, tenho 48 anos, nasci em 14-08-1964, moro em Setúbal na Praceta Sertório Pereira nº 3 1º Esq. 2900 – 642

  2. elizabetep says:

    Respondido via email

Deixe o seu comentário: