Fibromiomas - Depoimentos de doentes tratadas por embolização

 

 

Depoimentos enviados com o inquérito realizado antes do I Encontro (11 de Fevereiro de 2006)

Maria Manuela M., 41 anos – tratada em 11-11-04 “Tinha grandes hemorragias e dores, todos os meses durante o período menstrual e após ter feito a embolização o meu período reduziu, aconselho este método a todas as mulheres que sofram de miomas”
Marta C., 40 anos – tratada em 07-12-04 “Toda a sintomatologia como dores abdominais, aumento de volume do abdomen e mau estado geral desapareceram. Neste momento já nem ao toque consigo localizar qualquer tipo de mioma, embora saiba que eles (fibromiomas) ainda lá se encontram”
Francisca P., 42 anos – tratada em 09-12-04 “Estou bastante satisfeita com a realização da embolização, nunca mais tive dores nem hemorragias. Aconselho a todas as mulheres com problemas do género a fazer o mesmo”
Ana Carla F., 42 anos – tratada em 14-02-05  “Considero fantástico o resultado logo às 4 semanas com redução da dimensão do mioma e do útero com 90% de isquémia”
Helena C., 29 anos – tratada em 04-04-05 “Fiquei muito satisfeita por ter tido outra alternativa e aconselho a qualquer mulher com fibromiomas, visto esta técnica preservar o útero e não ter complicações”
Rosa Maria C., 45 anos – tratada em 08-06-05 “Recomendo que todas as mulheres que eventualmente estejam nesta situação, venham à consulta do Prof. Martins Pisco”
Felisbela R., 41 anos – tratada em 15-06-05 “É importante divulgar esta técnica. Sinto-me muito melhor e considero importante passar a outras mulheres o meu testemunho, para que a técnica possa tambem ser divulgada”
Maria dos Anjos P., 41 anos – tratada em 24-06-05 “A embolização permitiu-me não ter que ser sacrificada pela Histerectomia que estava já marcada. Fiz 2 Miomectomias, a primeira em 1996 e a segunda em 2003, tendo nesta última recebido 2 transfusões de sangue”
Maria Helena H., 42 anos – tratada em 06-07-05 “Fiz pela segunda vez a embolização um fibromioma com a dimensão aproximada de 10cm de diâmetro, ainda não fiz a Ressonancia Magnética mas o volume desapareceu e os sintomas de dor e hemorragia desapareceram. Considero a embolização um acto de esperança para todas as mulheres que padecam deste mal. O profissionalismo cuidado e atenção do Prof. Pisco são inquestionáveis. Estou disposta a partilhar esta experiência. Agradeço-lhe por tudo o que fez por todas nós. Tenho os meus orgãos intactos, os meus hormónios a funcionar normalmente e a minha actividade sexual em pleno, apenas aceitei a sugestão e a intervenção dum profissional raro em Portugal”
Maria Elisa L., 45 anos – tratada em 26-07-05 “Acho fastástica esta inovação”
Maria Manuela L., 40 anos – tratada em 12-09-05
“A satisfação é enorme, a nível geral melhorei bastante, passei a ter melhor qualidade de vida”
Dalila C., 41 anos – tratada em 03-10-05 “Deixei de ter dores e hemorragias extra-menstruais. Foi muito rápido, faltei ao trabalho 1 dia só”
Idalina V., 42 anos – tratada em 19-10-05 “Depois de tantos anos de sofrimento foi uma sorte ter conhecido esta técnica, espero que possa ser divulgada para que todas as mulheres com o mesmo problema tenham a mesma sorte que eu tive”
Maria Luisa V., 40 anos – tratada em 14-11-05
“Sinto-me perfeitamente bem, deixei de ter hemorragias, o meu caso era preocupante”

Depoimentos enviados com o inquérito realizado antes do II Encontro (17 de Março de 2007)

Francisca P., 42 anos – tratada em 09-12-2004 “É formidável. Estou bastante satisfeita, nunca mais tive dores abdominais nem hemorragias. Aconselho a todas as mulheres a embolização.”
Maria Conceição S., 44 anos – tratada em 25-02-2005 “A embolização é uma forma muito simples no tratamento dos fibromiomas, com excelentes resultados no meu caso. Seria óptimo que este método de tratamento fosse acessível a todas as mulheres, que dele necessitassem.”
Rosa Maria C., 45 anos – tratada em 08-06-2005 “A embolização é uma forma simples e eficaz (na maioria dos casos) de manter a mulher “completa” física e psicologicamente.
Recomendo a todas as mulheres a quem seja sugerida uma histerectomia que não o façam sem que antes tenham consultado o dr. Martins pisco para tomarem uma decisão com consciência.”
Idalina V., 42 anos – tratada em 19-10-2005 “Técnica que proporcionou a qualidade de vida ás mulheres que viviam no fantasma da histerectomia que as faz sentir incompletas.
Gostava que esta técnica não fosse tão cara para que todas as mulheres tivessem acesso, e que os médicos ginecologistas a indicassem sem receios.”
Susana Margarida A., 27 anos – tratada em 24-10-2005 “Uma solução sem mutilação.”
Maria João H., 46 anos – tratada em 16-11-2005 “Eu aconselho a todas as mulheres que tenham que fazer histerectomia que não a façam, e que optem por fazer a embolização.
A embolização é a melhor opção para as mulheres.”
Ana Paula F., 32 anos – tratada em 18-12-2006 “A embolização para mim é um método muito pouco divulgado em portugal, mas que oferece muito mais benefícios do que os métodos tradicionais (histerectomia, miomectomia).”
Maria Natália L., 34 anos – tratada em 07-12-2006 “A embolização é como um renascer da vida, dá-nos mais esperanças para dias melhores e muito mais felizes.”
Olga Maria S., 47 anos – tratada em 25-11-2006 “Técnica de saúde ao serviço do ser humano, enquanto ser uno, fisico, psicológico e espiritual. Após largos anos de escuridão, a luz inundou a minha vida, fazendo renascer a esperança e proporcionando uma melhor qualidade de vida. Bem hajam.”
Clara Isabel G., 36 anos – tratada em 09-11-2006 “É uma técnica muito pouco invasiva, de rápida recuperação, sem deixar qualquer cicatriz e que tem demonstrado em todo o mundo a sua eficácia na diminuição dos miomas e dos seus efeitos secundários (espero que também demonstre a sua eficácia nos meus miomas). Tive uma médica que quando lhe contei que ia fazer a embolização no mês seguinte, respondeu-me que era uma “mulher de coragem”. A médica disse que a técnica era muito recente e ainda existiam poucos estudos. Em 2003 quando mostrei um pequeno artigo das selecções do readers digest que descrevia a embolização com uma imagem à minha ginecologista, ela respondeu-me que era ficção cientifica.”
Margarida Maria S., 39 anos – tratada em 23-10-2006 “Processo de tratamento muito mais simples, indolor, com rápida recuperação e principalmente não retirando à mulher a hipótese de ser mãe.”
Jessica Ferreira C., 30 anos – tratada em 18-10-2006 “É um método relativamente simples e até agora eficaz, que deveria ser aconselhado por todos os ginecologistas, já que as alternativas que estes especialistas costumam apresentar são drásticas e irreversíveis.”
Ana Paula B., 42 anos – tratada em 16-10-2006 “Método revolucionário que evita a extracção do útero, permitindo à mulher voltar a ter uma vida normal, sem ter de se sujeitar aos incómodos de operações, anestesias gerais e internamentos, em suma sem ser mutilada!”
Maria José P., 48 anos – tratada em 09-10-2006 “Na minha idade (49 anos), a opção de embolização vs histerectomia representa a diferença entre sentir-me quase nova ou sentir-me quase velha.”
Marília Céu M., 30 anos – tratada em 25-09-2006 “A luz ao fundo do túnel.”
Elisabete Pereira D., 48 anos – tratada em 06-09-2006 “A embolização é um processo que deveria ser partilhado entre radiologistas de intervenção e ginecologistas, no sentido de divulgar de forma clara, as suas vantagens e inconvenientes relativamente à histerectomia e à miomectomia, e comparticipado pelos serviços de saúde. É de louvar este encontro.”
Marialva M., 41 anos – tratada em 04-09-2006 “Embolização é um processo simples, a retoma das actividades quotidianas é quase imediata. Preserva órgãos e a qualidade de vida.
Fui recomendada por especialistas brasileiros para consultar o dr. Pisco. Foi-me recomendado que os especialistas em portugal são muitíssimo bem preparados e interessados em promover esta técnica, estendendo-a ao maior numero de mulheres em iguais situações à minha. Recomendo um blog com depoimentos/comentários ex-pacientes, para que sejam as “promitentes candidatas” à embolização as primeiras a desmistificarem possíveis controvérsias. ”
Maria Odete S., 39 anos – tratada em 31-08-2006 “Embolização foi o melhor que podia ter acontecido para a resolução do meu problema. Gostava que todas as mulheres pudessem ter acesso a este metodo inovador e não terem que passar por uma histerectomia traumatizante.”
Rosa Maria G., 46 anos – tratada em 31-08-2006 “A embolização permitiu resolver as hemorragias sem ter que me submeter a uma cirurgia. É de salientar haver profissionais que se movem por interesses científicos e os colocam ao serviço do bem estar da saúde das mulheres. ”
Domingas V., 39 anos – tratada em 31-07-2006 “Deveria haver maior divulgação sobre a metodologia pois, muitas mulheres recorrem à histerectomia porque não tem conhecimento desta técnica.”
Maria Ivone M., 38 anos – tratada em 10-07-2006 “A possibilidade da mulher continuar “inteira” e poder manter a esperança de realizar alguns sonhos.”
Teresa Dulce G., 41 anos – tratada em 08-05-2006 “A diferença entre angústia de ontem e a esperança no amanhã. Divulgar a técnica é imperativo, e a todas as mulheres com duvidas há que dizer: não recear, confiar e seguir em frente.”
Célia Maria S., 38 anos – tratada em 24-04-2006 “A embolização é um método inovador e com óptimos resultados. Aconselho a todas as mulheres com este problema fazerem a embolização e não a histerectomia.”
Carolina Teresa C., 44 anos – tratada em 10-05-2006 “Tratamento inovador com resultados eficazes. Esta técnica permitiu parar com as hemorragias continuas e permanentes anemias, fraqueza e mal estar geral, voltando a ter uma vida normal.”
Cármen Cristina B., 44 anos – tratada em 06-04-2006 “A embolização mudou a minha vida em apenas algumas horas.”
Maria João R., 32 anos – tratada em 24-04-2006 “A embolização ajudou-me a voltar a ter uma vida normal, que as imensas hemorragias impediam, a nível social, pessoal e até profissional. Espero que também me permita ter o meu segundo filho.”
Ângela Eunice B., 46 anos – tratada em 03-04-2006 “Resolveu o problema que me limitava a fazer certas coisas na vida (grandes viagens p/ ex: devido à permanente vontade de urinar).
Estou muito satisfeita e recomendo a qualquer pessoa que necessite, vale a pena investir algum montante, pois, relativamente à qualidade de vida que se ganha, compensa.”
Dina Isabel F., 29 anos – tratada em 22-02-2006 “Um tratamento que tem os seus custos mas eficaz. Recomendarei de viva voz a fazer o tratamento a quem me comentar situações idênticas à minha.”
Maria Teresa S., 44 anos – tratada em 08-01-2007 “Uma técnica eficaz e não violenta que melhora a vida das mulheres. Obrigado professor Martins Pisco pelo rigor e dedicação que demonstrou tanto no aspecto cientifico como no humano.”
Maria de Fátima R., 46 anos – tratada em 30-01-2006 “A embolização como alternativa à histerectomia representa a distância que separa a pré-história da actualidade. O resultado foi óptimo, e voltava a fazer quantas vezes fosse necessário. Fiquei muito satisfeita com o trabalho do sr. Professor Martins Pisco e da sua equipa, são pessoas muito humanas e competentes.”
Magda Cristina F., 34 anos – tratada em 19-06-2006 “Avanço notável da medicina.”
Lanka H., 39 anos – tratada em 01-03-2006 “É a melhor solução para qualquer mulher que sofra de miomas incomodativos.”
Pamela W., 37 anos – tratada em 25-09-2006 “Valeu a pena, a embolização melhorou bastante os meus sintomas de adenomiose.”
Maria Jacinto I., 48 anos – tratada em 17-04-2006 “É uma técnica inovadora, simples e que necessita de ser divulgada no nosso país. Gostava de conhecer quais os incovenientes, desta técnica, (além das monetárias) já que há “tantos” ginecologistas e doentes contra.”
Maria de Fátima P., 46 anos – tratada em 07-12-2006 “É uma técnica que evita a remoção do útero e proporciona qualidade de vida às mulheres e hipoteses de virem a ter filhos.
Agradeço ao prof. Pisco e à sua equipa o facto de não terem desistido e terem continuado a estudar formas de melhorar cada vez mais esta técnica.”
Maria Amélia P., 58 anos – tratada em 18-05-2006 “Método de tratamento eficaz. Quando olho para trás fico espantada que o processo tenha sido tão rápido e sem queixas de maior.”
Maria Isabel P., 39 anos – tratada em 05-05-2006 “Uma maravilha da medicina.
Além de ser um grande avanço para a medicina é também uma grande demonstração de preocupação com o bem estar físico e psicológico da mulher que não sente uma mutilação do seu corpo mas sim uma resolução rápida e eficiente do seu problema.”
Maria Elisabete M., 42 anos – tratada em 26-02-2007 “Fazer a embolização com o sr. Prof. Martins pisco, pela metodologia seguida e segurança na aplicação do tratamento, representou para mim uma evolução extraordinária face à experiência que tive em maio 2005, quando fui submetida a igual tratamento (embolização) na clínica universitária de navarra (espanha). (10 dias de internamento, 3 dias de anestesia /epidural e 9 dias com náuseas e vómitos abundantes).”
Luísa Maria F., 39 anos – tratada em 22-07-2005 “Parabéns ao Dr. Martins Pisco, pela sua qualidade científica e profissionalismo. Bem haja por tudo.”
Maria Fernanda O., 48 anos – tratada em 10-10-2005 “É a técnica que veio revolucionar como alternativa á histerectomia. Dou os meus parabéns ao prof. Pisco pela dedicação e empenho pela técnica.”
Beatriz Maria F., 51 anos – tratada em 25-10-2005 “Psicologicamente: alento/ força. Fisicamente: fazer tudo o que gosto, passear a pé, ginástica, pegar os netos ao colo …”
Maria Leonor Heleno R., 45 anos – tratada 24-07-2006 “A embolização é a melhor solução pelo facto de ser mais rápida, menos dolorosa e preservar o útero.”
Susana Maria M., 41 anos – tratada em 24-07-2006 “Método sem dor, minimamente invasivo e como tal menos traumático que a cirurgia convencional (inclusive sob o ponto de vista psicológico) que garante à mulher a possibilidade de preservar o útero.”
Maria José C., 39 anos – tratada em 06-03-2006 “Óptima relação custo/beneficio (entenda-se custo como o físico da operação, não o financeiro). Seria muito importante a confiança dos ginecologistas neste método.”
Ana Mafalda M., 35 anos – tratada em 13-02-2006 “Uma técnica rápida e muito eficaz sem os transtornos físicos e psicológicos de uma intervenção cirurgica tradicional.”
Maria do Céu T., 36 anos – tratada em 07-11-2005 “Técnica muito simples, pouco invasiva e eficaz. Parabéns pelo trabalho.”
Maria Pilar B., 41 anos – tratada em 11-03-2005 “É fenomenal! Não é necessário “mutilar” os órgãos reprodutores da mulher. Ainda bem que para nós mulheres existe o prof. João Martins Pisco e é ele que mais uma vez está de parabéns, a ele o meu obrigado.”
Elisa Maria N., 43 anos – tratada em 03-05-2006 “A solução adequada para o tratamento de miomas. É necessária ampla divulgação do tratamento junto dos ginecologistas para que estes o apresentem como uma das opções ás pacientes. E também é preciso que seja reconhecido no sentido de ser comparticipado.”
Octávia F., 48 anos – tratada em 24-08-2005 É uma técnica inovadora, muito boa que visa aliviar o sofrimento das mulheres no ponto de vista clínico, estético e psicológico.”
Teresa Maria A., 38 anos – tratada em 20-11-2006 Excelente. Recomendo esta técnica a todas as mulheres com este problema.”
Maria Clementina C., 45 anos – tratada em 16-11-2006 “A embolização permite que a mulher continue a viver de “corpo inteiro”. Estou bastante satisfeita por ter optado pela embolização. Na minha opinião esta técnica devia ser mais divulgada. Lamento que só seja executada, apenas num hospital em portugal.”
Maria Fernanda L., 48 anos – tratada em 15 -01-2007 “A embolização para mim foi um autêntico milagre, pois não tinha condições psicologicas nem fisícas para enfretar uma histerectomia.”
Maria Emília F., 40 anos – tratada em 07-11-2005 “É uma técnica que faz com que a mulher volte a ter auto-estima, confiança e melhor qualidade de vida.”
Maria Odete G., 46 anos – tratada em 26-05-2006 “Tratamento simples com recuperação rápida e rápidos resultados reflectindo-se uma substancial melhoria da qualidade de vida.
Na minha opinião este tratamento deveria ser reconhecido e recomendado pela generalizade dos ginecologistas, assim como a comparticipação pelos seguros de saúde.”
Maria Fátima C., 39 anos – tratada em 11-10-2006 “A histerectomia deixou de fazer sentido. Aconselho todas as senhoras com fibromiomas a efectuarem a embolização.”
Ana Sofia P., 43 anos – tratada em 03-07-2006 “Fundamentalmente pareceu-me um método eficaz como forma de evitar a cirurgia.”
Florinda G., 25 anos – tratada 19-06-2006 “É um método surpreendente, que pode ajudar a melhorar a qualidade de vida de muitas mulheres. É uma pena que o método esteja pouco divulgado entre os profissionais da área da saúde.”
Zenaide S., 31 anos – tratada em 26-06-2006 “Na minha opinião é uma técnica que ajuda-nos a não enfrentarmos uma perda maior quando nos é sugerida a histerectomia.
Gostei de ser tratada, penso que deveria haver apoio por parte da direcção geral de saúde para as doentes efectuarem este tipo de tratamento, principalmente as mulheres mais novas que psicologicamente são as mais afectadas.”
Maria Lurdes B., 38 anos – tratada em 07-06-2006 “Técnica não invasiva de rápida recuperação, o que permite na maioria dos casos, recuperar a qualidade de vida e o bem estar da mulher.
A embolização uterina devia ser mais divulgada e recomendada pelos médicos ginecologistas como alternativa à cirurgia e consequentemente comparticipada.”
Celeste N., 56 anos – tratada em 08-05-2006 “A embolização é um tratamento indispensável para quem necessita. Na minha opinião pessoal, valeu a pena este tratamento, os resultados são muito compensatórios.”
Veridiana C., 43 anos – tratada em 05-05-2006 “Melhorar rapidamente a qualidade de vida da mulher. É pena que a técnica seja tão pouco conhecida, inclusivamente pelos médicos.”
Berta N., 54 anos – tratada em 05-06-2006 “Além da eficiência não afecta psicologicamente a doente.”
Maria Isabel S., 39 anos – tratada em 03-05-2006 “Técnica extraordinária no tratamento dos fibromiomas uterinos.”
Anabela L., 34 anos – tratada em 20-04-2006 “A embolização é uma técnica pouco invasiva e eficaz no tratamento de miomas.”
Maria José C., 39 anos – tratada em 06-03-2006 “Óptima relação custo/beneficio (entenda-se custo como o físico da operação, não o financeiro) seria muito importante a confiança dos ginecologistas neste método.”
Dina Isabel F., 29 anos – tratada em 22-02-2006 “Um tratamento que tem os seus custos mas eficaz. Recomendarei de viva voz a fazer o tratamento a quem me comentar situações idênticas à minha.”
Ana Malfada M., 35 anos – tratada em 13-02-2006 “Uma técnica rápida e muito eficaz sem os transtornos físicos e psicológicos de uma intervenção cirurgica tradicional.”
Sandra B., 37 anos – tratada em 11-12-2006 “É um bom método tendo em conta o facto de ser menos invasivo e traumatizante.”
Helena Isabel S., 31 anos – tratada em 25-11-2005 “A embolização é uma técnica inovadora que veio melhorar substancialmente a vida da mulher.”
Maria Inocência J., 47 anos – tratada em 19-07-2006 “A embolização foi um bom processo para resolver os problemas das hemorragias.”
Maria Carmo S., 33 anos – tratada em 18-09-2006 “Esta intervenção é bem tolerada e não envolve grande dor. É rápida e eficaz.”
Maria Isabel P., 39 anos – tratada em 05-05-2006 “Uma maravilha da medicina. Além de ser um grande avanço para a medicina é também uma grande demonstração de preocupação com o bem estar físico e psicológico da mulher que não sente uma mutilação do seu corpo mas sim uma resolução rápida e eficiente do seu problema.”
Maria José C., 32 anos – tratada em 22-08-2005 “Técnica muito dispendiosa mas bastante compensadora e recomendável, pois permite a recuperação do bem-estar e qualidade de vida.”
Maria Odete G., 46 anos – tratada em 26-06-2006 “Tratamento simples com recuperação rápida e rápidos resultados reflectindo-se uma substancial melhoria da qualidade de vida.
Na minha opinião este tratamento deveria ser reconhecido e recomendado pela generalizadde dos ginecologistas, assim como a comparticipação pelos seguros de saúde.”
Anabela Francisco V., 42 anos – tratada em 13-02-2006 “É técnica que nos ajuda a considerar “mulheres completas”. Para além dos benefícios físicos que são evidentes, a parte psicologica é para mim fundamental.”
Maria Manuela I., 47 anos – tratada em 31-10-2005 “Uma maior valia para a saúde de qualquer mulher.”
Susana Manuela M., 39 anos – tratada em 15-09-2006 “A embolização é uma técnica alternativa à histerectomia, que faz frente a um dos problemas mais comuns, que afectam as mulheres.”
Georgina Maria M., 40 anos – tratada em 25-09-2006 “A embolização é uma técnica inovadora e alternativa à cirurgia que evita o sofrimento psicológico e físico da mulher.”
Teresa Maria R., 42 anos – tratada em 07-06-2006 “Técnica que nos permite aguardar o futuro com alguma esperança.”
Teresa S. – tratada em 02-08-2005 “Foi em Agosto de 2005 que me foi feita, no Hospital de St. Louis, a embolização da 4 miomas pelo Professor João Pisco, com um êxito total.
Nos dois anos anteriores, tinha passado por períodos de desespero e depressão, por me ter sido recomendada, tanto na Alemanha como na Suiça, a amputação do útero como solução para o meu caso.
Na Alemanha, a técnica de embolização é praticamente desconhecida e na Suiça é só praticada em mulheres jovens, com um ou dois miomas.
Em várias consultas que fiz, diziam sempre que estava muito adiantada, os miomas demasiado grandes, e o melhor era “tirar tudo”.
Mais ainda, na minha idade (tinha então 49 anos) não ia com certeza querer ter filhos. Ora, não se trata de uma questão de idade.
Não se pode reduzir uma mulher a um mero ser procriado ou reprodutivo. “se o útero não é usado, tira-se” pensam muitos médicos.
O útero é uma parte do organismo feminino. Qualquer órgão tirado a qualquer pessoa faz falta e prejudica o equilíbrio físico e psicológico.
Penso que qualquer mulher, perante a escolha de ficar mulher completa ou não, optará pela primeira alternativa, mas infelizmente, na maior parte das vezes não lhe dão essa opção. É errado e injusto. Só posso afirmar que, pela minha parte, hoje já com 53 anos, sinto-me uma mulher saudável, feliz e completa devendo esse facto ao Prof. Pisco e à sua técnica de embolização.”
Marialva M. – tratada em 04-09-2006 “Faça como eu: entre preservar ou eliminar órgãos, lute para preservar o que é seu por direito. Não faça histerectomia sem antes consultar o seu médico sobre a Embolização Uterina.”
Paula D. – tratada em 08-03-2006 “A embolização das artérias uterinas foi o caminho alternativo à mutilação e hoje, agradeço a toda a equipa que me tratou, em especial ao Dr. Pisco, por terem viabilizado que continue a ser uma mulher inteira, saudável e de ainda poder, se quiser, optar pela maternidade, apesar dos meus 45 anos.
Não hesitem! A embolização é a melhor opção. Há dois anos que fui operada, e o meu mioma reduziu cerca de 70 por cento; não o sinto e tudo indica que vai a caminho da calcinação.”

Depoimentos enviados com o inquérito realizado antes do III Encontro (8 de Março de 2008)

Isabel Cristina – EUA 437 “A embolização é um avanço na medicina que toca na alma de uma mulher que anseia pela chegada do seu rebento, sem que corra o risco de lhe ser tirado o prazer, o encontro, o instinto maternal que sente dentro de si. Obrigado Prof. Pisco por ser um ser humano tão especial com uma mente tão brilhante, detentor de uma sensibilidade e sabedoria única dentro da medicina em Portugal.
Consigo voltei a ter esperança depois de me ser dito de forma fria que poderia correr mal e ficar sem o útero, isto é, deixar de poder reproduzir os meus próprios genes num ser que idealizo e sempre idealizei o ser que um dia iria crescer dentro de mim, dar-lhe vida e vê-lo crescer.”
Mª Aldina – EUA 48 Com a embolização renasci para a vida … senti-me novamente mulher, sem necessidade de o homem me retirar aquilo que deus me deu. Obrigado ao Dr. Martins Pisco pela sua sabedoria, amabilidade e simpatia no tratamento do meu caso, bem como a toda a equipa que o acompanha.
Ana Catarina – EUA 366 A embolização (e a expulsão do fibromioma 3 semanas mais tarde) devolveram-me a liberdade.
Não tenho qualquer marca no meu corpo. Fiquei bem e estou feliz.
Rosa Mª – EUA 5 Quando nascemos nós mulheres temos um órgão que nos permite dar vida aos seres humanos e que devemos preservar durante o máximo de tempo, não só por essa razão mas porque é nosso nasceu connosco tal como eu disse à minha ginecologista quando ela me “sugeriu” que fizesse a histerectomia.
Mª Conceição – EUA 373 A embolização é uma técnica que deveria de estar ao alcance de todas as mulheres pois é um método que devolve a esperança a qualquer ser humano. Eu sou a pessoa indicada para falar sobre este facto, tinha 32 anos quando me diagnosticaram um enorme mioma, os médicos determinaram a retirada imediata do útero, facto este que comove e remexe com a vida de qualquer mulher, sou nova não queria ficar sem o bem mais divino da mulher, o seu útero. A embolização veio dar à minha vida uma enorme esperança e por este motivo aclamo e envio um muito obrigado a todos os profissionais dessa clínica que fizeram com que os meus olhos brilhassem de novo. Mais uma vez muito obrigado. A embolização é um método que devolve a qualquer mulher a esperança perdida por tantas batalhas e sem compreensão.
Mª Paula – EUA 467 A embolização surpreendeu-me positivamente, em primeiro lugar porque não obstante as reservas existentes quanto aos possíveis resultados, face á volumosa dimensão do mioma, o certo é que verifico/sinto que o mesmo diminuiu consideravelmente, situação que possibilita logo e em 2º lugar, o que é para mim mais importante e que se consubstancia na manutenção do meu útero, com todos os benefícios que isso me traz.
Célia – EUA 447 Penso que a embolização permitiu-me manter a minha fertilidade, uma vez que não me foi retirado o útero, permitiu-me continuar a desejar ser mãe futuramente, e permitiu-me melhorar o meu desempenho sexual, uma vez que não sinto o desconforto e a dor que sentia antes. A embolização é uma técnica que tenho recomendado a todas as mulheres que como eu lhes foi diagnosticada a mesma doença.
Isabel Mª – EUA 407 A embolização é um grande passo rumo à qualidade de vida das mulheres e ao seu bem-estar.
Permitiu-me reconstruir o meu mundo, pois durante as consultas convencionais com os especialistas o meu mundo ruiu completamente e de repente vi-me a braços com uma realidade difícil de aceitar e incontornável, que era ser operada com a possível retirada do útero.
Descobrir esta técnica e poder fazê-la, foi quase como o acordar de um pesadelo em que se olha pela janela e se sente um enorme alívio ao ver o sol brilhar lá fora. Sinto praticamente como se nada de mal se tivesse passado e tudo graças ao Dr. Martins Pisco e à sua equipa que tão simpaticamente desde o principio me acolheu. Um grande bem-haja a todos.
Elisabete – EUA 374 “O útero “serve” apenas para ter bebés e miomas.
Todas nós, sobretudo jovens em idade fértil, que sofremos de patologias no útero ouvimos esta frase por parte de muitos dos ginecologistas que consultamos na esperança de encontrar uma solução.
O útero é agora, felizmente, entendido por muitos médicos como um órgão importante para o equilíbrio físico e psíquico da mulher!
A embolização uterina surge como uma eficaz técnica para a preservação do útero com casuística suficiente que demonstra o não prejuízo para a saúde e para a fertilidade da mulher.
Esta técnica – inovadora, não agressiva, de simples aplicação e com riscos mínimos – apresenta-se como uma incontestável alternativa aos métodos mutilantes habituais e amplamente praticados, como sejam, a miomectomia e a histerectomia.
O meu ciclo de sofrimento foi superior a uma década e teve início aos 24 anos! Recorri a uma conceituada clínica no estrangeiro onde durante vários anos efectuei miomectomias e em 2005, uma embolização uterina sem sucesso. Por acreditar nesta técnica, insisti e em Fevereiro de 2007 recorri ao Prof. Martins Pisco que, após rigorosa avaliação, reconheceu ser viável repetir a embolização. E fê-lo com um domínio da técnica e simplicidade notáveis! Anestesia local! Menos de 24 horas de internamento! Uma disponibilidade e acompanhamento permanentes!
A diferença: na embolização anterior fiquei 3 dias anestesiada e mais de uma semana internada com grande sofrimento!
Fiz a embolização no hospital St. Louis em 26 de Fevereiro de 2007 … desde 27 de Fevereiro de 2007 que me sinto óptima!”
Ana Cristina – EUA 408 Considero um milagre ter tido conhecimento deste método, por um “acaso” na altura em que a miomectomia me tinha sido apresentada como inevitável e correndo o risco de ter que retirar o útero caso a miomectomia não fosse eficaz. O trabalho que o Sr. Prof. Pisco desenvolve nesta área é uma prova que deus existe.
Cecília – EUA 393 Já consigo visitar Roma, ou qualquer outra cidade, sem estar à procura de casas de banho. Voltei a ser uma mulher livre …
Isabel – EUA 6 Para mim pensar na embolização é pensar no trabalho do Prof. Pisco a quem quero agradecer muito e dedicar algumas palavras. Para alguém que conseguiu vislumbrar o caminho e o quer prosseguir. Alguém que enérgica e decididamente faria o seu próprio caminho. Eu sei que algum dia esse caminho será de estrelas e de flores e terá a grandeza cósmica de todos os espaços infinitos.
Catarina – EUA 384 Numa altura da minha vida em que, aos 23 anos, me foi dito pelos médicos da maternidade onde estava a ser acompanhada que engravidasse o mais rapidamente possível para depois, no momento da cesariana, me retirarem o bebé e todo o útero, a embolização foi para mim a fonte de esperança e o respirar de alivio.
Sónia – EUA 01 A embolização uterina transformou a minha vida. Terminou com o pesadelo das minhas hemorragias. Não menos importante mantive parte do meu corpo que queriam retirar. Desde a embolização tenho uma vida perfeitamente normal. A embolização já me deu o melhor prémio que a vida me poderia dar, a minha querida filha Catarina.
Mª Antónia – EUA 426 Estou super contente, fiquei bem, mas custou-me. Passei um pouco mal após a embolização mas tudo passou e hoje estou feliz. Estou de bebé que vou ter no início de Setembro. Esperemos que tudo corra bem. Realizei o meu sonho.
Cristina – EUA 347 Considero a embolização uma tecnologia de última geração, não invasiva, segura e eficaz, que me possibilitou voltar a desfrutar de uma vida saudável.
Mª Conceição – EUA 41 Acreditei na embolização uterina porque é uma técnica minimamente invasiva por que optei em boa hora, pois os resultados foram óptimos (redução do fibromiomas a 90%). Recomendo vivamente.
Paula – EUA 522 Um excelente método aliado a um óptimo acompanhamento e um profissionalismo dedicado, fizeram da minha embolização um sucesso. Os benefícios físicos e psíquicos são enormes, fazia tudo de novo.
Dina – EUA 113 Mulheres com este problema não devem desistir facilmente, existe sempre uma luz ao fundo do túnel, tirar órgãos que nasceram connosco não é solução, embolização é o final feliz, pelo menos para mim.
Obrigado por tudo, foram fora de série comigo.
Mª Rosa – EUA 83 Ao ter tudo pronto para fazer a histerectomia, eu estava muito triste, até chorava, encontrei a solução. Conheci o Dr. Pisco através de uma amiga e o meu problema ficou resolvido, não da primeira vez mas sim da segunda. Encontro-me muito feliz, já estou a atravessar a pré menopausa, já tenho 48 anos e sinto-me muito jovem. Obrigado, Dr. Pisco, agradeço-lhe a minha felicidade. Aconselho todas as mulheres a fazer este tratamento é muito fácil e não temos que perder o que nos pertence.
Mª Anjos – EUA 404 A embolização evitou que me fosse “amputado” o sitio onde pode ter o início a vida de outro ser vivo e ainda fui a tempo de não ter que ser submetida à histerectomia.
Mª Leonor – EUA 226 Considero a embolização a melhor solução pelo facto de permitir uma rápida recuperação, diminuir as dores e outras situações indesejáveis e preservar o útero da mulher.
Teresa – EUA 317 Técnica maravilhosa que funciona estou feliz por ter recorrido a este método de tratamento. Aconselho o mesmo a todas as senhoras portadoras de fibromiomas. Esta é a minha sincera opinião.
Elisabete – EUA 494 A embolização permitiu sentir-me com mais saúde e preservar os meus órgãos. Para algumas de nós que passamos pelo processo, permitiu-nos ser mães.
Cristina – EUA 538 A embolização é uma técnica bastante avançada no tratamento de fibromiomas, doença essa que é comum em muitas mulheres. Esta técnica vai permitir uma melhor qualidade de vida e a concretização, em alguns casos, do sonho de ser mãe. Espero que eu seja mais uma dessas mulheres.
Mª Teresa – EUA 541 Fiz a embolização há relativamente pouco tempo, porém já a recomendei a colegas e familiares, pois a técnica não é minimamente agressiva para o organismo, a dor é insignificante, as cicatrizes inexistentes, a mulher tem a felicidade de manter o útero e mais importante, ainda terá nalguns casos, a possibilidade de vir a ser mãe.
Tenho a certeza que a embolização é a “salvação” de muitas mulheres … a todos os níveis.
Mª Hermínia – EUA 338 Uma janela “entre-aberta” para a melhoria da qualidade de vida e do bem-estar de muitas mulheres.
Faço votos para que rapidamente a janela se abra e muitas mais mulheres possam usufruir desta técnica.
Mª Conceição – EUA 019 A embolização das artérias uterinas é uma técnica altamente eficaz, que no meu caso resultou em pleno.
Mais uma vez elogio o trabalho e a dedicação do Prof. Pisco.
Cassilda – EUA 481 A embolização trouxe-me alegria, segurança, esperança e muito mais. Obrigado por tudo.
Mª Beatriz – EUA 017 Um processo inovador que ajuda muitas mulheres a viverem uma vida mais confortável e com menos dor.
Mª Filomena – EUA 363 Método eficiente, sem traumas, com rápida recuperação e com excelentes resultados na saúde e melhoria da qualidade de vida.
Berta – EUA 188 Felizmente que não hesitei no aconselhamento, o depois foi muito além das expectativas. Grande melhoria na qualidade de vida e sem perda de tempo e capacidade de trabalho com o pós operatório, o que se traduz numa grande vantagem para quem tem uma vida muito activa.
Elia – EUA 386 A embolização é para mim o melhor tratamento que já fiz para tratar o meu problema. Este tratamento é rápido, eficiente e não agressivo. Recomendo a todas as mulheres que queiram evitar a cirurgia de remoção de miomas.
Mª Clara – EUA 372 Vejo na embolização uma técnica facilitada pela simplicidade com que o processo nos é aplicado de forma a permitir deixar intactos os órgãos de modo a mantê-los. Literalmente, trata-se de privar os fibromiomas da sua fonte de subsistência.
Mª Isabel – EUA 213 A embolização permitiu que eu continue a sentir que sou mulher e não somente um corpo de mulher. Permitiu que possa continuar a sonhar que a vida continua e sem amputações.
Mª Manuela – EUA 33 Aconselho todas as mulheres antes de fazerem uma histerectomia que tentem 1º a embolização, pois é uma alternativa à preservação do útero e não é dolorosa. Fui confrontada com a dura realidade de fazer histerectomia há oito anos, recusei a operação, os miomas foram crescendo atingindo 30 cm. Graças ao Dr. Pisco pelo seu profissionalismo e atenção que têm com todas as doentes hoje ainda tenho os meus órgãos reprodutores, passei a ter uma qualidade de vida muito melhor. Obrigado.
Maria – EUA 27 A embolização apareceu como uma dádiva, uma vez que vivia os meus dias amargurada com dores que me consumiam, com o peso constante no ventre e com a ideia de uma cirurgia que podia não correr bem, um dia decidi lutar por uma opção a essa mesma cirurgia, e foi o que fiz, pesquisei na net e fui em direcção a um site brasileiro que descrevia ao pormenor a técnica da embolização, de imediato me fascinou e interiorizei que era o que queria para mim, não hesitei duas vezes e logo enviei um mail para lá disposta mesmo a deslocar-me lá, caso tivesse que ser assim, mas felizmente o médico que me respondeu informou-me que a técnica já era feita em Portugal pelo Sr. Prof. Martins Pisco, nem queria acreditar e nesse mesmo dia entrei em contacto com o hospital St. Louis, e dai até ser sujeita à técnica propriamente dita foi um passo, até porque o Sr. Professor recebeu-me da melhor forma possível, na altura encarei-o como um anjo que tinha vindo para me salvar.
Célia – EUA 416 Alegria e a serenidade regressaram depois de anos de desgaste físico e psicológico.
Isabel – EUA 75 A embolização deixou marcas muito positivas na minha vida. Fui mãe, estou muito feliz e recomendo este método a todas as mulheres que tenham o mesmo problema (miomas). Agradeço ao Prof. Pisco: se não fosse ele, neste momento já não teria útero e não teria um bebé lindo.
Brigida – EUA 138 A embolização não sendo um milagre, que todas nós queremos quando existem problemas, é com certeza a técnica que mais preserva a mulher, o seu corpo e os seus sonhos. No meu caso, apesar de não ter eliminado os fibromiomas na totalidade, foi a única hipótese de concretizar o sonho: o Santiago nasce no próximo mês de Maio. Não podemos esquecer que também é importante o apoio médico e familiar após a intervenção e que a técnica por si só não resolve tudo. A mulher tem de estar preparada para uma fase difícil e para que as coisas não aconteçam de imediato. Há que dar ao nosso corpo tempo para aprender a ser “saudável” outra vez.
Cidália – EUA 450 Esta técnica contribui para a diminuição do absentismo laboral das mulheres e para o aumento da natalidade.
Então, Dr. Pisco o que falta agora é solicitar à Sra. Ministra da saúde que integre esta técnica no S.N.S.
Paula – EUA 389 Técnica que permite obter os resultados desejados sem causar traumas psicológicos.
Iria – EUA 392 Considero a embolização uma técnica evolutiva de grande eficácia, recomendável a toda a mulher que dela necessita, apesar do seu custo dispendioso.
Ana Paula – EUA 485 É uma técnica espectacular. Uma luz ao fundo do túnel.
Mª Madalena – EUA 470 Permite resolver um problema de urgente solução sem necessitar do recurso à cirurgia.
Ana Deolinda – EUA 533 Aproveito para dizer que me encontro muito bem, que as dores a urinar demoraram 2 semanas a passar, mas a menstruação já foi praticamente normal e na data prevista. Muito obrigado. Divulguem esta técnica o mais possível, porque vai fazer muito bem a muitas mulheres.
Mª Lurdes – EUA 06 É a resolução absoluta para uma boa condição psicológica e de bem-estar físico.
Serafina – EUA 80 A embolização é uma técnica que permite a retoma do ciclo biológico da mulher, evitando doenças como osteoporose e anemia provocada pelas hemorragias constantes, proporciona não só a cura, como também evita a extracção dos órgãos reprodutores que são muito importantes para o equilíbrio funcional e de saúde da mesma.
Susana – EUA 331 A embolização surge como uma luz de esperança após um caminho de trevas.
Mª Helena – EUA 015 Embolização (uterina) = preservação (útero) Embolização = colaboração (ginecologistas e radiologistas de intervenção) Embolização ó divulgação /informação Embolização, porque não?
Marina – EUA 385 A embolização foi a minha melhor opção e agora sou mais feliz graças ao dr. João Martins Pisco.
Helena – EUA 035 Penso que a embolização é uma técnica fantástica e tenho recomendado a todas as pessoas que têm miomas e comentam o assunto comigo. No entanto, o tratamento em mim pareceu que não foi tão eficaz uma vez que permaneceu o volume com que me queixei no início; mas por outro lado sinto-me segura por saber que esses miomas já não têm hipótese de crescimento.
Conceição – EUA 162 A prática da técnica de embolização uterina permite às mulheres não só melhorar a sua qualidade de vida, mas também a oportunidade de poder “sonhar” com uma nova esperança, para aquelas que ambicionam ser mães.
Mª Teresa – EUA 469 A embolização veio aliviar-me de um fardo imenso, deixando-me ainda uma réstia de esperança para a chegada luminosa de um bebé.
Ana Paula – EUA 524 A embolização, sem dúvida, a melhor solução para manter a reprodução e para uma melhor e rápida recuperação.
Anabela – EUA 525 A embolização é uma esperança para a mulher continuar a ser mulher.
Olga – EUA 442 É urgente que a embolização se torne numa intervenção comum e não simplesmente alternativa.
Ana Cristina – EUA 398 É uma técnica que ajuda a mulher a ter melhor qualidade de vida e dá mais hipóteses aquelas que ainda queiram ter filhos. Recomendo a qualquer pessoa.
Élia – EUA 411 Em vez de um mês de reabilitação o seu problema pode ser resolvido num dia, com a embolização.
Irene – EUA 73 Ajudou-me a não perder a auto-estima porque se ia perder algo que fazia parte de mim e eu não sabia das consequências se tirasse o útero. Não fui submetida a uma cirurgia drástica, mas ainda sinto o mioma. A barriga ainda tem volume o que não é muito agradável. Mas não tenho tido problemas, talvez porque tinha um muito grande. Aconselho as mulheres com este problema a fazerem a embolização. Uma mais valia para a saúde de qualquer mulher.
Clarinda – EUA 427 A embolização permite que continuemos mulheres por inteiro, melhora a qualidade de vida e alimenta o sonho e a esperança da maternidade.
Dora – EUA 448 A embolização é uma cirurgia rápida, eficaz, indolor e que preserva “o ser mulher”.
Lanka – EUA 116 A embolização salva úteros e a feminilidade.
Mª Rosário – EUA 502 Um alivio, um método realmente eficaz.
Florbela – EUA 445 Embolização é a técnica que possibilita que a mulher continua a ser mulher.
Margarida – EUA 72 Histerectomia – pense 2 vezes. Embolização – a técnica sem dor que resolve o seu problema.
Magda – EUA 534 Uma óptima alternativa à histerectomia.
Ivone – EUA 438 Qual a mulher que no seu perfeito juízo, deseja ficar amputada de um órgão? Sobretudo, sabendo, que esse órgão germina a humanidade.
Celeste – EUA 173 Uma técnica a recomendar a todas as doentes que tenham fibromiomas.
Mª Gabriela – EUA 027 A embolização apareceu como uma dádiva na minha vida, uma vez que não me restava mais que a cirurgia.
Clara – EUA 315 A embolização é uma alternativa e menos invasiva, para quem necessita de reduzir a dimensão dos miomas uterinos. A intervenção é muito mais simples e o pós-operatório, sem dúvida, que será mais fácil.
Sónia – EUA 537 A embolização veio trazer-me aquilo que eu, desde os 27 até aos 35 anos, tinha perdido; vontade de lutar por uma melhor qualidade de vida; a minha energia e especialmente o facto de não me retirar um bem de direito de mulher o útero.
Mª Isabel – EUA 165 Técnica inovadora extraordinária que permite preservar um órgão feminino fundamental como melhoria significativa da qualidade de vida possibilitando, ainda, a esperança numa futura maternidade.
Mª Madalena – EUA 513 A minha embolização ocorreu há quatro meses. O balanço é positivo. Acredito que esta técnica seja o futuro da medicina. Ela é, ao invés dos tratamentos habituais, muito menos invasiva e em nada destrutiva. Espero dizer com rigor daqui a um ano que a embolização das artérias uterinas restitui à mulher a qualidade de vida, por vezes há muito perdida.
Anabela – EUA 420 A embolização é a esperança para todas as mulheres que sofrem de infertilidade e a quem é pedido para deixarem de ser “mulheres”.
Mª Natália – EUA 334 O professor Pisco para mim foi a minha salvação a todos os níveis, quer de mulher, profissional, vida particular, em tudo.
Não há palavras para descrever. Depois de conhecer uma técnica como esta é impossível ficar indiferente pois, nós mulheres sabemos o quão importante é essa parte do corpo. É o despertar para uma nova vida e desfrutar o mais possível dela.
Agradeço ao professor Pisco e a toda a sua equipa, pois sem vocês neste momento não estaria com o sorriso que tenho estampado na cara, enquanto escrevo este pequeno texto. Muito obrigado por me fazerem uma mulher feliz.
Isabel – EUA 473 Uma técnica fantástica, executada por uma pessoa fantástica que fez com que cada mulher se continue a sentir mulher. Bem-haja.
Catarina – EUA 127 Uma alternativa de elevada eficácia. Cirurgia que merece ser amplamente reconhecida e apoiada, nomeadamente para favorecer a natalidade.
Mª Manuela – EUA 287 Uma nova oportunidade para a mulher que quer continuar a sentir mulher, completa e feliz.
Mª Helena – EUA 174 Para nós mulheres é sinónimo de evolução no tratamento de fibromiomas.
Mª Emília – EUA 63 É uma técnica em que os resultados são bastante bons e isso faz com que a qualidade de vida da mulher seja bastante melhor, tanto fisicamente como psicologicamente.

Depoimentos do IV Encontro 28 de Março de 2009

01 – SóniaA embolização uterina transformou a minha vida. Terminou com o pesadelo das minhas hemorragias. Não menos importante mantive parte do meu corpo que queriam retirar. Desde a embolização tenho uma vida perfeitamente normal. A embolização proporcionou o melhor que a vida me podia dar, a minha querida filha Catarina.
5 – RosaNascemos com 1 coração, 2 rins, 2 pulmões, 2 ovários, 1 útero entre muitos outras coisas, todos eles com as respectivas funções para o bom funcionamento do nosso corpo. Porque razão havemos de retirar o útero se não é estritamente necessário? Pode ser mais fácil para o médico mas para a doente seguramente que não é por muitas e diversas razões.
06 – Mª Lurdes É a melhor solução para um problema que existe em talvez 80% das mulheres. A embolização fez com que eu adquirisse uma boa condição psicológica e um excelente bem-estar físico.
020 – Antónia A embolização é o método por excelência para qualquer mulher com a patologia de fibromiomas preservar o seu precioso útero. O professor Martins Pisco é um profissional muito interessado, competente, atento, prestável. Acompanha as suas doentes constantemente, estando sempre disponível para as atender. Sintetizando: é um profissional 5 estrelas, que contribui para a melhoria de vida das mulheres a quem faz a intervenção e às respectivas famílias. Que bom ver mulheres que após a embolização puderam ser mães! Obrigada por tudo Professor Martins Pisco!
15 – Mª Helena P. A embolização é um método muito eficaz e sem complicações pós tratamento. Tem uma recuperação relativamente rápida, sem comparação com uma cirurgia e sem os riscos da mesma. Pessoalmente já recorri duas vezes a este tratamento e melhorei consideravelmente.
33 – Mª Manuela A embolização foi um dos melhores investimentos que fiz ao longo da vida, foi uma técnica dolorosa que me deu grande satisfação, aliviou o desgaste que sentia mensalmente e devolveu-me a liberdade e qualidade de vida.
Estou muito satisfeita com os resultados tinha muitas dores abdominais, hemorragias e abdómen muito volumoso. Após a embolização melhorei bastante. Recomendo a todas as mulheres que tenham miomas (mesmo muito grandes) esta técnica.
036 – Dora É um excelente método que deveria ser mais divulgado e mais acessível a todas as mulheres com este problema.
039 – Mª Luz Cada ser humano é único. Acredito que possa haver outros tratamentos para outras pessoas e que os próprios médicos consigam chegar a uma precisão maior nos diagnósticos tornando-os mais especializados. Na altura em que fiz a embolização, acho que optei pelo tratamento mais correcto para mim.
57 – Beatriz Nada é igual, cansaço e dor acabado. Recomendo, aconselho e propago o meu sucesso. Eternamente grata ao Prof. Pisco.
63 – Maria Esta técnica devia estar mais divulgada a nível dos ginecologistas. As pessoas deviam ter opção de escolha sobre o tipo de tratamento. Esta técnica devia ser reconhecida pelo Ministério da Saúde.
74 – Mª Helena É uma boa prática, pois evita a histerectomia que possivelmente nem sempre é necessária e aconselhável. Se depois de feitos os exames prévios se verificar que com a embolização se resolve a situação, acho bem que se aconselhe a fazer a embolização, evitando a extracção do útero.
75 – Isabel  É uma técnica que consiste no tratamento dos fibromiomas em que é utilizada apenas anestesia local e actualmente, também acupunctura, cuja intervenção é de curta duração, curta hospitalização e também de rápida recuperação.
83 – Maria  A embolização é um método muito bom pois evita o grande problema da cirurgia, o tratamento é muito fácil. Já fiz por duas vezes, a primeira vez não resultou, a segunda sim, mas voltava a fazer se fosse preciso, passei sempre muito bem sem dores. Já passaram três anos até me esqueço do mioma que media 12 cm, não desapareceu mas actualmente é muito pequeno. Aconselho a todas as mulheres a fazerem a Embolização. Ao Prof. Pisco o meu obrigado.
89 – Mª Fatima A intervenção foi muito simples fiquei muito satisfeita.
O facto de não ter removido o útero, fez com que a minha auto-estima melhorasse. Apesar de ter 50 anos sinto-me muito mais nova.
Agradeço o facto de ter visto um telejornal onde relatava a técnica e os procedimentos da embolização, que me fez procurar o Sr. Professor alguns dias antes de marcada a intervenção para remoção do útero, pois a ginecologista dizia que não haviam outras hipóteses.
90 – Neusa  Acho que todas as mulheres que tem possibilidades deveriam fazer, pois fiquei bem melhor e não precisei de retirar o útero.
105 – Helena Uma técnica fantástica que recomendo vivamente a todas as mulheres que apresentem os sintomas que eu tinha (fluxo menstrual elevado e prolongado).
Parabéns ao Prof. Pisco pelo excelente trabalho e felicidades para a sua vida pessoal e profissional.
110 – Ariberta A embolização é uma alternativa absolutamente inovadora e milagrosa para as mulheres que necessitam de alternativas à histerectomia.
113 – Dina Tratamento milagroso para as mulheres que pensam que já não existe solução.
115 – Mª Antónia Tive conhecimento desta técnica pela televisão, estava a um passo de marcar a histerectomia e no dia seguinte telefonei e marquei a consulta com o Professor Martins Pisco. Estou Satisfeita.
149 – Sandra  Considero ser uma técnica revolucionária para todas as mulheres com fibromiomas principalmente para aquelas que ainda querem engravidar e que de outra forma não o poderiam fazer ao lhes removerem o útero como costuma ser aconselhado nestes casos.
152 – Rute Trata-se de uma técnica inovadora mas muito eficaz que proporciona à mulher uma melhor qualidade de vida.
166 – Katia Foi a melhor coisa inventada para facilitar a vida da mulher.
167 – Veridiana Voltei a ter uma vida normal coisa que não me acontecia até realizar esta intervenção.
168 – Mª Isabel A embolização é uma intervenção médica simples, muito eficiente e bastante cómoda para a paciente que tem uma recuperação rápida e sem complicações a nível físico e psicológico, porque regressa à sua vida e ritmo normal sem cicatrizes.
170 – Mª José  Técnica muito avançada no tratamento de fibromiomas pois é quase indolor e é de mais fácil recuperação que outros processos. Do ponto de vista psicológico é óptimo, pois aumenta a auto-estima.
181 – Maria TEM TODAS AS VANTAGENS SOBRE A HISTERECTOMIA QUE PASSO A INDICAR: – Preserva os órgãos reprodutores e evita os traumas psicológicos causados pela sua perda; – Evita uma cirurgia com a consequente perda prolongada da actividade profissional e física; – Evita uma anestesia geral; – Tem recuperação rápida, sem deixar qualquer vestígio da intervenção; – Resultados espectaculares: recuperação do estado saudável e da qualidade de vida anterior ao aparecimento do fibromioma. – Possibilidade de voltar a engravidar
192 – Mª Lurdes Técnica não invasiva, de rápida recuperação e que permite na maioria dos casos melhorar a qualidade de vida e o bem estar da mulher. A embolização uterina devia ser mais divulgada e recomendada pelos médicos ginecologistas como alternativa à cirurgia e consequentemente devia ser comparticipada.
203 – Zenaide Aconselho a todas as mulheres a quem foi sugerida histerectomia, a optar por embolização uterina é uma técnica mais eficaz e que não traz danos físicos nem psicológicos.
209 – Teresa Foi algo que me apareceu com o resultado excelente.
215 – Ana Paula Concordo com este meio técnico porque trás vantagens para a mulher, podendo em principio manter a sua matriz procriadora e mantêm órgãos que para alem dessa função tem outras.
223 – Mª Inocência  Creio que a embolização é um processo que visa simplificar um problema que afecta muitas mulheres. Pessoalmente posso dizer que estou muito satisfeita com este processo que possibilitou que neste momento possa ter uma qualidade de vida melhor que a que tinha na altura em que foi detectado o problema. Sem dúvida que recomendaria a qualquer paciente que escolhesse esta forma de tratamento bem como os profissionais que me acompanharam na altura.
226 – Mª Leonor A embolização é um tratamento que preserva os órgãos da mulher, é menos doloroso que a cirurgia, a recuperação é rápida e o resultado final é bastante bom.
277 – Rosa A embolização é uma técnica que me permitiu ter qualidade de vida, manter os meus órgãos reprodutores, parar as hemorragias e equilibrar os fluxos menstruais.
279 – Marialva – Procedimento seguro e eficiente no tratamento de sintomas produzidos por miomas. – Realizado em menos de uma hora – minimamente invasivo. – Trata todos os miomas simultaneamente (pelo menos os de maiores dimensões) – Eficaz, independentemente do tamanho dos miomas. – Eficiente no tratamento da hemorragia, dores e pressão causados pelos miomas. – Diminuição significativa no tamanho dos miomas.
Preservação da fertilidade (submeti-me a uma FIV em Março de 2008, sem sucesso. O médico em questão tentou imputar responsabilidades à embolização. Falei com o Dr. Pisco a respeito logo em seguida e continuo a confiar na embolização. Neste momento, o que posso afirmar é que vou fazer uma nova FIV brevemente, mas com outro especialista (pois o que se passou comigo foi que notei que tive uma perda de sangue (hemorragia) ao término da FIV e suspeito de imperícia do médico que me assistiu na ocasião). Como reza a sabedoria popular: “Se parares cada vez que ouvires o latir de um cão, nunca chegarás ao fim do caminho.”
303 – Ana A embolização permitiu realizar o sonho de ser mãe, e melhorou a minha qualidade de vida. Evitou que me submetesse a outros tratamentos mais drásticos e dolorosos.
306 – Ana  Esta foi a 2ª embolização que fiz. A 1ª foi em 2004 e não teve êxito. Na 2ª embolização os miomas diminuíram 60%.
309 – Alexandra Ser mãe é maravilhoso e compensa qualquer caminho mais “penoso” que se tenha que atravessar para poder engravidar. Ter um filho é o melhor do mundo.
317 – Teresa Fiz uma miomectomia em 2004 que não deu qualquer resultado. Fui embolizada em Novembro de 2006 e fiquei surpreendida com o resultado que superou todas as minhas expectativas. Obrigado Prof. Pisco e respectiva equipa.
332 – Mª Fátima É a melhor técnica para o tratamento dos fibromiomas foi muito importante para mim ter tido a possibilidade de fazer este tratamento e o conhecimento desta técnica na hora certa, pois já não tinha qualidade de vida.
334 – Mª Natália A embolização é um renascer para uma nova vida, uma nova alegria e sem preocupações!
338 – Mª Herminia Intervenção rápida e eficaz e que melhorou significativamente a minha qualidade de vida. Recomendo.
346 – Cristina  A embolização é uma técnica que na minha opinião evita a histerectomia e permite às mulheres terem uma vida activa, normal. É uma técnica que me parece segura, rápida e não invasiva.
361 – Ianara Simples, segura, eficaz uma técnica conservadora que todas as mulheres merecem conhecer e ter pelo menos a oportunidade de escolha em opção à miomectomia / histerectomia.
363 – Mª Filomena Porque sofrer tanto? Quer físico quer psicológico! Se já existe uma solução! É uma cirurgia minimamente invasiva, e portanto menos traumática que a cirurgia convencional, não há cicatrizes e a recuperação é muito rápida. Lamento é que seja tão pouco divulgada.
384 – Catarina Uma técnica não invasiva, indolor, que permite a conservação do útero e da fertilidade, sendo muito eficaz no tratamento dos fibromiomas e dos sintomas associados. Surgiu como a melhor e mais segura solução para o meu problema. Recomendo a outras mulheres com o mesmo problema.
385 – Marina L. A embolização foi um tratamento revolucionário no meu caso.
386 – Lilia  É o melhor tratamento para este problema só lamento não ter tido conhecimento anteriormente ter-me-ia evitado duas miomectomias e primeira em 2002 e a segunda em 2006.
398 – Cristina Acima de tudo qualidade de vida, uma vez que nos últimos meses antes desta técnica, já não conseguia fazer certas coisas básicas que faço no dia a dia.
É uma óptima técnica uma vez que é praticamente indolor e muito rápida a sua intervenção para além da rápida recuperação.
Só espero que o meu estado de saúde se mantenha sempre assim e não voltem a desenvolver-se.
401 – Guida A embolização é uma técnica eficaz no tratamento de fibromiomas não invasiva e que tem a enorme vantagem de preservar o útero.
402 – Maria Considero a embolização uma técnica rápida sem qualquer tipo de mutilação ao meu corpo.
407 – Isabel  A embolização parece-me ser a via deveras mais eficiente para contornar o infortúnio de uma sentença como a Histerectomia e em simultâneo, a via para tornar bastante mais próximo e completamente realizável o sonho de ser mãe!
408 – Ana Penso que é um método inovador e eficaz que pode preservar e contribuir para a melhoria da saúde, a todos os níveis, das mulheres.
Devia ser mais divulgado pela comunicação social e sobretudo, por questões de honestidade e ética, devia ser obrigatória a sua divulgação pelos ginecologistas às suas pacientes. A titulo de exemplo, poderiam ser colocados desdobráveis informativos sobre a embolização nas salas de espera dos consultórios dos ginecologistas.
Enquanto os ginecologistas não prestarem esta informação às suas pacientes portadores de miomas como, pelo menos, um método alternativo de tratamento que lhes perversa o útero, a par de outros que considerem igualmente validos, podemos afirmar, sem hesitação, que existe um problema de ética na classe medica.
412 – Sofia  É uma técnica excelente e que preserva a integridade feminina.
414 – Sofia Uma boa alternativa a técnicas mais invasivas não só para as mulheres jovens, como também para quem quer preservar o útero.
415 – Mª Helena N. O desconforto, dor e a insegurança levou-me a procurar o médico. Estava inchada e a frequência que vinham as hemorragias, levaram-me a fazer tomas de medicamentos, que me estavam a prejudicar no sentido em que me faziam engordar. Há dois anos, que fiz este tratamento e desde então, voltei a ser o que era. O meu corpo recuperou a sua forma e sinto-me muito mais descansada com a periodicidade dos meus períodos sendo regulares e quase sem dor. Estou por isso muito satisfeita.
416 – Célia É uma técnica a recomendar, pela rapidez, eficiência e pela qualidade de vida posterior. Pelo simples descanso de nos encontrarmos completas no nosso corpo.
423 – Maria  Afirmo ser um método a utilizar a curto prazo pelos ginecologistas, uma vez que tem menos implicações físicas e emocionais na mulher e permite a esperança da gravidez naquelas que ainda não viveram a maravilhosa aventura da maternidade. No meu caso, fiz a embolização já aos 52 anos e considero ter sido o passo certo, visto que hoje com 54 anos continuo a ter período menstrual regular, uma vida sexual normal e sem dúvida que estou prolongando um pouco mais a minha boa saúde.
427 – Clarinda  Pela minha experiência e da análise dos depoimentos anteriores de outras pacientes, verifica-se que a Embolização não só melhora a qualidade de vida, como ajuda a concretizar sonhos, ou seja, torna-nos mais felizes.
428 – Ana Isabel Melhorou a minha qualidade de vida, tanto no aspecto físico como psicológico. Recomendo que antes de fazerem uma histerectomia façam uma embolização.
437 – Cristina Pensei que pelo facto de ter feito este exame seria mais fácil gostaria de ter um acompanhamento nesse sentido pois já começo a achar muito difícil o meu sonho se realizar. No entanto deixo aqui o meu testemunho que o grande sucesso e devido a este grande medico de qualidades humanas infindáveis. Para ele o meu obrigada por tudo e um ate breve. Parabéns Dr. Pisco por ser quem é. Em 03 de Abril de 2009 teve conhecimento de gravidez de 6 semanas.
437 – Cristina A. Queria partilhar este momento de Felicidade ao fim destes dias de total ansiedade. O resultado do meu exame da amiocientese chegou. Esta tudo normal e vou ter uma menina. Agradeço a Deus por ter amigos como vocês porque sei que se preocupam comigo. Beijinhos desta vossa amiga.
445 – Florbela Friamente recebi a noticia que esperaria um ano para retirar o meu útero, porque ainda era muito nova, mas seria a única forma para resolver o meu problema. Eu não queria acreditar no que ouvia, foi como se o mundo desabasse sobre mim. Em casa chorei e pensei que depois do que me iria acontecer nunca mais sairia de casa. Até que uma colega me falou de um tratamento que a prima tinha feito. Deu-me o nome do hospital, fiz a pesquisa na Internet e lá estava eu numa consulta do Prof. Pisco. Depois, não foi preciso muito tempo para resolver submeter-me a uma embolização. E hoje estou bem de saúde com o meu problema resolvido e com o meu corpo intacto. Muito obrigado, Prof. Pisco por ter desenvolvido esta técnica em Portugal.
455 – Carla Um excelente método, uma esperança para nós mulheres a todos os níveis familiares, pessoais e profissionais.
471 – Mª Manuela Trata-se de uma técnica amiga da vida que tem, absolutamente, de ser divulgada e massificada para que todas as mulheres, mesmo as que não tem recursos financeiros, dela possam usufruir.
479 – Rute  A Embolização não é uma das alternativas postas à mulher mas sim uma solução. Se não tivesse tido conhecimento desta técnica, hoje estaria sem útero e a minha qualidade de vida não seria a actual. Desde da embolização falo a todas as mulheres desta minha experiência.
481 – Cassilda  Após a embolização a minha qualidade de vida melhorou muito. Obrigada a todos aqueles que tornaram isto possível.
Rosário P. EAU 502 É um bom sinal pois a minha vida mudou radicalmente um ano e meio após embolização efectuada em Outubro de 2007. Nunca mais soube o que são hemorragias e períodos que nunca acabavam.
A partir de Setembro de 2008 a minha menstruação começou a regularizar e até agora tem aparecido normalmente, nas datas certas e dura pouco mais de 5 dias. Uma festa!
513 – Mª Madalena Falcão  Após ter tido as minhas filhas cerca dos 30 anos, os meus períodos tornaram-se hemorrágicos e a situação agudizou-se. Em 2007 deparei-me com uma hemorragia de 21 dias, a hemoglobina estava então a 8.6, mesmo com a toma de suplementos alimentares. Percebi que tinha de agir. Depois de ter reagido firme nas ocorrências recorrentes às emergências do hospital, era tempo de me decidir por esta técnica já disponível, mas muito, muito pouco divulgada ou sequer apadrinhada pelos médicos que ate então me tinham assistido em hospitais.
O que mais me surpreendeu nesta técnica, foi a rapidez e eficácia imediata dos resultados, a minha hemoglobina mantém-se em 12.5 e posso finalmente, dispor de toda a minha energia para desempenhar com prazer todas as actividades do dia a dia. É um novo renascer. Gostaria é claro que todas as mulheres pudessem ter acesso a esta técnica, sempre que a situação o justificasse, ate porque este é um problema de saúde que muitas mulheres enfrentam, não o podendo de todo evitar.
514 – Isabel Acho a embolização um tratamento muito bom, pois comparado com qualquer cirurgia com cortes, pontos, a recuperação da doente é muito mais fácil e rápida.
522 – Paula Considero a embolização um método evoluído, menos agressivo, de risco reduzido e rápida recuperação.
Tenho 46 anos se não tivesse tido alternativa e se tivesse aceite submeter-me com 42 anos a uma histerectomia como proposto por mais do que um ginecologista, estaria agora a passar por uma velhice precoce com todos os problemas eminentes a esta.
Ao Sr. Prof. Pisco (único especialista nesta área em Portugal). Tenho tido um acompanhamento de excelência, com total disponibilidade da equipa do Sr. Prof. pela minha saúde fazia tudo de novo (se fosse caso disso).
526 – Dália Penso que a embolização é a melhor forma de se livrar dos miomas, hemorragias e continuar com os órgãos do aparelho reprodutor intactos. Acho que tudo que temos no nosso corpo é preciso e precioso. Voltei a ter uma vida sexual sem dores e muito agradável. A vida sexual é muito importante para qualquer um de nós, estou muito feliz por isso e espero que todas as senhoras submetidas a este tratamento fiquem também felizes.
533 – Ana  Considero uma técnica altamente satisfatória para a mulher, seria bom que todos os ginecologistas deste pais, a conhecessem e recomendassem às suas pacientes. Seria bom que o serviço nacional de saúde comparticipasse, da mesma forma como participa nas histerectomias, que é altamente lesiva para a mulher, e com custos muito mais elevados. Infelizmente muitas mulheres não tem a possibilidade económica de fazer esta técnica. o tempo de recuperação é muito rápido. Divulguem esta técnica.
534 – Magda Os ginecologistas davam-me como única alternativa uma histerectomia com um pós-operatório complicado e doloroso. Esta técnica permitiu-me um recobro rápido e tornou-se uma boa alternativa a uma histerectomia.
535 – Ana É um método simples e com óptimos resultados. Permite uma melhoria da qualidade de vida com um mínimo de efeitos secundários, evitando o tratamento prolongado, hospitalização e mesmo da cirurgia. Deveria ser muito mais divulgado e aconselhado.
538 – Cristina  A embolização é um tratamento maravilhoso. Recomendo a todas as pessoas com este problema. Espero um dia poder vir a realizar um sonho: O de ser mãe! Este tratamento pode ajudar-me a realiza-lo.
539 – Olga Muito bom em todos os sentidos.
542 – Alexandra Considero que a embolização foi a única técnica que me devolveu a minha qualidade de vida e solucionou o meu problema completamente.
543 – Cristina Uma técnica inovadora, simples e com óptimos resultados.
544 – Ana A embolização de miomas possibilita a preservação de um órgão tão importante no corpo feminino reprodutor. Melhora a qualidade de vida ao nível físico e emocional da mulher.
545 – Lúcia  A embolização permite à mulher ganhar uma liberdade que se havia perdido. Agradeço a toda a equipa, em especial ao Prof. João Pisco, a disponibilidade e atenção manifestada quer antes, durante e após a embolização. A todos um muito obrigado.
548 – Iria Um avanço medico infelizmente ainda pouco divulgado e as vantagens pouco conhecidas ou desvalorizadas. O útero continua a ser um órgão que só serve para ter filhos ou de contrario não faz falta nenhuma. É considerado absolutamente desprezável se não for para ter filhos.
553 – Alda Penso que é uma técnica que devia ser acessível a um maior número de mulheres, a todas as mulheres que dela necessitem.
559 – Esmeralda A minha experiência foi bastante gratificante porque não conhecia a técnica. Após consultar o meu ginecologista, este falou-me desta inovação e aconselhou-me a falar com o Prof. Pisco. Foi um processo rápido e pleno sucesso. Recomendo a embolização.
565 – Rute A embolização é uma técnica que nos permite conservar os órgãos de forma natural, considero-a um tratamento enquanto que a histerectomia é castrante.
569 – Paula Acho que é um tratamento que devia ser logo recomendo as mulheres, porque é um tratamento pouco doloroso e traz uma qualidade de vida e uma auto-estima muito boa às mulheres.
570 – Gorete Aconselho a todas as mulheres portadoras de fibromiomas a efectuarem uma consulta com o Prof. Pisco.
577 – Ursulina A Embolização e uma nova técnica para o tratamento de miomas no útero que ajuda a mulher a evitar o método através da cirurgia (histerectomia).
Este Método é super simples, e indolor.
A minha experiência: Quando me foi diagnosticado o mioma no útero, foi-me aconselhado fazer a histerectomia.
Depois de vários problemas: hemorragias, dor no baixo-ventre, inchaço e problemas urinários graves, de recorrer às urgências do hospital para fazer a evacuação de urinas, resolvi fazer pesquisa na internet sobre este assunto.
Foi nesta pesquisa que obtive a informação sobre a .Embolização, e desde logo contactei telefonicamente o Hospital S. Luís, para saber o que fazer e marcar uma consulta com o Prof. Martins Pisco.
Depois foi a consulta em que o Prof. Martins Pisco depois de observar os exames que antecipadamente efectuei para levar à consulta me disse que poderia fazer a Embolização. Pouco tempo depois (cerca de 1 mês) estava no hospital para fazer a Embolização. Entrei cerca do meio-dia e pelas sete horas da noite fui para casa.
Nos três dias que estive de repouso, notei logo diferença, e nos meses que se seguiram essas diferenças foram – se acentuando cada vez mais até à ressonância magnética, que revelou diminuição do mioma em 76% do seu tamanho (9 em).
Estou muito satisfeita com os resultados deste método, e aconselho a todas as mulheres que têm mioma (s).
Eu, devido à minha profissão e mesmo à zona onde resido (Tondela), deveria ter contactado o Prof. Martins Pisco para o informar do sucesso da intervenção, mas por falta minha não tenho agido muito bem, porque não voltei a dar-lhe notícias minhas. Efectuei a ressonância Magnética em Outubro, e já pensei marcar uma consulta no Hospital, mas com as voltas que o Ministério da Educação (devido à avaliação dos docentes), nos faz ter falta de tempo para tratarmos de nós, fui adiando a referida consulta.
579 – Sónia Melhorou a minha qualidade de vida e sobretudo deixou-me voltar a ser mulher.
589 – Aldina A meu ver e no que toca à minha experiência só posso dizer que é um tratamento que vale a pena, grande aposta da investigação.
Devo ainda dizer que o Prof. Pisco é competentíssimo e bastante sensível.
591 – Mª Alice A embolização melhorou muito a minha qualidade de vida pois antes de a fazer, todos os meses na altura do período menstrual não conseguia urinar tendo que ir às urgências do HCC para me retirarem a urina. Para alem deste problema melhorou outros aspectos como hemorragias, algumas dores e volume no abdómen.
593 – Marisa Penso ser uma técnica muito boa, só vi resultados nas hemorragias a partir do 4º mês, hoje em dia, quando estou menstruada, o 1º dia tem muito fluxo e os restantes quase nada, e antes estava cerca de 3 dias com um fluxo enorme, quase incontrolável. Outro aspecto positivo é que depois da embolização a pessoa fica muito bem e rapidamente pode voltar a fazer a sua vida normal.
594 – Chamine É uma técnica simples, a qualidade de vida melhorou extraordinariamente após a embolização todos os sintomas melhoraram a partir do 5º mês e a partir do 10º mês verificou-se uma redução significativa da hemorragia.
601 – Graça Hoje não teria esperado tanto tempo para me decidir a fazer a embolização. Desejo que fosse possível a qualquer mulher aceder a este tratamento. A embolização proporciona a uma mulher continuar a ser mulher integralmente.
604 – Mª José  A embolização é um óptimo tratamento. A nossa qualidade de vida aumenta substancialmente e, o mais importante de tudo, não provoca infertilidade. No meu caso as dores menstruais desapareceram e o fluxo diminuiu bastante, assim como o número de dias. Até ao nível do sistema nervosos, que ficava alteradíssimo na fase pré-menstrual, se verificou uma enorme alteração para melhor. Depois tive a enorme sorte de expulsar todo o fibromioma. Vi-me livre de um problema e não do meu útero.
605 – Maria  É uma técnica inovadora que permite solucionar um problema, evitando a retirada completa do útero e assim possíveis hemorragias, o que é vital em mulheres anémicas. É muito importante também para mulheres que desejem ainda engravidar, o que com a histerectomia isso seria totalmente impossível.
O Prof. Pisco tem umas mãos de ouro.
Foi o anjo da guarda que me apareceu.
A embolização foi um grande êxito e um projecto inovador com muito êxito. Parabéns a todos.
610- Dulce Mulher dadora e protectora da vida, o seu papel no mundo é inestimável. Agradeço por poder continuar a sentir-me “Mulher”. Um bem-haja ao Dr. Pisco.
614 – Ana A embolização melhorou em muito a minha vida e é uma boa alternativa a uma operação.
609 – Maria Esta cirurgia é muito rápida e a sua recuperação pós-operatória bastante breve, podendo reiniciar a sua vida normal, muito rapidamente.
621 – Maria Para mim a embolização é uma técnica amiga de qualquer mulher, uma vez que nos perversa o útero e nos resolve o problema de uma forma rápida, eficaz, duradoura e sem dor, fazendo com que a nossa vida volte de novo a sorrir. Aconselho vivamente a qualquer mulher que como eu, tenha de passar por esta situação. No meu caso, sinto-me muito feliz por me ter sido dada esta oportunidade em fazer a embolização na companhia de uma equipa médica fantástica, com a mais valia de me ser preservado o útero. A todos os que me acompanharam nesta “caminhada” o meu muito obrigado.
624 – Margarida A Embolização foi um tratamento indolor, que fez com que actualmente eu tenha uma melhor qualidade de vida. Principalmente porque já agora já não ando preocupada com o fluxo menstrual.
627 – Neusa Acho que todas as mulheres que tem possibilidade deveriam fazer, pois fiquei bem melhor e não precisei retirar o útero.
631 – Márcia Uma alternativa que devia estar ao alcance de todas as mulheres que sofrem deste tipo de problemas.
Uma luz ao fundo do túnel para quem o diagnóstico ia impedir a fertilidade e outros problemas associados à formação de miomas uterinos.
646 – Ana  Técnica nova é a Embolização E deveria ser a primeira “operação” Pois antes de abrir e cortar Na virilha há que um furinho tentar. A sua recuperação é bem melhor Na há linhas nem pontos para tirar Sem cicatrizes e quase sem dor Temos apenas de a qualidade de vida recuperar. É uma técnica nova em Portugal Mas tem mais anos do que eu em outro local Porque então não aprendem os nossos médicos A evitar a histerectomia que é total??
649 – Maria No meu caso pessoal achei: quando a fiz um “espectáculo” sem dor, uma intervenção “limpa”, retomei actividade quase de imediato.
658 – Carita  Dois meses após ter sido intervencionada com miomectomia, na qual, foram retirados 28 miomas; foi-me apresentada como única solução, a histerectomia. Consultei o Prof. Dr. Pisco que, face ao grande volume do abdómen, disse que tentaria mas não poderia prometer nada em relação aos resultados;
Depois de 6 meses os resultados foram impressionantes.
De um útero com grandes e numerosos miomas, restam apenas 4, sendo o maior de apenas 1,6 cm.
A minha qualidade de vida melhorou muito. Desapareceram as hemorragias; a anemia curou-se; a prisão de ventre e a frequente necessidade de urinar também desapareceram, assim como, o grande volume do abdómen.
A Embolização é uma prática que tem resultados visíveis e em situações em que outras técnicas nada podem fazer.
A Embolização deverá ser SEMPRE apresentada às pacientes e cabe a QUALQUER profissional da área conhecê-la e efectuar o devido encaminhamento das pacientes. A Embolização tem de ser vista como opção e solução viável.
657 – Rosemray  É um tratamento inovador, sendo assim uma técnica menos invasiva que as técnicas cirúrgicas como por exemplo (regime ambulatório, curta convalescença, etc) e resolvendo grandes problemas da mulher como preservar o seu útero e retoma rápida da sua actividade normal.
661 – Célia Fazer a embolização foi o melhor para mim, sem esperar, sem dor, estou muito satisfeita, recomendo a todas as mulheres com fibromiomas.
667 – Célia Método inovador, com óptimos resultados, que deveria ser mais divulgado. Pessoalmente estou muito satisfeita, tenho uma qualidade de vida muito melhor. O meu período menstrual era de 8 dias e nesta altura é de 4 dias sem dores.
668 – Sónia É um método que devia ser aconselhado pelos ginecologistas, por todos os motivos, pela preservação do útero, para não se ter de ser submetida a uma cirurgia sem necessidade, por ser pouco doloroso e por melhorar a qualidade de vida da Mulher.
669 – Maria A divulgação desta técnica de tratamento deveria era mais conhecida. Os médicos do estado criticam este método de tratamento. As mulheres são mal atendidas por vários médicos dos hospitais e médicos de família. Só se tratam quem tem dinheiro para ir para clínicas privadas.
672 – Maria No meu caso particular, surgiram-me diversas dúvidas quanto a sintomas na fase pós-embolização e tive que, numa 1ª fase recorrer à Ginecologista que me tem seguido, mas que não tem experiência neste tipo de tratamento e como tal reage preventivamente, considerando que os riscos são compensam a opção tomada.
Actualmente ainda tenho dúvidas quanto à reacção do meu aparelho reprodutor face à embolização e confesso que me sentiria muito mais descansada e confiante, se o seguimento que o Professor Martins Pisco assegura, duma forma muito profissional e simpática, fosse acompanhado por um(a) Ginecologista com experiência em acompanhar este tipo de situações.
Considero no entanto, que a equipa liderada pelo Professor Pisco tem tido uma atitude profissional muito pro-activa, desenvolvendo acções que permitem discutir abertamente todos os aspectos relacionados com esta técnica e possibilitando que gradualmente os profissionais em Ginecologia se vão envolvendo com os profissionais de Radiologia na análise e optimização desta técnica. Esta é a atitude certa, quer para credibilizar a Embolização, quer para benefício de todas as pacientes que tenham de passar pela difícil fase de opção entre uma solução mais tradicional, mas mais radical (histerectomia) e uma solução mais recente e com casos de sucesso reconhecidos, mas que ainda não tem um historial suficientemente longo para que se possam conhecer bem todas as suas futuras implicações.
674 – Mª Elisabete Método pouco invasivo o qual permite recuperar a qualidade de vida e a capacidade de ser mulher. Parabéns e obrigada.
676 – Laura A embolização fez com que pudesse voltar a sorrir muitas vezes, deixei de fazer viagens, exercício físico com medo das hemorragias descontroladas mas com a embolização retomei tudo aquilo que muitas vezes já tinha dado como perdido. A embolização foi a melhor decisão que algum dia podia ter tomado.
680 – Mª Fernanda É uma técnica recomendada porque a nível mental, físico, emocional, espiritual e a qualidade de vida melhoram muito. Sentimo-nos muito mais leves, com mais confiança, etc…
Gostei, superou as expectativas e recomendo a todas as mulheres.
685 – Joana Já tinha sido submetida a uma miomectomia, há 4 anos, em que estive em casa durante três semanas com febre e infecções urinárias.
Quando retomei o trabalho estive impedida de conduzir durante mais um mês e durante três meses as sequelas da cirurgia que se sentiam principalmente no fim do dia de trabalho foram bastantes desagradáveis. Passados 4 anos sugeriram-me uma nova miomectomia só para manter o meu útero ate à altura em que ele se tornasse inútil para a reprodução e então ai iriam fazer-me uma histerectomia. Com a embolização tive algumas dores nas horas que se seguirem e retomei a minha actividade ao fim de 3 dias. Tive indisposições mas nada de relevante comparado com a miomectomia. So me resta saber qual a eficácia em termos dos miomas que tenho, uma vez que ainda não passaram 6 meses pelo que ainda não fiz RM de controlo.
A embolização representa para mim esperança em manter o meu útero independentemente de querer ou não vir a ter filhos. Na minha opinião o útero não é apenas um saco de bebes, faz parte de mim e tenciono mantê-lo pelo máximo de tempo que me for possível.
686 – Florbela A embolização é uma técnica que veio revolucionar os nossos tempos com este método o sonho de qualquer mulher em relação à maternidade torna-se possível.
689 – Ana Sob reserva (atendendo a que, decorridos apenas 3 meses após embolização, ainda não fiz os exames necessários para averiguar da redução do mioma) e baseando-me apenas na ausência de dor e de fluxo intenso e redução de tempo menstrual pós embolização, creio que a técnica é credível e recomendável e, revelando-se eficaz, é muito menos invasiva e de recuperação breve face às outras abordagens médicas.
692 – Margarida No que me diz respeito, a embolização revelou-se mais dolorosa do que estava à espera. Contudo, o fluxo menstrual diminuiu, embora se prolongue por mais dias. Passaram apenas 2 meses e meio, e até à data considero que ganhei um pouco mais de qualidade de vida. Espero que a longo prazo, se tome ainda mais evidente.
693 – Maria  Eu diria que é uma das 7 maravilhas da medicina sem dor, sem cortar e com a possibilidade de ficarmos com o nosso útero.
695 – Olga Deve ser muito divulgada, uma vez que será a resolução de um problema para muitas mulheres e também devido à sua eficácia.
696 – Idalina Considero a técnica fácil, na óptica de paciente, para os benefícios que trás. Deixei de ter dores, perdas de sangue constantes e tudo o que implicava de negativo a minha vida.
698 – Ana Melhorou a minha qualidade de vida não tendo de se “amputada”.
700 – TeresaEmbolização? “Uma tábua de salvação” contra todos os receios da histerectomia.
703 – Ines A embolização é um procedimento minimamente invasivo, sem necessidade de anestesia geral. Uma das principais vantagens é a preservação do útero.
704 – Ana Considero uma técnica fantástica por isso recomendo-a a todas as pessoas que sofram do mesmo problema. Como já tinha realizado uma miomectomia está técnica é superior quer nos resultados e quer na recuperação. Toda esta técnica é indolor.
707 – Lívia Este tratamento foi óptimo pois é muito rápido a executar e a recuperar, é indolor e evita entrarmos em menopausa. Recomendo-o a todas as mulheres que sofram de hemorragias. Considero muito importante que os ginecologistas o comecem a divulgar às suas doentes pois se não for através destes especialistas a maior parte das mulheres não conhecerá este tratamento e acabará por aceitar fazer uma histerectomia.
708 – Isabel Fui submetida a embolização no final de Novembro de 2008, de forma que, ainda não consigo avaliar os resultados. Sinto, no entanto, menos dores na altura do período menstrual.
Ana T. EAU 710 Gostaria que transmitisse os meus cumprimentos ao Professor, bem como o meu agradecimento, e uma vez mais aproveito para referir que este método surgiu como uma luz ao fundo do túnel, num período da minha vida em que, pela 1ª vez, me conseguiram fazer sentir velha e ridícula por ainda ter o sonho de querer ter um filho apesar dos 40 anos, alem de extremamente humilhada.
Estou muito satisfeita e repetiria a embolização se fosse preciso e tenho aconselhado e dado conhecimento do processo a muitas mulheres e a alguns homens também.
711 – Mª Lucília Muito Sinceramente penso que é a via a seguir, pois de todas as hipóteses colocadas acho que esta a mais segura, eficaz e a menos invasiva, pois permite que o útero não seja violado e permite manter a esperança de engravidar.
714 – Sónia Apesar de eu apresentar poucos sintomas, o procedimento foi necessário, pois como alternativa estava a remoção cirúrgica dos fibromiomas sem garantia que o útero não seria também removido. Com 33 anos ficaria com uma qualidade de vida condicionada, afectando o meu dia a dia e também as perspectivas de vida futura, como ser humano e mulher seriam radicalmente alteradas. Fico satisfeita por a técnica da embolização existir, pela possibilidade de dar continuação á qualidade de vida da própria mulher e aumentar a possibilidade á gestação de uma nova vida.
725 – Patricia  Alternativa inovadora e quase indolor pelo menos no meu caso, para tratar este tipo de tumores. Técnica a recomendar e divulgar.
726 – Maria  A embolização é uma técnica muito interessante que, com esforço e desgaste mínimos, permite atingir resultados surpreendentes. Uma vez que realizei o tratamento há menos de um mês, deixo uma opinião mais fundamentada para futuros inquéritos (embora esteja satisfeita com os resultados até este momento). Esse é também o motivo porque deixei uma série de questões sem resposta.
731 – Mª Inês A embolização para mim foi um grande milagre pois ainda continuo com o meu útero. É uma excelente técnica com profissionais excelentes.
735 – Maria Até à data posso responder com toda a certeza que fui muito bem acompanhada pelo Prof. Pisco e tenho a certeza que a minha vida em termos de qualidade vai melhorar. Obrigada por toda a amabilidade e prontidão com que toda a equipa me acolheu.
749 – Fernanda Na minha opinião, a embolização é uma técnica eficaz, trás muita qualidade de vida, alegria e bem-estar à mulher, p+elo facto de a histerectomia não ser a ultima etapa ou a ultima solução. É uma técnica a ser apoiada, explorada e estudada no sentido de ter cada vez mais sucesso e trazer maior qualidade de vida e feminilidade quer a à mulher mais ou menos jovem.
Adriana C. EAU 753 Depois da embolização as hemorragias diminuíram bastante, antes usava dois pacotes de pensos e durava entre 7 a 9 dias, hoje não acabo um pacote de pensos. O fluxo também diminuiu e as dores cessaram.
Mariana B. EAU 756 O meu volume abdominal reduziu de forma significativa e a barriga está mole. Vou ter um grande encargo de costureira, tenho muita roupa para apertar.
M.L. Marques EAU 849 Aproveito a oportunidade para expressar o bem-estar, confiança e auto estima recuperados após a intervenção.No decurso do período pós-operatório tornou-se evidente a melhoria da qualidade de vida proporcionada.
Agradeço ao Professor Martins Pisco e à sua equipa o empenho e profissionalismo demonstrados e expresso os meus melhores votos de sucesso.
Julie D. UAE 839 Dear Dr. Pisco, Elisabete, and team, tank you for taking care of me, for helping me to overcome my fear and for doing my surgery. You were all so kind, so sincere. I was so scared and you all made my experience a positive one. I am so filled with emotions I write this I sail can’t believe I did it’. You are my heroes and I am so grateful for what you did to help me be healthier and happier. Thanks you from the bottom of my heart.
S/Nome S/Nº Para mim foi uma mais valia, tanto pela qualidade de vida como pela saúde que possuo. Ultrapassou as minhas expectativas, pois nunca pensei ter tão rápidos resultados. Tive um acompanhamento excelente, voltaria a fazer e recomendo.

M.A.R.P EAU 11

CCI16012017_0008

CCI16012017_0001

Outros depoimentos

Testemunhos publicados em revistas e jornais entre 2004/2005

Revista Ana Nº 391-25/11/- 1/12

N

Correio da Manhã, 14 de Novembro 2004

correio da manha 2004

DN, 11 de Abril 2005

DN abril 2005

O Independente – 20 de Maio 2005

o independente 2005

Medicina e Saúde, Ano 8; nº94; Agosto 2005

medicina e saude AGO 2005

Mulher Moderna, nº863, 12 a 18 de Setembro 2005

mª dos anjos pires mulher moderna SET 2005

Correio da Manhã, 18 Setembro 2005

CM SET 2005

 

S. C. EAU 01 – Fui a 1ª Mulher a efectuar uma embolização com o Prof. Martins Pisco. Fiz 2 Miomectomias em 2002 fiz 3 Fiv´s em 2003. Após a 3ª Fiv, 2 Ginecologistas disseram que a única hipótese para ter uma vida normal, sem menstruações assustadoras, perdia rios de sangue, não tinha uma vida normal. Era retirar o útero. Graças a Deus adiei a cirurgia e descobri a embolização num site brasileiro. Um médico do Brasil é que me indicou o Prof. Martins Pisco. Fui do Porto a Lisboa em Maio de 2004 para o conhecer e não tive qualquer dúvida marquei a embolização para Junho 2004.Contra tudo e todos. A minha Ginecologista era totalmente contra. Fiz a Embolização em Lisboa sendo do Porto, mesmo assim arrisquei. Na altura pensei se algo corresse mal estando no Porto não tinha a quem me dirigir. Mas o Sr. Prof. Martins Pisco deu-me muita segurança e arrisquei, no limite teria que fazer uma histerectomia. Em 2006 aconteceu-me um MILAGRE engravidei. Em 2007 realizei o sonho de ser mãe. Nasceu a minha princesa Catarina. Por favor consulte o meu blog: http://onossomilagre.blogs.sapo.pt
 
S.C.F.C.C. – EAU Nº 01 – A Embolização Uterina transformou a minha vida. Terminou com o pesadelo das minhas hemorragias. Não menos importante mantive parte do meu corpo que queriam tirar. Desde a embolização tenho uma vida perfeitamente normal.
A embolização proporcionou o melhor que a vida me poderia dar a minha querida filha Catarina.
 
Gorete M., 26 de Março de 2008 – “Agradeço ao Dr. Pisco e a toda a sua equipa, o profissionalismo havido durante a intervenção, pois tive oportunidade de estar sempre a dialogar convosco e senti-me sempre acarinhada. Quero também referir que foi muito importante para mim estar presente no encontro do dia 8 de Março e que os temas debatidos reforçaram a minha decisão. Louvo todo o seu trabalho, desde a informação que disponibiliza, a forma como apela à comunidade médica o seu trabalho, e a interacção com as pacientes antes e depois de embolizadas e que é tão importante.”
E.R.  -Obrigado. Antes de mais tenho que referir desde já o bom acompanhamento da vossa parte, que deveria ser um exemplo nos outros sectores da saúde.
 
S.C.P.B. – EAU Nº47 – Se uma mulher vier ter comigo e se queixar de miomas, é claro que eu lhe falarei da embolização. E de outras técnicas. E deverá ela escolher o que é melhor para preservar o seu útero.
É de louvar se realizarem estes congressos para dar a conhecer às mulheres das técnicas para se preservar o útero.
É de lamentar a embolização não ser comparticipada pelo governo e muitos médicos não darem conhecimento dela as suas pacientes.
A embolização contribuiu certamente porque antes disso andava tão triste que não tinha inspiração. Poderá dizer às suas doentes que este tratamento também traz inspiração para as coisas que gostarem mais de fazer. É mais um fenómeno da ciência! Obrigada! Ainda bem que há pessoas que pensam no bem-estar das mulheres!
I. P. EAU 73 – Apresentados na Galeria Zargadelos, em Madrid, inauguração em 17/Junho/2010
M.R.F.M.C Eau nº 83 – So tenho a dizer que me encontro muito bem, posso dizer que até me esqueço que já tive dentro do meu útero um fibroioma com 12cm.
Já passaram 6 anos e já vai a caminho de 7 após a embolizazação, estou miuto feliz com o meu útero, a minha alegria de viver voltou.
 
N.G.O. – EAU Nº90 – A melhor coisa que a tecnologia em termos de saúde poderia ter aperfeiçoado.
 
M.M.R.L. – EAU Nº176 – A embolização é uma técnica eficaz e indolor que recomendo e divulgo. Tinha como única alternativa a histerectomia, graças ao Prof. Martins Pisco e sua equipa hoje mantenho o útero, fui embolizada pela 1ª vez à cinco anos, deixei de ter dores, hemorragias e o meu ventre diminui bastante, tinha o útero com miomas muito grandes.
Passei a ter mais qualidade de vida. Retomei rapidamente a minha vida diária. Acho que os ginecologistas deviam conhecer e recomendar a técnica. O acompanhamento médico depois da embolização foi excelente.
Muito obrigado!
 
M. O. S. EAU 278 – Chamo me Odete tenho 43 anos, como sou uma pessoa que gosta muito de ler, descobri este site com comentários sobre a Embolização. Gostava de contar o meu caso, com 39 anos foi me dito pela minha Ginecologista que teria de tirar o meu útero, sim o meu útero, pois devido aos miomas estava do tamanho de uma meloa, (tinha hemorragias de 11 e mais dias, muito abundantes), devo dizer que fiquei em choque. Vim para casa a pensar que não queria tirar, como é óbvio, tudo o que temos se está no nosso corpo é porque faz falta. Passados uns dias vi na televisão e depois no jornal uma reportagem sobre a Embolização, fiquei muito interessada, fui pesquisar na Internet, que já se fazia à alguns anos noutros países, falei com a minha Ginecologista (que é cirurgiã), que meu deu todo o seu apoio. Marquei consulta no Hospital S. Louis com o Professor Dr. Martins Pisco, o qual devo dizer que achei logo uma pessoa espectacular, fiz todos os exames pedidos pelo Dr. para confirmar se podia fazer e como tal foi me marcada a Embolização. Que fiz a 31/08/2006. Logo no primeiro mês a qualidade de vida melhorou de forma espectacular. Tenho sido sempre acompanhada pessoalmente pelo Dr. Martins Pisco que me telefonou logo nos dias a seguintes à Embolização e telefona regularmente pedindo sempre exames, análises para saber a evolução e como estou. Passado 3 anos continua a telefonar me e a pedir novos exames, inclusive tenho nova consulta marcada para mostrar as Ressonâncias Magnéticas e RX à Pélvis. Para terminar posso dizer que sou um caso de sucesso, o meu útero voltou ao tamanho normal e os miomas estão em necrose 90%. Quando me perguntam se aconselho ou se voltava a fazer? SIM.
C.I.V.O.G. EAU Nº315 –  É uma técnica que permite diminuir significativamente o tamanho dos fibromiomas uterinos de uma forma muito menos invasiva e dramática do que pela via cirúrgica mais usual (com ou sem histerectomia), sem ser necessário o recurso à anestesia geral e com uma recuperação bastante mais rápida e muito provavelmente muito menos dolorosa.
Recomendo a qualquer pessoa que tenha o mesmo problema que eu tinha.
Embora não tenha resolvido um dos meus problemas principais (ida à casa de banho durante a noite urinar), pelo menos reduziu significativamente o tamanho dos miomas e do próprio útero.
Até a minha ginecologista que não foi uma grande entusiasta quanto a eu ser submetida à embolização (até me tentou desencorajar, dando exemplos de pacientes que tinham feito algo idêntico e tinha corrido realmente mal) ficou rendida aos resultados que obtive e referiu que me saiu a sorte grande!
Vamos ver se os resultados se mantém ao longo do tempo … Espero que sim!
T.M.J.A. – UAE Nº317 – Fiz uma miomectomia em 2004, sem sucesso, porque depois dessa intervenção cirúrgica não obtive nenhumas melhorias. Decorrido algum tempo começaram novamente a surgir miomas.
Em Novembro de 2006, fui embolizada com grande êxito. Em Novembro de 2010, quando perfez precisamente 4 anos de embolização, fiz a última ressonância magnética. Fiquei surpreendida com o resultado espectacular, o mioma maior não desapareceu mas actualmente está muito pequeno, diminuiu 92%.
Uma técnica que aconselho vivamente a todas as mulheres a quem lhes foi sugerido fazer uma histerectomia.
Obrigado Prof. Doutor João Martins Pisco e sua equipa.
 
O.M.O.S. – EAU Nº 322 – A embolização deveria de ser um ato médico de prática comum e geral em qualquer estabelecimento se saúde. Isto é, a histerectomia só deveria ser sugerida nos casos em que a embolização seria inoportuna, e não o contrário, como se pratica hoje em dia. Enfim, como qualquer paciente que está doente, estou muito satisfeita de ter encontrado a cura para a doença de forma eficaz e duradoura. Parabéns aos investigadores.
 
M.F.O.G.P. EAU Nº332 – É a melhor técnica para o tratamento de fibromiomas foi muito importante para mim ter toda a possibilidade de fazer este tratamento e o conhecimento desta técnica na hora certa, pois já não tinha qualidade de vida.
 
C.M.C.A. – EAU Nº 347 – Considero esta técnica uma opção excelente em relação ao tratamento dos miomas uterinos, uma vez que para além de resolver os problemas
relacionados com as hemorragias excessivas, e outras situações associa das, permite que as mulheres possam engravidar, principalmente aquelas que não têm filhos. Por outro lado tratando-se de uma técnica não invasiva, sem internamento, requer pouco tempo de recuperação e permite um rápido
regresso à vida activa.
No entanto, o ponto mais fraco da embolização é o facto de não ser comparticipado pelo o estado, dificultando o acesso a pessoas com menos recursos económicos.
 
M.C.P. – EAU Nº350 – Cinco estrelas!!! Estou muito contente com a minha opção. Passados cinco anos valido de que foi a realmente melhor escolha.
Quando colocada perante a necessária operação para a extracção do útero, fiquei deveras apreensiva (estava com fibromiomas enormes!). A consciência da minha realidade física e dos consequentes riscos… Medo, muito medo, das consequências foi o sentimento primeiro. Caiu o céu e a terra!!
Eu era, e sou, uma obesa mórbida, por este facto, assustada, prognosticava- se um pós-operatório algo difícil. Temia pelas e suas consequências… quer de cicatrização quer pela dúvida de qual seria a qualidade de vida na retoma à minha vidinha. Em boa hora resolvi procurar soluções menos perigosas para a minha integridade física e encontrei esta – a embolização! Aderi na primeira hora. Nem pensei duas vezes. Estou bem. Sinto-me bem!!
Um grande bem-haja a toda a equipa que trouxe este método para Portugal.
Parabéns ao Professor Doutor João Martins Pisco por mais estes sorrisos.
 
I. R. EAU 361 – Sou brasileira, tenho 36 anos e vivo em Portugal há 10 anos. Há nove anos fui ao Brasil e submeti-me a uma miomectomia para remoção de miomas que me limitavam muito a vida: dores, sangramentos, mal-estar e desconforto abdominal. Nesta altura, não me foi colocada nenhuma alternativa, todos os médicos que consultei em Portugal e no Brasil, sequer me falaram em embolização dos miomas. Passados 5 anos, após ter o meu primeiro filho, eles voltaram, nesta altura eu já não me conformei com o mesmo veredicto: “fazer nova miomectomia!” mas como da primeira vez a médica não me deu oportunidade de escolher outro tratamento, já me passou os exames e marcou a cirurgia. Fui para casa e não me saía da cabeça este assunto, incomodava-me a minha impotência, e sem garantias nenhumas de poder engravidar, pois eu queria outro filho, ficar em casa um mês a recuperar, etc. Já tinha ouvido falar na embolização uterina numa peça da RTP, uma entrevista com o Dr. Martins Pisco, bastou-me procurar na Internet pelo professor e na nossa primeira consulta ficou já tudo decidido: FARIA A EMBOLIZAÇÂO! Além de todos os esclarecimentos possíveis e imagináveis que uma paciente pede normalmente ao médico, o Dr. Martins Pisco é de uma segurança e competência naquilo que faz que não nos deixa nenhuma dúvida. Honesto em todas as etapas do pré e pós-operatório, uma equipa fabulosa, um acompanhamento fiel de suas pacientes, e no meu caso, nunca esqueço de suas palavras as colegas que acompanhavam minha cirurgia: “Atenção que esta senhora ainda quer ter mais um filhote!” , optei pela acupunctura para anestesia e tive uma recuperação fabulosa. Minha cirurgia foi um sucesso, os miomas praticamente desapareceram e há 4 meses nasceu minha filha tão desejada. Durante todo este tempo recebi sempre o acompanhamento e a voz amiga deste profissional espectacular que é o Dr. Martins Pisco, principalmente durante a gravidez. Quero finalizar o meu depoimento, aconselhando a todas as mulheres a embolização uterina, e dizer que em Portugal mesmo que ainda esteja a dar os primeiros passos, com a equipe do Dr. Martins Pisco, são passos seguros e de sucesso, eu me orgulho de ser a prova disto. Obrigado!
 
V.M.C.P. – EAU Nº376 – Foi uma das melhores decisões que tomei, pois desde que eu fiz a embolização a minha saúde e o meu bem estar mudou completamente. Aconselho a todas as mulheres que tenham a possibilidades de fazer a embolização que a façam sem pensar duas vezes.
Da minha parte um muito obrigado.
M.I.P.O.L. – EAU Nº 385 – Simplesmente fantástico. É um método de tratamento para este tipo de problema do mais excelente que podia existir. Todas as mulheres com este problema, deviam ter acesso a este tipo de tratamento.
 
M.C.G.C.S. EAU Nº 388 – Esperança e confiança no futuro são as palavras que descrevem o significado da embolização em mim e mais do que descrever o longo e penoso percurso que ficou para trás, quero testemunhar este meu estado de espírito quando fiquei grávida.
Esperança e confiança por duas vezes!…
Tenho uma menina e um menino, aos quais também chamo “filhos da embolização”. Gravidez, caso 11 (aos 33 anos) e caso 32 (aos 34 anos)
Obrigada, Prof. Doutor Martins Pisco
 
M. S. 388 – Nasceu mais uma filha da embolização! A Matilde viu a luz do dia 6 de Agosto às 18h33m, com 2.800 kg. Foi parto normal e muito bonito!. Obrigada.
A. A. EAU 408 – Acho que é um método muito inovador e eficaz. Permite-nos preservar o útero e não sermos sujeitas a operações cirúrgicas. Recomendo a todas as mulheres com idêntica situação clínica.
 
C.M.G.F. – EAU Nº 427 – Continuo a considerar ser uma excelente técnica, quer pela minha experiência, quer pela experiência das restantes pacientes, tendo em conta os resultados globais já atingidos, nomeadamente, a nível da infertilidade e da melhoria da qualidade de vida.
 
Maria Teresa N. D. S. Nuremberga, Alemanha, 15 de Abril de 2008 – A Embolização de Miomas, Uma alternativa quase desconhecida
“Em 2001, foi-me dito pelo meu então ginecologista na Suíça, em Zurique, que tinha o útero “dilatado”, mas como o meu estado de saúde não se encontrava afectado por isso, seria apenas uma questão de observação periódica.
Em 2003, encontrando-me na Alemanha, consultei outro ginecologista que constatou a existência de vários miomas uterinos e me aconselhou a histerectomia.
Porém, ao receio compreensível de uma intervenção cirúrgica ( nunca tinha feito nenhuma), juntava-se o não compreender como o médico acima mencionado e outros que consultei posteriormente consideravam a amputação do útero de modo absolutamente leviano, na minha opinião, rematando as minhas perguntas e protestos com sempre mais ou menos a mesma frase:
– Mas para que quer conservar “isso” ? Não pensa com certeza em ainda ter filhos, na sua idade ( então 46 anos).Mais de metade das mulheres de 40 anos para cima fazem essa operação!
Além de achar estes comentários ofensivos, dado que me reduziam ao simples papel de animal reprodutor e o útero a um “saco” para carregar bébés, e não um órgão necessário para o equilíbrio físico e psíquico feminino, parecia-me também que a questão era tratada de modo demasiado simplista: está estragado, tira-se, como se se tratasse de um dente cariado.
Como não me conformasse com a situação, procurei informações na Internet e descobri a existência da possibilidade de embolização de miomas, possibilidade essa pouco conhecida e praticada.
Novas desilusões me esperavam. O ginecologista em Zurique confessou desconhecer a existência desse tratamento. O médico-chefe da clínica de ginecologia em St. Gallen disse que a embolização não resultava na maior parte dos casos, o melhor era a operação total, com resultado garantido.
Contactei também várias colegas e conhecidas que tinham feito a histerotomia. As consequências não eram assim tão ligeiras….. passando por fortes dores pós-operatórias, cicatrizes desfigurantes, forte aumento de peso, crises de depressão e a sensação de já não ser uma “mulher completa”, isto independentemente da idade.
Dirigi-me então ao hospital de Winterthur, perto de Zurique, onde existia uma clínica especializada em embolização de miomas.
Mais outra desilusão: tinha muitos miomas,um já muito grande, outro muito acima, e, ainda por cima, na minha idade….. o melhor era ….. a solução do costume.
Pouco depois tive a sorte de saber da existência do Professor João Pisco, no Hospital de St. Louis, através da minha irmã e de uma colega da mesma, por ele tratadas, reavi a esperança quando, depois de me observar, o Professor afirmar que não havia razão para a embolização não ter lugar.
Confesso que quase não acreditei. Depois de tantas desilusões e do facto de ser tratada com mera fêmea no fim da idade fértil, e de ter tido vontade de perguntar a vários médicos, que não entendiam a minha relutância, como reagiriam eles à proposta de amputação de alguma parte do seu aparelho reprodutor masculino, finalmente alguém que compreendia a situação e tencionava ajudar-me!
A embolização dos meus miomas teve lugar no dia 1 de Agosto de 2005 e foi um êxito! Hoje, passados já alguns anos, e sem nunca ter tido problemas devido à intervenção sinto-me feliz, satisfeita e completa, e não esqueço o Professor Pisco, que viu em mim, como vê em todas as suas doentes, não um mero ser reprodutor, mas uma mulher que desejava manter a sua integridade.”
D. G. 429 – Gostaria de expressar a minha gratidão pela existência desta técnica e pelo profissionalismo dos envolvidos. Depois que fiz esta embolização sinto-me muito melhor.
C.A. EAU – 437 – Que a vida vos sorria e eu queria partilhar com todos os que mais estimo, a beleza de ter sido Mãe há 1 mês, este e o meu rebento que me enriqueceu e me fez a MULHER mais realizada de sempre. Beijinhos
F.M.C.P. – EAU Nº 445 – “… a sentença fria ditada pela generalidade dos ginecologistas mergulha as mulheres numa escuridão tão profunda que jamais será possível sorrir para vida …. “
“A embolização é uma luz tão intensa que ilumina a vida de uma mulher e que as faz despertar para as Primaveras seguintes ….”
 
D.E.G.M.M. – EAU Nº 036/448 – É uma técnica que eu aconselho vivamente a todas as mulheres que têm este problema, pois além de ser praticamente indolor, mantém a capacidade de sermos mães e o tempo de recuperação é mínimo.
 
A.P.D.P. – EAU Nº 468 A embolização é a alternativa para as mulheres que querem ter filhos e é essencial para as mulheres recuperarem a sua auto estima.
A frase mais cruel que ouvi foi dita pelo meu ginecologista: “Se quer ter filhos é para já, porque esse útero vai fora”.
 
Z.R.L. – EAU Nº 497 – Fiquei satisfeita com a embolização e foi bastante satisfatório o tratamento realizado no hospital de St. Louis.
A equipa foi maravilhosa e senti-me muito bem apoiada. O Prof. Martins Pisco foi bastante atenciosos e muito bom profissional.
 
R.F. 503 – Fiz embolização em 22 Outubro 2007. Desde então tem corrido tudo bem, estou muito satisfeita e recomendo. Mas de estar tão bem até esqueço que devo efectuar exames periódicos.
 
N.M.D. EAU Nº 518 – Serve a presente e com grande a1egria para vir dar a V.Exa. conhecimento do nascimento do meu filho Martim Rafael após embolização feita no ano de 2007.
O Martim nasceu no dia 15 de Fevereiro de 2011, 37 semanas e 3 dias com 3,495 kg, 47,2 cm de cesariana, precisamente devido ao meu historial de operações aos miomas.
Já gostaria de o ter contactado, mas a gravidez foi muito difícil. Acompanhada de uma depressão que me levou ao isolamento. A gravidez surgiu após a depressão, não esperava, pois já havia passado tanto tempo, e já não contava engravidar, havia perdido a esperança. Ademais, detectou-se alguns problemas no Martim durante a gravidez, ventricomegalia, a qual após realização de ressonância magnética ao feto, não se confirmou. Escrevo estas linhas pois quero que este sucesso e esta felicidade constem das estatísticas do seu tratamento.
Espero um dia ter oportunidade de lhe apresentar o Martim pessoalmente, até lá um muito obrigada.
 
D.M.R.P.G.C. EAU Nº 526  – Quando dei entrada neste hospital no dia 10/12/2007, nunca pensei que hoje dia 25/11/2010 estaria de vida para uma consulta com esta esferográfica na mão.
Agradeço todas as pessoas que me ajudaram e me encaminharam para a minha nova vida.
Este foi o meu caminho:
þ Dra. Terezinha Semedo – Médica de Família – Centro de Saúde Pontinha
þ Dra. Bettencourt de Moura Féria – Clínica SAMPEDRO Pontinha SAMS Lisboa
þ Sr. Francisco Cotrim Mendes – Sócio Gerente EDIFARQ. Lda – Pontinha (Meu Patrão)
þ Prof. Doutor João Martins Pisco e toda a sua equipa 10/12/2007 – H.S.Louis
þ Sem esquecer os meus queridos e adoráveis filhos
A todos vocês um grande obrigado.
 
A.P. 533 – É muito compensador para a mulher. Divulguem!!
Todas as mulheres com fibromiomas deviam ter a possibilidade de recorrer a esta técnica. Parabéns.
 
C.S. 538 – Estou muito satisfeita com a Embolização, tenho um período menstrual como nunca tive, sem dores e com poucas perdas de sangue. Foi uma opção maravilhosa fazer a Embolização.
A embolização é um tratamento maravilhoso, que recomendo a outras doentes. Os meus parabéns ao Sr. Professor por este tratamento.
 
P.A.P.M. EAU Nº569 – Graças a esta embolização a minha qualidade de vida melhorou muito e assim não tive necessidade de me submeter a uma cirurgia mais invasiva. Esta nova tecnologia devia ser mais divulgada para que outras mulheres a conheçam a tenham acesso à mesma.
G.M.P.M.B. – EAU Nº 570 – Para mim sem dúvida a melhor decisão que tomei na minha vida, com esta técnica foi possível engravidar, ter uma gravidez saudável e dar à luz uma linda menina que me trouxe a felicidade plena. Resta-me dizer a todas as mulheres portuguesas que não hesitem em contactar o Dr. Pisco.
A toda a equipa bem hajam pelo vosso trabalho e cotributo.
 
G. M. 570 – Sinto-me óptima, iniciei as minha caminhadas de cerca de uma hora por dia, antes ou depois do jantar, não sinto qualquer diferença em termos físicos (claro que me sinto a melhorar de dia para dia), e estou a ponderar iniciar hidroginástica logo que me sinta em pleno.
Ainda não retomei a minha actividade profissional, não porque já não me sinta confortável para o fazer, mas porque quero aproveitar este período para descansar mais um pouco.
Despeço-me, agradecendo ao Dr. Pisco e a toda a sua equipa, o profissionalismo havido durante a intervenção, pois tive oportunidade de estar sempre a dialogar convosco e senti-me sempre acarinhada. Quero também referir que foi muito importante para mim estar presente no encontro do dia 8 de Março e que os temas debatidos reforçaram a minha decisão. Louvo todo o seu trabalho, desde a informação que disponibiliza, a forma como apela à comunidade médica o seu trabalho, e a interacção com as pacientes antes e depois de embolizadas e que é tão importante.
A.M. 573 – A embolização para mim, é a diferença entre sentir-me ontem quase velha e hoje quase nova.
 
T. S. 599 – Grandes mudanças se registaram quase de imediato, bem entendido, diminuição do volume da barriga, maior bem-estar, mais à-vontade, menstruações indolores, – mas as grandes mudanças, as mudanças estruturais, virão ainda. A interrupção do crescimento galopante dos fibromiomas que em mim grassavam está relacionada muito de perto com novas perspectivas de vida, só possíveis, só passíveis de serem vividas, depois deste milagre. É por isso que hoje, muito convicta e esperançadamente, sei que a vinda luminosa de um bebé é não só possível, como está ao nosso alcance. Resta-me acreditar, como sempre acreditei, que há mensageiros de boa vontade e artesãos de sonhos capazes de, a estes sonhos, dar corpo, vida e luz. Obrigada, caro Professor Pisco.
M.T.V. EAU – 612 – A  embolização no meu caso correu bastante bem. É uma boa alternativa à histerectomia. A recuperação é bastante rápida, não há dores muito fortes e não necessita de internamento o que é bastantes importante e bom.
C.M. EAU – 621 – Quanto à técnica a que fui submetida anteriormente (embolização uterina), recomendo-a a todas as mulheres que tenham miomas uterinos, dizendo-lhes que a encarem como um futuro risonho, porque esta intervenção não só nos trata os nossos problemas como possiblita aquilo que há de mais fantástico na vida de uma mulher: a possibilidade de gerar um ser humano e de o por no mundo. É um momento indiscritível e único.
Quanto à intervenção é indolor e é muito rápida. Nós estamos plenamente conscientes, sempre a acompanhar em directo num ecrã o que nos estão a fazer, sempre em comunicação com o carinho do Dr.º Pisco e restante equipa.
Por último quero agradecer ao Dr.º Pisco, todo o carinho com que me acompanhou desde a primeira consulta que tivemos, assim como todo o interesse em acompanhar passo a passo toda a evolução da minha gravidez, a análise de todos os exames que fiz mês a mês.
 
C.A.F.N.G. EAU Nº 634 – Recorri a esta técnica, porque na altura em que pensava engravidar a minha ginecologista assustou-me ao referir que o mioma poderia ter impactos negativos no decorrer da gravidez. Outros ginecologistas que procurei referiram a possibilidade de remoção do mioma, que contudo apresentava risco de hemorragia e de remoção do próprio útero.
Pesquisas feitas na Internet e a conselho de um único médico ginecologista recorri então à embolização. Verificou-se uma redução considerável do mioma e um grau de isquémia de 90%.
Passado um ano engravidei, considero que foi graças a esta técnica que pude engravidar em segurança e ter o meu bebé. Apesar de ter nascido prematuro, acabou por correr tudo bem. Se tivesse optado por outro caminho, muito possivelmente hoje não seria mãe.
Agradeço ai Professor Pisco e toda a sua equipa. Espero que nunca desistam apesar de todas as barreiras e adversidades.
Existem muitas mulheres à espera de poderem aceder a esta oportunidade e realizarem o sonho de serem mães.
 
M.C.P.N.P. – EAU Nº641 – A qualidade de vida melhorou muito.
Sinto-me bem e se voltasse atrás recorria sem receio à embolização (pena não ter sido mais cedo, pois ainda passei mal alguns meses) e ao Prof. Martins Pisco que considero um excelente profissional e uma excelente pessoa.
 
S. M. EAU 668  – Olá chamo-me Sónia tenho 35 anos e sou do Porto. Em Abril de 2008, foi-me diagnosticado um fibromioma. Nesse mesmo instante a minha ginecologista, aconselhou-me em retirar o mesmo, recorrendo à cirurgia e sem me garantir a preservação do meu útero. Segundo a mesma, somente no decorrer da cirurgia é que se iria verificar a possibilidade ou não, de preservar o útero. A sua frieza foi de tal ordem, afirmando que a preservação do útero era para segundo plano, “…uma vez que já era praticamente impossível engravidar e era…”. Fiquei desolada com a resposta da Doutora e muito receosa, uma vez que ambicionava ser mãe num futuro próximo. Com o medo de perder o meu útero, fui deixando arrastar a situação até ao dia em que tive uma conversa com uma colega de trabalho, que me deu a conhecer um procedimento novo, que era designado de Embolização Uterina. Não envolvia cirurgias muito invasivas e acima de tudo, garantia a preservação do útero. Através de pesquisas na internet, descobri que este novo procedimento era realizado em Portugal, no Hospital St. Louis pelo Professor Dr. Martins Pisco. Em Julho de 2008, fui à minha a primeira consulta com o Dr. Pisco. O Doutor esclareceu-me todas as questões relativamente ao procedimento, exames a fazer, pós-operatório, efeitos e sintomas pós-operatório, etc… Após realização dos exames solicitados e análise dos mesmos (RX pélvico e exames ao sangue), fiquei a sabe que o meu fibromioma já tinha o tamanho de uma garrafa de litro e meio de água. Uma vez que esclarecida, apesar de receosa, decidi correr “o risco” com a ideia de que pelo menos, se não resultasse, não corria o risco de perder o meu útero e poderia sempre recorrer a tradicional e penosa cirurgia. Senti-me sempre super acompanhada por toda a equipa do Dr. Pisco e pelo próprio. Foram sempre muito atenciosos, preocupados e cuidadosos com o meu bem-estar físico e emocional. Hoje, aos 1 de Novembro de 2009, já lá vai pouco mais de um ano… O meu mioma, apesar de ainda existir dentro de mim, encontra-se completamente necrosado, ou seja completamente morto e apresenta uma redução de 80%. Por sua vez, o meu útero apresenta uma redução de 77% e esta quase normal. Hoje, sinto-me muito feliz, pois posso olhar para o espelho e ver que já não tenho aquele eterno aspecto de grávida,… deixei de ter o volume abdominal causado pelo mioma e posso usar as roupas que nunca pude usar sem receio… Também devo de acrescentar que antes de recorrer a embolização, sofria de hemorragias intensas no período, que limitavam a minha qualidade de vida e bem-estar, situação que ficou normalizada pouco tempo após embolização. Para terminar, aconselho todas as mulheres que sofram do mesmo problema a ponderar em recorrer a embolização, antes de se sujeitarem a uma cirurgia, cujo resultado final acabe na tradicional histerectomia.
M.G.C.C. – EAU Nº 672 – Na minha opinião a embolização uterina é um procedimento médico que deveria ser disponibilizado como opção a todas as mulheres que sofram de problemas associados à existência de fibromiomas uterinos, independentemente de estarem ou não em idade fértil.
A remoção de um órgão do corpo humano deverá ser sempre a última opção médica, uma vez que a medicina não é uma ciência exacta e nem sempre as consequências desse facto são previsíveis.
No meu caso tinha 44 anos quando fiz a embolização e já não pensava em engravidar. No entanto, quero poder usufruir com saúde de todas as possibilidades que a natureza me permitir e viver todas as experiências a que tenho direito, incluindo a entrada no período da menopausa de forma natural e gradual.
 
L.B. – EAU Nº 676 – A embolização deu-me a oportunidade de estar à vontade em qualquer lugar quando estou menstruada, sem receio de ter perdas abundantes de sangue.
Não tenho dores durante a menstruação o que para mim é muito importante porque não suportava os dias da menstruação. Urinava com muita frequência e isso já não acontece. Tenho a esperança de poder vir a ser mãe, este é o meu sonho no momento e tenho a certeza que vou concretizar.
 
A. R. EAU 689 – Sem prejuízo de enviar o inquérito, não quero deixar de manifestar desde já a minha plena satisfação pelos resultados obtidos. Não fiz a ressonância magnética atendendo a que logo na ecografia de Janeiro de 2009, o fibromioma estar reduzido a 1/3 do seu tamanho. A sintomatologia, é inexistente e o fluxo muitíssimo reduzido, com dores inexistentes. Recomendo a intervenção a todas as mulheres. O meu e o nosso sucesso é o do professor.
T. A. EAU 700 – Chamo-me Teresa, tenho 48 anos. Em Fevereiro de 2008 foi-me diagnosticado um fibromioma, tendo o meu ginecologista apresentado como única solução a histerectomia. Tive conhecimento da técnica da embolização uterina através de uma amiga com um problema semelhante e que foi aconselhada pelo seu ginecologista a consultar o Professor Dr.Martins Pisco. Decidi contactar o Hospital St. Louis e dia 13 de Agosto de 2008 tive a minha primeira consulta. Desde a forma como foi explicada a técnica até à documentação, cuidadosamente preparada, com “Informação Importante sobre Embolização de Fibromiomas”, contendo já os contactos directos da equipa para esclarecimento de quaisquer dúvidas que ainda existissem, transmitiu-me uma grande confiança. Afinal, havia alternativa à histerectomia. No dia 8 de Novembro de 2008 submeto-me à Embolização. Para além de uma terapêutica não invasiva, para mim foi uma terapêutica indolor. Saí do Hospital St. Louis no próprio dia, pelo meu próprio pé. No dia seguinte recebi um telefonema do Professor Martins Pisco para fazermos o “ponto da situação”.Falámos telefonicamente mais duas ou três vezes e encontrámo-nos na Reunião Cientifica sobre Embolização Uterina em Março de 2009.Saliento a importância deste Encontro para o qual são convidadas todas as pacientes bem como ginecologistas e radiologistas nacionais e estrangeiros. Um elo muito importante neste processo. Dois meses depois, aquando da realização dos meus primeiros exames periódicos (6 meses)soube que o meu mioma apresentava uma redução de 89%.E porque concordo que “uma mulher bem informada é uma mulher consciente e capaz de tomar decisões certas”, aconselho todas as mulheres portadoras de miomas a “ouvirem” o Professor Dr. Martins Pisco. A chamada segunda opinião. Porque não?
J.R.S. EAU 720 – O meu mioma foi diagnosticado em Março de 2008. Ao contrário da maior parte dos depoimentos a minha história é um pouco diferente. As dores mentruais que sempre senti nunca foram associadas a nenhum mioma (já tinha feito ecografias anteriores e nada apresentavam). Não tinha (ainda) hemorragias abundantes e muito menos qualquer tipo de dor. Foi uma consulta meramente rotineira. O mioma apresentava 12 cm! O médico ficou espantado por eu não ter qualquer outro sintoma. O ventre inchado era pouco perceptível já que tenho excesso de peso. Naquele momento fiquei a saber que se quisesse engravidar seria bastante difícil e que corria o risco de um dia ter que tirar o útero devido ao tamanho do mioma. Depois de sair do consultório tentei informar-me ao certo do que se passava comigo pois não sabia praticamente nada sobre miomas até aquela data. Mas o facto de me deixar praticamente infértil fez com que procurasse saber a maior quantidade de informação possível. Entre blogs e sites, descubro um depoimento de uma senhora que tinha conhecimento deste tratamento. Encontrei o site do Hospital e tirei toda a informação que “um dia” pudesse precisar. Digo “um dia” porque pensei que tinha o tempo do meu lado. A verdade é que o meu mioma crescia a olhos vistos  ( por isso nunca tinha sido detectado) e as hemorragias começaram a ser de tal forma intensas que entrei em estado de anemia. Marquei consulta para fazer tudo em Dezembro durante as minhas férias (vivo em Ponta Delgada), e fiz a ressonância prévia para a véspera.  O mioma já tinha 19 cm!
Fui embolizada dia 11 de Dezembro de 2008. Tive realmente algumas dores nos dias que se seguiram (o mioma já estava em isquémia avançada) e ia expulsando alguns farrapos. Uma semana depois as dores praticamente desapareceram e a mentruação reduziu logo no mês seguinte. Infelizmente no final de Janeiro as dores voltaram e os farrapos eram cada vez maiores. Após alguns dias bastante dolorosos tiveram que ser internada devido a uma infecção. Durante todo o processo fui acompanhada pelo Dr. Pisco, que me encaminhou para uma colega (também embolizada) aqui no Hospital de Ponta Delgada. Nesta altura pensei que teria que tirar o útero, mas com a ajuda e preserverança da Dra. Paula Moniz isso não aconteceu. O meu corpo foi expulsando o mioma até que as dores pararam. Em Março fiz um TAC o qual mostrava um mioma com APENAS 6,5 cm! Era o começo do fim de um pesadelo.
A minha vida voltou ao normal. Em Agosto voltei a Lisboa para fazer a ressonância dos 6 meses. Qual não foi o espanto quando a mesma não apresentava qualquer mioma e o tamanho do útero tinha voltado ao normal! 6 MESES … em 6 meses 19 cm desapareceram! A sensação que tive foi que um milagre tinha acontecido e que todas as dores do mundo tinham valido a pena.
O melhor ainda estava para acontecer… depois de saber que estava tudo bem, decidi tentar engravidar (algo que estava praticamente posto de parte). Qual não foi o meu espanto quando após 4 meses o meu sonho realizou-se ! Engravidei! Hoje sou mãe de uma Maria Inês LINDA! Nasceu no passado dia 31-08-2010!
Não podia pedir mais nada!
Só me resta agradecer às pessoas que tornaram tudo possível, O Dr. Martins Pisco e a sua fantástica equipa, e à Dra. Paula Moniz por ter continuado o trabalho do Dr. Pisco e nunca me ter deixado desistir!
Nunca desistam, os milagres acontecem! O meu chama-se Maria Inês!
 
J.R.S. – EAU Nº 720 – A embolização, apesar de ter sido um processo que se tornou doloroso por causa da expulsão do mioma (18 cm), foi a mudança mais importante da minha vida. Sem esta técnica a minha filha não existiria. Não é possível colocar em palavras o quão importane foi esta mudança.
 
C.B.- EUA 756 – Como não dou notícias há algum tempo, tomei a iniciativa de lhe pedir que comunique ao Sr. Dr. João Pisco que ando muito bem e com uma qualidade de vida excelente. O meu período dura 3 dias, o que é bastante confortável e mantém o ciclo de 28 dias certinhos.
 
A.C.S.M.A. – EAU Nº 758 – Descobri a existência do processo de embolização, em pesquisa na Internet, depois de me lembrar vagamente que uma vez ter lido um jornal/revista uma reportagem acerca da mesma; na altura retive algumas ideias chave, mas não cheguei a pensar que poderia ter tão directamente a ver comigo.
Em 2009, aos 32 anos, justamente quando achava que era a altura ideal para ter um filho, apresentaram-me peremptoriamente a “hipótese” de fazer uma histerectomia.
Na altura, perante um cenário tão terrivelmente inimaginável que se avizinhava, recorria à Internet para tentar encontrar o tal processo. Rapidamente localizei o Hospital de Saint Louis e o Prof. Pisco.
Li prós e contras (que ainda hoje não entendo o porque … ). Se inicialmente poderia ter algumas dúvidas acerca do sucesso da intervenção, de uma coisa eu tinha a certeza a histerectomia era irreversível! Porquê não arriscar?!
Maravilhosamente, 2 meses após a embolização, ficámos grávidos … (na altura entrei em pânico… como era possível só tinham passado 2 meses?!) … e de uma gravidez espectacular!
O João tem 13 meses, é lindo, lindo, lindo, e é o melhor menino de mundo!
Um sincero muito obrigada a toda equipa!
Informem, divulguem, informem, divulguem!
 
I. M. EAU 767 – Para mim a embolização foi uma coisa muito boa. Eu tinha um mioma de 14.5 cm, um útero muito volumoso. Tinha menstruações muito abundantes e durante muitos dias, cheguei a andar 15 dias pouco tempo antes de ter feito a embolização. A embolização para mim foi fácil, passei muito bem, fui nesse mesmo dia para casa. Agora que passaram 6 meses após a embolização tenho períodos regulares pouco abundantes e no máximo 6 a 7 dias. O mioma já reduziu 50% e esta 90% em isquémia. Aconselho a todas as senhoras a embolização, evitam as operações que são sempre muito mais traumáticas e que demoram muito mais tempo a que o organismo volte ao normal.
J.C.G.A.M. – EAU Nº 793 – Foi o melhor processo que me podiam ter aconselhado (Dr. João Paulo Mota), pois ganhei saúde e qualidade de visa, sem ter que me submeter a uma cirurgia complicada, deixando de ter baixas de ferro como tinha antes.
Aconselho a todas as mulheres a Embolização e feita pelo Dr. Pisco, pois conheço mulheres que já fizeram no hospital de São João, Porto, que tiveram de ficar vários dias internadas e com algumas complicações. Aproveito para agradecer a toda a equipa que esteve na minha embolização.
 
A.C.F.M. – EAU Nº818 – A embolização é uma técnica inovadora e que eu recomendo a todas as mulheres que sofram do mesmo problema que eu. Lamento que haja ginecologistas que não informem as pacientes da existência desta técnica e com isso evitariam muito sofrimento às pacientes. Espero que a embolização seja cada vez mais conhecida e esteja ao alcance de todas as mulheres.
Eu sinto-me muito feliz por ter feito a embolização, voltaria a fazer se fosse necessário.
 
A.M.S. – EAU Nº 841 – É uma técnica que deve ser recomendada a todas as mulheres que sofrem de miomas.
Eu pessoalmente posso dizer que esta técnica trouxe-me a alegria de viver.
 
M. M. EAU 849 – Como pode imaginar a minha satisfação é enorme quanto ao êxito obtido. A tendência é dizer que não tenho palavras para agradecer, mas na realidade bastam duas. Muito obrigada. Muito especialmente a si e também à sua equipa. A melhoria da minha qualidade de vida e o grau de conforto sentido é algo que nunca pensei voltar a sentir depois de alguns anos de restrições para as quais não encontrava explicação. Com elevada consideração e estima,
 
M.L. Marques 849 – Aproveito a oportunidade para expressar o bem-estar, confiança e auto estima recuperados após a intervenção.
No decurso do período pós-operatório tornou-se evidente a melhoria da qualidade de vida proporcionada.
Agradeço ao Professor Martins Pisco e à sua equipa o empenho e profissionalismo demonstrados e expresso os meus melhores votos de sucesso.
 
M. D. EAU 859 – Há cerca de 8 meses, por cansaço extremo, não compatível com a actividade exercida, recorri ao médico assistente, onde me diagnosticou anemia (8.3), devido a menstruações abundantes, dismenorreia, e aumento da frequência urinária. Fiz eco-endovaginal e RM, confirmando-se a existência de Fibromioma de grandes dimensões. Recorri a um cirurgião, que por sua vez e tendo em conta a minha idade (32) e a vontade de ser mãe, decidiu encaminhar-me para o Prof. Pisco. Fiz a embolização uterine e 6 dias depois retomei a minha actividade laboral. As primeiras 48 horas após a embolização tive dor com alguma intensidade, pois os vómitos não permitiam que tolerasse analgésicos. Contudo, e por ser utente, mas também profissional de saúde num serviço de cirurgia, onde já cuidei de inúmeros utentes submetidos a excisão de fibromiomas cirurgicamente, sei que, a técnica de embolização é muito pouco agressiva e a recuperação muito mais rápida (7 dias). Decorridos 8 meses posso afirmar que: já não tenho anemia, o que me permite trabalhar e voltar a fazer exercício físico. Tenho muito menos dor durante as menstruações, o fluxo é menos intenso, raramente me levanto à noite para urinar. Por todas as razões apresentadas considero que tomei a melhor decisão em optar pela embolização, estando disposta para dar o meu testemunho, se de facto o mesmo for importante para alguém.
 
S.J.G. – EAU Nº 864 – No meu caso especifico considero a embolização uma intervenção não invasiva e com resultados visíveis, principalmente após uma miomectomia que após 6 meses já encontrava no meu útero novamente miomas e com de 6 cm.
Obrigado ao Saint Louis e à equipa maravilhosa do Prof. Pisco.
 
A.P.D.C.D. EAU Nº869 – Em 4 de Setembro de 2009 fiz uma ecografia pélvica de rotina, no Centro de Tomografia de Braga onde foi detectado um volumoso fibromioma que media cerca de 11,5 cm e aconselharam-me a ir ao Ginecologista. O Ginecologista Doutor Arlindo falou-me de uma nova técnica que estava a ser utilizada pelo Professor Doutor João Pisco, e deveria ser vista por ele, e no próprio dia marquei uma consulta para o Hospital Saint Louis em Lisboa. Na semana seguinte fui à consulta e o Professor Doutor João Pisco examinou-me e falou-me sobre a técnica da embolização e do êxito desta técnica aplicada noutras doentes. No dia 16 de Outubro de 2009 fiz a primeira ressonância pélvica e o volumoso fibromioma media já cerca de 575 cm e era altamente vascularizado. A cada dia que passava eu sentia que a minha barriga crescia aceleradamente, ao meio da tarde já sentia muita sonolência e cansaço, e tinha necessidade de urinar com frequência durante o dia, as mestruações eram muito abundantes e dolorosas, possuia muitas vertigens e a respiração tornava-se a cada dia mais fraca.
No dia 29 de Outubro de 2009, no Hospital Saint Louis fiz a técnica da embolização e correu muito bem.
A última ressonância que fiz dizia que o maior fibromioma reduziu 42% e estava completamente necrosado e redução do volume do útero de 70%.
Agradeço ao Professor Doutor João Pisco pela sua dedicação e excelente trabalho ao nível científico e humano e também a toda a sua equipa pelo carinho e atenção com que me trataram.
A técnica da embolização, para mim, foi algo de muito positivo, porque não tive que tirar o útero, continuo a ser mestruada e de certeza ficarei curada dos fibromiomas.
Após a embolização em poucos dias já podia fazer actividades leves e voltei á minha actividade profissional passado uma semana após o tratamento.
Acho que todas as mulheres que sofrem de fibromiomas deviam fazer este tratamento porque preservam o útero, não deixa traumas psicológicos, e melhora a qualidade de vida de todas as pacientes quer ao nível emocional, físico e psíquico.
Esta técnica inovadora também permite que as mulheres que queiram ter filhos possam engravidar e ter um parto sem problemas
Todas as pacientes que fazem uma embolização da artéria uterina passado seis meses verificam uma grande redução dos seus fibromiomas, não voltando a crescer e a desenvolverem-se, levando á sua total extinção.
Na minha opinião esta técnica valeu a pena porque é de rápida recuperação, não deixa marcas físicas e traumas psicológicos e melhorou muito a minha qualidade de vida diminuindo as hemorragias , as vertigens e podendo voltar a fazer as minhas actividades normais sem sentir cansaço e dores de cabeça.
Acho que a técnica da embolização devia ser desmistificada e deixar de ser vista como um processo desconhecido não só pelas pessoas comuns mas também pela comunidade científica e ser vista como uma técnica que traz muitos benefícios para todas as mulheres que sofrem de fibromiomas porque é um método invasivo, sem dor, de fácil recuperação e não deixa cicratizes e melhora muito o sofrimento das pacientes fazendo-as recuperar a esperança e a felicidade na vida.
Muito atenciosamente
 
A. R. EAU 872 – Relativamente ao método, gostei muito e fiquei muito satisfeita. Não senti dor e a recuperação foi rápida. Relativamente ao acompanhamento por parte do Dr. Pisco desde o antes, durante e o após a embolização, foi o melhor acompanhamento que alguma vez tive, como médico e como pessoa. Sempre que posso dou um testemunho positivo quanto a este método, pois acredito que é a melhor solução para a saúde da mulher, em especial quando se é nova e ainda não se teve filhos. Um mês após a embolização, senti melhorias significativas no volume, e nas dores que tinha durante o período menstrual, nada que se compare à miomectomia via histeroscopica, a que tinha sido sujeita 3 meses antes da embolização. Este método abriu-me novas expectativas e uma melhor esperança relativamente ao meu futuro como mãe. Agradeço à equipa médica e ao Dr. Pisco (e à simpática D. Elisabete) pelo apoio e ajuda em todo o processo.
 
N.C. EAU – Nº873 – A embolização foi a melhor coisa que eu fiz. A minha vida melhorou a 100% depois de ter feito a embolização com o Dr. Pisco: nunca mais tive hemorragias, no espaço de seis meses após a embolização recuperai completamente da anemia que tinha, recuperei toda a minha energia, as dores menstruais diminuíram em cerca de 90%, e o meu volume abdominal reduziu bastante. Para além de tudo isto, a nível psicológico melhorei muito, pois como me sentia horrivelmente mal nos últimos 3 anos antes de fazer a embolização, tinha uma depressão enorme e nem tinha vontade de melhorar.
Faria novamente uma embolização caso fosse preciso, e recomendo este tratamento a qualquer mulher que tenha fibromiomas uterinos.
Junho de 2010
Tal como muitas outras histórias aqui contadas, a minha começou com 19 anos quando me foram diagnosticados os primeiros miomas. Ao longo dos anos ouvi vários diagnósticos de ginecologistas e especialistas de infertilidade, por vezes muito pessimistas em relação à possibilidade de um dia vir a ser mãe e focando a possibilidade de o problema se tornar cada vez mais sério, degenerando em cancro. Nas alturas em que tudo estava a correr bem, fiz testes e mais testes de seis em seis meses e tentei ‘controlar’ as hemorragias, dores, anemias e claro, as depressões e os medos dos ‘acidentes’ e da dor.
Nas más alturas, fiquei de cama, fiz tratamentos que induziam a menopausa e preparei-me para duas cirurgias que prometiam ‘limpar’ o meu útero. Só que os miomas foram persistentes. Em 2008 as coisas pioram muito e voltei à minha, já tão conhecida!, rotina de exames, repouso, dores, depressões, engordar, hospitais, salas de espera da infertilidade, LUPRON, etc. Claro que nada isto resultou e em Maio de 2009 voltei a uma ginecologista privada, a Drª Radmila Janovich. Tentámos mais uma vez controlar a situação mas em Outubro de 2009 depois de uma visita às urgências de um hospital público no Algarve a Drª Radmila falou-me do Dr. Pisco e da embolização uterina. Nesse mesmo dia telefonei ao Dr. Pisco (isto uma quinta-feira) e na 6ª-feira fui ao seu consultório. Já praticamente não conseguia andar com dores e de fraca que estava. O Dr.´Pisco não só me explicou todo o processo como me deu uma esperança para uma qualidade de vida que eu já nem conhecia. Na segunda-feira seguinte, depois de uma ressonância magnética, fiz a embolização.
Toda a equipa do Prof. Dr. Pisco (médicos, enfermeiras e secretária) me tratou como um ser humano. Ninguém me disse que os meus sintomas eram psicológicos, ninguém me disse que a minha dor (física ou psicológica) não era real, nem que eu precisava de me comportar! (Sim, porque isso já me foi dito após uma anestesia geral.) Nesse mesmo dia vim para casa. A recuperação da embolização foi rápida, mas a recuperação de anos de tentativas e de uma anemia que me tinha deixado de rastos durou um mês. Entre as dores de um útero a contrair, dormi imenso. Enquanto recuperava, recebi telefonemas do Dr. Pisco e sempre que tive dúvidas havia alguém da sua equipa a quem perguntar.
Seis meses depois fiz novos exames – conforme as instruções na pastinha que o Dr. Pisco e a sua equipa forneceram onde TUDO estava explicado.
Ontem, posso dizer que foi um dia fantástico: recebi um telefonema do Dr. Pisco com os tão esperados resultados! O mioma reduziu 80% e o meu útero, 50%. Isto são os resultados da RM. Os meus resultados, aqueles com que tenho vivido estes últimos 6 meses são: a anemia desapareceu, a menstruação de 8 ou mais dias passou para 3 ou 4 dias, as hemorragias não existem; em relação as dores, sinto uma ‘moinha’ que dura umas horas, mas não me leva à 10 cama nem me obriga a tomar medicamentos… A energia que tenho só me faz pensar: “Como é que eu fazia o que fazia antes disto?” Em seis meses a minha qualidade de vida melhorou 100%.
Tenho pena que esta opção não me tenha sido dada antes, pelos médicos que me atenderam num hospital público de Lisboa (Santa Maria) mês após mês, e que nunca me ouviram. Esses mesmos médicos deram prazos de validade para a minha fertilidade, marcaram realmente muitos exames dolorosos, muitas consultas e utilizaram o meu ‘problema’ para as suas aulas e para os seus estudos, mas na realidade não fizeram nada. É pena que a única reacção deles quando pedi o relatório clínico foi alertarem-me para a impossibilidadetotal de um dia ser mãe, visto que tinha escolhido a via da embolização, uma péssima escolha na opinião deles. Uma escolha que fecharia todas as minhas hipóteses de ser mãe. Eu não sei o dia de amanhã, mas para já eu posso dizerque só beneficiei, e muito, com esta minha opção. Só tenho que agradecer à Dra. Radmila e ao Prof. Dr. Pisco, e a toda a sua equipa, por me devolverem a vontade de viver, a minha energia, o meu bem-estar e a esperança de que as coisas até podem vir a acontecer. Obrigada por me devolverem a energia para as minhas caminhadas, para os meus alunos e para a minha tese. Obrigada por me devolverem a capacidade de sair de casa quando menstruada sem o terror dos ‘acidentes’. Obrigada!!!
Fevereiro de 2011
Estou grávida de sete semanas!!! Só me apetece telefonar a todos os médico que me disseram que era impossível e dizer-lhes que afinal as coisas não sei bem como eles pensavam e que deviam dar a conhecer a todas as ‘suas’ mulheres –nas consultas de infertilidade, e a todas as mulheres a quem aconselham uma histerectomia – a EAU (embolização da artéria uterina).
Para já a gravidez está a correr bem, estou em casa por uma questão de precaução. Assim, vou dando noticias durante os próximos meses sobre este ‘milagrezinho’ que supostamente era impossível. Sou mais que feliz e super agradecida à Dra. Radmila e ao Dr. Pisco; estou certa de que sem a ajuda deles esta história teria tido um final muito diferente.
 
A. L. UAE 876 – I had no pain. Swelling or bruising following one procedure. After these 2 weeks I was able to return to my normal routine. My periods have been a regular 28/29 days but the bleeding has decreased and I have very little pain /discomfort. I have been able to return to more active lifestyle as my energy levels have increased I’ve done more.
 
A.I.M.C.P. – EAU Nº 885 – Deveria ser uma técnica recomendada pelos ginecologistas caso fosse indicado, devendo haver informação sobre a técnica disponível para as pacientes. Esta técnica porém devia ser acessível a todas as mulheres que dela necessitassem.
 
S.D.F.R – EAU Nº 903 – A embolização foi a única técnica que encontrei para preservar o meu útero e tratar com sucesso 2 fibromiomas uterinos, uma vez que me foi proposta por 2 ginecologistas retirar o útero. Estes ginecologistas falam-me da embolização com resultados falíveis. Dai os profissionais de saúde deveriam ter mais informação acerca deste tratamento de forma a diminuir o número de mulheres histerectomizadas.
 
N.G. EAU 914 – Reconheço uma melhoria importante na quantidade de sangramento no período menstrual (menos sangue)
Melhoria nos níveis de Ferritin e de Hemoglobina
Reconheço uma melhoria no número de dias absolutamente limpos
Continuo a guardar por melhorias pois gostava de preservar o útero até à menopausa. Tenho 43 anos e 8 meses.
 
I.M.C.N. – EAU Nº 916 – É uma técnica minimamente invasiva que à partida exclui técnicas cirúrgicas muito mais agressivas e invasivas como sendo a histerectomia. Estou no meio do processo, até agora está a correr tudo bem, não sei porém de quanto será a redução do meu mioma ao final de 36 meses. Estou a aguardar para ver.
Esta técnica não está porem, ao alcance de todas as mulheres, pois realmente é uma técnica muito dispendiosa.
 
P.S. EAU 921 – O que tenho a dizer da embolização é que é um método rápido, eficaz, sem dor que se pode expandir evitando que centenas de mulheres fiquem sem útero e sem a possibilidade de serem mães.
C. L. EAU 923 – A minha vida antes da embolização era bastante complicada devido aos sintomas, tais como: dores de cabeça, dores, hemorragias enormes com coágulos e menstruações grandes (de longa duração). Após a embolização melhorei muito todos os sintomas, sendo o principal, as dores e as menstruações intensas.

 

I.M.P.S. – EAU Nº 407/926 – Esta técnica trouxe-me de novo a possibilidade de uma vida normal, mais saúde e a possibilidade de ser mãe! Esta técnica trouxe-me muito e estou eternamente grata a todos: a toda a equipa que tratou de mim e ao Dr. Martins Pisco, sempre tão humano e disponível!
Fui tratada pela 2a vez em Março de 2010 porque em Janeiro tinham começado umas hemorragias muito fortes e praticamente todos os dias, o que não me aconteceu na 1 a vez antes de ser tratada. Fiquei anémica.
As hemorragias eram tão fortes que eu já não sentia o controle no meu corpo, nem a dormir e sentia-me fraca de ânimo e de forças! Pensei logo que algo estava errado com o mioma. Depois de ser tratada em Março pelo Dr. Martins Pisco e sua equipa, tive a oportunidade de sentir novas forças invadirem meu corpo novamente, pois tenho vindo sempre a recuperar mais e mais da anemia que me prostrava e hoje em dia tenho energia até para fazer exercício fisíco no ginásio todos os dias, o que naquela altura era completamente impensável! Deixei imediatamente de ter hemorragias após a embolização e sem qualquer medicação necessária para isso! Simplesmente acabaram!
A qualidade de vida deu um salto, logo imediatamente a partir da semana em que fui tratada e acabou o medo das reacções do meu corpo.
É incrível que com esta técnica há uma diferença abissal entre o antes e o depois de ser tratada! Sempre que posso divulgo a técnica, dando testemunho do que me aconteceu.
O meu obrigado, do fundo do coração!
 
S.A.V.C – EAU Nº 927 – Penso, ser uma técnica bastante importante na medida em que pode melhorar fica e psicologicamente a vida de uma mulher bem como a daqueles que a rodeiam, o grau de ansiedade diminui, pois o facto (falo de mim) de ter uma menstruação longa e incómoda, no que se refere à hemorragia constante e o cansaço psicológico e fisco que daí advêm, promoviam uma ansiedade reactiva aquando a altura da menstruação, privando até de algumas actividades, como um simples passeio … daí que este tipo de tratamento ser como a clivagem para uma nova vida. Sendo que agora, coisa que antes era impensável, já posso pensar em ter filhos algo que me parece fundamental e que me vai completar na minha vida afectiva/ familiar.
 
C. R. EAU 962 – Quero referenciar que os dias de hemorragia foram referentes á menstruação, que foi visivelmente mais fraca. Os sintomas mais visíveis logo após a embolização foi o deixar de ir á casa de banho durante a noite, e a regulação quase imediata do intestino. Voltei a fazer exercício físico sem sintomas após 2 semanas, Sinto-me bem e muito contente por ter sido mais fácil que estava á espera e sem qualquer dor.
 
P. A. EAU 964 – É com grande serenidade, paz, alegria e esperança no futuro, que eu lhe escrevo este email. Devo dizer-lhe que o dia 20 de Maio de 2010, foi o primeiro dia do resto da minha vida – o dia da embolização. Renasci nesse dia… Não faz uma pequena ideia do tormento que tem sido a minha vida ao longo de dez anos a sofrer com hemorragias e dores insuportáveis. Andei de médico em médico, de hospital em hospital e a ouvir sempre os piores diagnósticos: retirar o meu útero. Fui 6 vezes para o bloco operatório para me retirarem miomas, mas o prior, é que à primeira nunca conseguiam fazer nada, então depois de anestesias e sofrimento, acabavam por me remarcar nova cirurgia pois aquela tinha sido impossível de realizar – e lá me justificavam com teorias injustificáveis -. A última das vezes foi no ano passado, que num prazo de 1 mês levei 2 anestesias gerais. E, mais uma vez, para nada! Fui 2 vezes para o bloco, remexeram tudo o que tinham a remexer no meu útero e nada conseguiram fazer. A situação, claro está, foi agravando de ano para ano, de mês para mês. Entrei em depressões, comecei a usar fraldas, a ficar com anemias constantes e a ter que meter baixa por me sentir sem condições físicas de exercer a minha profissão condignamente. Em Abril do corrente ano, a situação agravou-se ainda mais, pois já nem as fraldas suportavam tanto o fluxo que eu tinha e as dores menstruais eram cada vez mais intensas e a duração da menstruação já ultrapassava os 15 dias. Recorri às urgências do hospital que me tinha estado a acompanhar o caso e a médica fez-me uma ecografia e análises para ver os valores da hemoglobina e após os resultados disse: “minha querida, vamos ter que te tirar o útero, porque isso não é vida para ti”. Eu supliquei-lhe por uma opção e ela lá sugeriu o mesmo tratamento que me fizera o ano passado, ou seja, uma injecção hormonal que me faria ficar sem menstruação durante 3 meses e depois os miomas regrediam e poderia operá-los. Mas frisou sempre que mais cedo ou mais tarde iria ter que retirar o meu útero. Assustada e já sem forças, desacreditei naquele tratamento. Agradava-me a ideia de ficar sem período durante 3 meses, mas…e depois??? Mais um internamento, mais uma anestesia geral, mais um falhanço e mais uma depressão. Contudo, não baixámos os braços e começámos a pensar que teria de haver uma outra solução. Começámos a pesquisar na internet e apareceu o site do Dr. Pisco. Já tinhamos ouvido falar por alto na técnica utilizada, mas nada sabiamos concretamente sobre a mesma. Marquei uma consulta e uma semana depois lá estava no consultório do Dr. a ser devidamente esclarecida relativamente à técnica. Senti naquele momento, que aquilo seria a minha salvação. Não pensei duas vezes. Fiz os exames propostos pelo Dr., mas nas análises foi-me detectada hemoglobina bastante baixa. Telefonei de imediato ao Dr. e o mesmo marcou-me a embolização para 3 dias depois. Foi de uma simpatia e prontidão exemplares. Tomei a medicação aconselhada pelo Dr., seguindo sempre tudo à risca. Estava confiante quando fui para o hospital St. Louis. Seria ali o local da minha cura e só umas mãos de Mestre (como as do D. Pisco) me poderiam fazer milagres ao útero. O atendimento no hospital foi do melhor, desde auxiliares, passando por enfermeiras, médicos e estagiários. O ambiente era do melhor, inclusivé no bloco. Todos bem dispostos, inclusivé eu. Durante a embolização estive sempre acordada e a ser constantemente vigiada. O Dr. Pisco ia conversando comigo e contando-me o que estava  fazer passo a passo. Senti-me tão descontraída!!! Não senti dor nenhuma durante a embolização, parecia que estava no céu… Quando entrei para o recobro é que comecei com algumas dores menstruais, que foram aumentando. Mas o Dr. Pisco e a sua equipa carinhosamente cudaram de mim e tudo normalizou. Fui para casa poucas horas depois e continuei a medicação recomendada, seguindo sempre tudo à risca, para que nada falhasse. Tive ainda algumas dores menstruais, mas tudo passou rapidamente. Na zona da virilha onde me foi colocado o cateter, ficou apenas a marca de uma agulha como quando vamos tirar sangue para análises. não inchou, nem ficou com hematoma, nem tive quaisquer dores. Parecia que nada tinha feito. Fui sempre contactada pela equipa do Dr. a perguntar sobre a evolução da situação – o que eu agradeço. Cerca de 2 semanas depois fiquei menstruada. Deu-se mesmo o tal milagre! Fralda, só usei na 3ª noite, pois tive um fluxo mais abundante, mas nada como o que tinha anteriormente. De resto, usei só um penso…um penso…coisa que eu já nem me lembrava quando tinha sido a última vez que tinha conseguido usar só um penso durante a minha menstruação. Dores? NENHUMAS!!! 15 dias de intenças hemorragias anteriormente, 7 dias de corrimento normal para um penso. Sinto-me novamente mulher! Sem medo de sujar a minha roupa, ou deixar marcas nos sítios em que me sento. Se eu não tivesse passado por esta experiência, diria que tal não seria possível, que estariam a exagerar. Mas só eu sei a alegria que o Dr. Pisco e a sua inovadora técnica trouxeram à minha vida. Tenho recomendado isto a todas as pessoas a quem falo do meu caso. Para além de um excelente profissional, o Dr. Pisco é um ser humano de grande coração e de uma grande humildade e simpatia. Fica aqui o meu agradecimento mais sincero ao Dr. e a toda a sua equipa. São todos fantásticos!!! Um bem haja para todos!!
 
P.M.M.A. – EAU Nº964 – Após a embolização a minha menstruação dura 7 dias, com fluxo mais reduzido e dores praticamente nenhumas. Verificou-se também uma enorme redução nos coágulos.
 
I.D. EAU Nº965 – Penso que é uma excelente alternativa à mutilação da mulher ao fazer a histerectomia, indolor e mantêm o útero, a qualidade de vida melhora substancialmente entre muitos outros motivos sempre positivos. Estou muito contente por ter encontrado esta solução.
Só é pena que não haja mais divulgação.
 
C.S EAU Nº 967 – Cerca de 14 meses depois engravidei, uma gravidez perfeitamente normal seguida pelo Prof. João Pualo Mota e com 38 semanas de gestação no dia 09-03-2012 nasceu a Matilde, com 2790Kg, de parto normal.
Uma vez mais quero agradecer ao Prof. Martins Pisco, que com a sua técnica, acompanhamento e humanidade, tornou tudo isto possivel (eu consegui o que chamo o “meu pequeno milagre”).
 
S.M.M.M. EAU Nº979 – Achei o procedimento extremamente simples, todo o pessoal foi extremamente atencioso. Tive pena de não obter os resultados de outras pessoas que fizeram este procedimento mas como os meus miomas eram tão grandes, se calhar, justifica-se.
 
C.I.R.V.T. – EAU Nº 991 – Na minha opinião, é uma cirurgia que nem parece sê-lo, dado que a dor é quase inexistente e a própria cirurgia em si é idêntica a um vulgar exame, nada se sente praticamente. Sendo uma cirurgia, que nos permite a nós, que somos Mulheres continuar a ter o nosso útero intacto, não impossibilitando a gravidez, pelo que acho só por isso vale muito a pena, mesmo não sabendo se umdia serei Mãe, sei com esta cirurgia nada me irá impedir de o ser, muito pelo contrário…
 
J.M.P.V. – EAU Nº 1000 – Penso que esta técnica é preferível a uma cirurgia de barriga aberta. A equipa é fantástica, muito competentes e atentos a todos os pormenores e sempre presentes junto da paciente. A única questão foi o pós operatório. Tinha feito antes da embolização uma cirurgia com anestesia geral e não sofri de vómitos e dores de cabeça como após a embolização. Como sou um pouco anti medicamentos, considero que tomei medicamentos a mais e o meu mau estar foi, não devido a dores, mas sim por causa dos efeitos secundários dos medicamentos que tomei, supostamente para não ter dores. Que, de facto, quase não senti!
 
S.P.P.R – EAU Nº 1003– A realização deste procedimento melhorou consideravelmente a minha qualidade de vida. Antes de fazer a embolização a minha situação clínica tinha piorado bastante, as dores eram já insuportáveis e o aumento do abdómen significativo. Foi detectado na ressonância que, para além dos miomas e leiomiomas, tinha também uma adenomiose. Este diagnóstico só foi feito através da ressonância visto que nas ecografias não se detecta com tanta precisão, concluiu-se que as dores eram sobretudos provocadas por esta patologia. A embolização está indicada também para o tratamento desta situação e no meu caso foi eficaz nunca mais voltei a ter dores e sinto-me muito bem.
 
C.N.A. – EAU Nº 1014 – A Embolização foi a minha salvação!!! Foram cerca de dois anos e meio com constantes hemorragias, causando anemias prolongadas (em que a hemoglobina oscilava entre os 6.7 e os 10.00).
Fui submetida a uma transfusão sanguínea e a um internamento, após 32 dias consecutivos de hemorragias. Foram feitos vários tratamentos para a redução do fibromioma uterino e controlo das hemorragias (com Duphaston). Não se verificaram resultados.
Posteriormente optaram pela terapêutica inibitória da menstruação (Zoladex), com o objectivo da diminuição do fibromioma, assim como o reequilíbrio físico. Após quatro injecções, continuávamos sem conseguir atingir os objectivos pretendidos. O fibromioma continuava crescendo. Além disso, esta terapêutica é bastante prejudicial ao organismo, causando descalcificação óssea. Sentia dores nas articulações.
Estava sendo acompanhada pelo Hospital e proposta para cirurgia (Histerectomia) em Agosto de 2010. Aconselhei-me com meu médico ginecologista (Dr. Aguinaldo Andrade), do qual desaprovou totalmente a cirurgia. Sugeriu que fizesse a Embolização, encaminhando­-me para o Prof. Dr. Martins Pisco.
Agradeço ao Prof. pela sua prontidão com que me recebeu, visto ter uma agenda tão preenchida. Encontrava-me a um mês de ser submetida à Histerectomia!!
Fui observada … Um Fibromioma Uterino com cerca de 8 em ….
No dia 20 de Setembro de 2010, estava pondo um ponto final no meu problema, através da Embolização.
Agradeço ao Prof. e a toda a sua equipa, pela forma como fui recebida, tratada e acompanhada.
Hoje, estou bem!! Sem hemorragias e todos os outros problemas associados.
MUITO OBRIGADA
 
S.M.G.B.R. – EAU Nº1021 – No meu caso penso que resultou a 100%. Era difícil aceitar a ideia de que por causa de um mioma relativamente pequeno eu teria que ficar sem útero, que ainda estava bem. Mas a medica insistia na histerectomia e eu fui deixando passar o tempo à espera de um milagre. A situação piorou e eu vi-me sem alternativa.Foi então que soube desta técnica que para mim foi um milagre. A intervenção foi suportável, a recuperação também e o apoio dos médicos e equipa foi excelente, o que nos fez acreditar que tudo está a correr como previsto e dá-nos força.
Entretanto o facto de saber que ficamos sem o incomodo miomas e mantemos o nosso útero faz com que tudo pareça mais fácil. Eu fiquei feliz, a minha qualidade de vida física e psicológica voltou ao normal e espero que tido continue a correr bem como ate aqui.
Recomendo a técnica a 100% e penso que deveria ser mais divulgada.
 
C.A.B.R.T – EAU Nº 1028 – É uma técnica que ainda bem que surgiu, pois veio melhorar o dia-a- dia de muitas mulheres. Pois o facto dos fibromiomas provocarem dores, hemorragias, etc … faz com que fiquemos desanimadas, como senão fossemos iguais às outras mulheres e o factor pior ainda é o da infertilidade.
Pode-se dizer que a embolização para uma grande parte das mulheres que a  afazem é uma luz ao fundo do túnel
 
V.T.F.L.A.P. – EUA Nº 1031 – A EMBOLIZAÇÃO “salvou-me a vida” ou seja, para mim a alternativa terrível
de ficar sem o útero correspondia a uma morte psico-física de quem eu fui, para outra condição de mulher, com cicatrizes físicas e emocionais muito difíceis de superar. A técnica é excelente, foi magistralmente aplicada pelo Prof. Pisco a quem agradeço do coração, e os resultados são notáveis. Antes da embolização havia estado um mês com hemorragias vaginais ininterruptas e estava a ficar severamente fragilizada. Espero que muitas mais mulheres possam ter acesso a esta técnica, juntamente com uma nova perspectiva de vida. A regularização do período menstrual aconteceu-me como uma cura que me instilou novas energias, de forma a que a minha vida em todas as áreas passou por uma transformação positiva, com uma nova esperança e dinâmica.
A todos, bem hajam!
 
 18-10-2010-V.F. EAU 1032  – Agradeço do coração o trabalho, a investigação e a dedicação do Professor Pisco e sua equipa.
A Embolização é uma técnica de grande eficácia que me salvou literalmente o útero, pois sem esta intervenção teria que o remover devido às grandes hemorragias devido a miomas.
A anemia crónica curou, o útero e os miomas diminuíram substancialmente de volume em apenas 6 meses, o abdómen desinchou, o período menstrual regularizou e o fluxo sanguíneo diminuiu tornando-se normal.
Após a Embolização, comecei a trabalhar 6 dias depois e estou óptima, como há muito não me sentia.
Sinto que me foi dada uma 2ª vida, uma renovada chama de vida mais saudável, que me reconciliou com o ser mulher, e amar mais ainda o meu corpo e incentivar as mulheres que precisem de salvar o seu útero “tão importantes”, e serem embolizadas, reaprendo a estimar-se a si mesmas e a cuidarem do seu corpo com amor, como o tempo da sua alma!
Sr. Professor Pisco, gratidão profunda e que tenha uma vida cheia de energia e funções para que continue a ajudar muitas mais pessoas com o seu trabalho extraordinário.
Bem-haja e um grande abraço.
 
P.O  EAU 1033 – Em Outubro de 2010 foi-me diagnosticado quatro miomas, sendo que um deles apresentava um tamanho considerável. O primeiro diagnóstico, realizado em São Miguel foi para ser operada e tirar tudo (útero e ovários). Perante tal cenário, procurei uma outra opinião e foi nesta altura que tomei conhecimento, deste tratamento de Embolização Uterina, efectuado pelo Sr. Professor Martins Pisco.
Posso dizer que em duas semanas voltei aos Açores, entre o entrar em contacto com o Professor Pisco, realizar os exames necessários o tratamento e a recuperação voltei a casa, apenas com uma ligeira limitação nos movimentos mais bruscos. Posso ainda dizer que após sete dias da Embolização, regressei ao trabalho e fi-lo na perfeição.
Regressei da consulta dos seis meses e boas noticias, aliás óptimas noticias, para além de me sentir bem melhor, os miomas tinham reduzido o seu tamanho em 76%, o que é extraordinário sendo que, durante o próximo ano será possível reduzir mais um pouco.
Queria deixar o meu testemunho, para que, todas as pessoas que sofram do mesmo problema possam confiar nesta técnica, no Professor Pisco e em toda a sua equipa e colaboradores. São extraordinários de tal forma que quero deixar o meu agradecimento por me permitirem ter uma melhor qualidade de vida.
 
P.M.C.O. EAU Nº 1033 – Fiz a embolização exactamente há seis meses e o resultado foi um sucesso. Os fibromiomas reduziram em mais de 70%.
Queria agradecer ao Prof. Dr. Pisco e a toda a sua equipa pela atenção que me foi dedicada antes, durante e após a embolização.
 
E.V.J. – EAU Nº 1038 – Gostei imenso do tratamento da Embolização. Sinto-me melhor e com um elevado astral. Espero e desejo que este tratamento continue para salvar mulheres que se encontram na situação que eu estava. É um tratamento eficaz e sem trasntornos e dores.
Eu fiz a Embolização e sinto-me melhor agora pois foi um tratamento que não deixa cicatrizes no corpo.
Muito Obrigado! Deus Vos Abençoe
 
P.S.A.S. EAU Nº1055 – A primeira vez que tive consciência de que tinha um mioma foi através do exame de rotina que todos os anos faço: ecografia. Passado um ano o número de miomas subiu para dois não havendo caso para alarme. Estava para observação, não tinha sintomas propriamente ditos, resumindo, estava bem. No entanto no espaço de um ano comecei a ter o período com maior nº de dias e mais fluxo de sangue. Devo chamar a atenção que após ter feito nova ecografia em que aí sim se revelou que ambos os fibromiomas tinham duplicado de tamanho a minha médica de família me chamou a atenção de que havia agora um novo método de tratar estas situações sem ter de recorrer à tão falada histerectomia: embolização uterina. Perguntei-lhe do que se tratava e qual era a vantagem. Ela deu-me o endereço electrónico do Hospital de St. Louis, falou-me do Professor Martins Pisco e o resto descobri eu na internet. Quanto à vantagem é bastante simples: evita a operação que priva a mulher dos seus órgãos reprodutores empurrando-a para uma situação forçada de infertilidade muitas vezes em idades muito “tenras” da vida o que constitui uma violência naturalmente. Confesso que quando li o folheto informativo sobre a embolização me pareceu um método muito simples e inteligente de resolver o problema dos fibromiomas. É claro que a adesão não foi imediata mas a alternativa não constituía de facto uma “alternativa”. E foi assim que depois ser observada pela minha ginecologista e ápos ela ter concluído que estava na altura certa para a fazer decidi-me pela embolização. O processo comigo decorreu muito rápido e bem: Conheci o Prof. Dr. Martins Pisco em Outubro e já tinha reservado disponibilidade para fazer a intervenção naquela altura. Devo dizer que a intervenção é indolor só se sentem umas picadazinhas que são as partículas a instalarem-se nas artérias que vão dar aos fibromiomas e que são a chave do processo para o sucesso da mesma. O tempo passa rapidamente e sei que fui “operada” às 9.00h da manhã e às 9.00h da noite já estava em casa. E é mesmo como diz no site passado uma semana mais ou menos está-se a fazer a nossa vida normal que foi interrompida por umas escassas horas.
É claro que depois há a expectativa de ver como as coisas correm ao longo do tempo (no meu caso os sintomas foram melhorando gradualmente até que fiz nova Ressonância Magnética, após 6 meses) em que fui depois informada pelo próprio Dr. Martins Pisco que os objectivos tinham sido atingidos na sua totalidade.
Agora encontro-me tranquila o meu organismo está intacto, a partir de agora e se assim o entender posso engravidar e dar continuidade ao meu ciclo de vida de mulher. Resumindo recomendo vivamente este processo de intervenção no tratamento dos fibromiomas pois não é nada invasivo (nem com uma cicatriz se fica!) e é extremamente moderno actual e simples.
Mais uma vez saúdo o Prof. Dr. Martins Pisco e toda a equipa que com ele colabora no Hospital St. Louis.
Os meus melhores cumprimentos,
 
A.C.F.F.A. – EAU Nº1095 – Nos 2 dias seguintes à embolização trabalhei durante a parte da tarde (no meu  escritório perto de casa) e a partir do 3º dia trabalhei o dia inteiro (sem fazer grandes esforços). Como esperava (nem mais dolorosa nem menos), porque me foi devidamente explicado previamente como seria e correspondeu às expectativas que me foram criadas. As dores que tive foram perfeitamente suportáveis e tive sempre como as controlar com as indicações que trouxe. Elevado, sinto-me muito feliz por ter tido a oportunidade de conhecer e optar pela Embolização em vez da histerectomia (que calculo que devia ser muitíssimo mais dolorosa e difícil de recuperar e ainda com consequências absolutamente incomparáveis e irreversíveis). Até agora tudo correu como previsto, só tenho razões para acreditar que continuará assim. Mas todo o processo desde o meu primeiro contacto até à embolização e depois desta, superou e em muito as minhas expectativas. Infelizmente, os doentes neste país estão cada vez menos habituados a serem considerados e cuidados deste modo. O Prof Martins Pisco e a sua equipa estão de parabéns e deveriam ser tomados como exemplo do profissionalismo, da ética e do humanismo que deveriam ser inerentes à classe médica e à sua prática. Pela minha parte, têm todo o meu reconhecimento e agradecimento.
 
C.D.M EAU 1154 – No passado dia 18 de Abril de 2011 fui submetida ao processo de embolização, assim sendo não podia deixar de transmitir o meu profundo agradecimento a toda a equipa médica do Professor Martins Pisco e ao próprio obviamente, pelo excelente profissionalismo e dedicação.
Tinha que expressar as melhorias, sem as perdas de sangue permanentes que caracterizavam o meu dia-a-dia, o cansaço, a tristeza e fuga social. Finalmente posso “respirar de alivio” e sentir-me bem! Obrigado! Uma vez mais, os meus agradecimentos e votos de muito sucesso para todos os profissinais envolvidos na melhoria da qualidade de vida de todos nós!
 
M.J.S.C.L. EAU Nº 1197 – Sofria com dores mensais, do género das de parto,durante uma semana, sofria de hemorragias graves, mal conseguia andar, falar ouaté raciocinar. Consultei médicos que me aconselharam cirurgia pararetirar o útero, mas sempre equacionado/questionando se valeria a pena sujeitar-me a tal. Para quê retirar o útero quando não é estritamente necessário? Para quê sujeitarmo-nos a uma intervenção cara,demorada, perigosa, com anestesia geral, invasiva, com recuperação demorada,dolorosa e incapacitante durante bastante tempo, com eventuais complicações futuras, sujeitando a uma medicação diária, até pelo menos à menopausa? Foi então que tomei então conhecimento da Embolização através de um mail, um método muito eficaz, sem complicações, de rápida execução e recuperação. Marquei de imediato consulta e uma vez verificada aviabilidade para a intervenção, resolvi aceitar o desfio, fiz, sem qualquer tipo de dúvida, uma inquestionável opção, investindo na saúde e na qualidade devida. O Profº. Martins Pisco e a sua equipa são excelentesprofissionais, interessados, competentes, atentos e prestáveis, que me orientaram durante todo o processo, quer dando informação verbal e escrita, quer telefonando para saber da progressão durante toda a recuperação. Recomendarei, com certeza, a todas as mulheres, quetenham fibromiomas, este procedimento. Agradeço ao Profº. Martins Pisco e à sua equipa de médicos, enfermeiros e auxiliares.
M.F.P.E. – EAU Nº  1315–  Avanço notável da medicina.Fiz Embolização Uterina a 16 de Abril de 2012. Estou bastante satisfeita,valeu a pena.Pois os fibromiomas reduziram bastante. Excelente,recomendo esta técnica a todas as mulheres com este problema. È uma técnica inovadora,simples e que necessita de ser divulgada no nosso país. È uma técnica que evita a remoção do útero e proporciona qualidade de vida ás mulheres e hipóteses de virem a ter filhos. Ainda bem que para nós mulheres existe o Dr.Prof.João Martins Pisco. Agradeço ao Dr.Prof.João Martins Pisco e à sua equipa pela dedicação e empenho pela técnica.Muito obrigada por tudo e que Deus vos Abençoe
 
P.C.G.A.P  -EAU 1462 – Boa tarde Prof Joao Pisco, Venho por este meio agradecer o empenho e dedicação da equipa do Prof. Joao Pisco. No passado dia 20 de Maio de 2013 fui intervencionada às artérias uterinas afim de tratar os diversos fibromiomas que envolviam o meu útero. Com a técnica aplicada pela equipa do Prof. Pisco os referidos miomas não só diminuíram de tamanho como também apresentam um grau de isquemia superior 90%.Tudo isto comprovado com ressonância magnética efectuada após seis meses da intervençao. Os sintomas que tinha tais como períodos longos a vontade sistemática de urinar também desapareceram. Por isso não me canso de agradecer a esta fabulosa equipa.   Não me canso de alertar as amigas que necessitem de recorrer a esta técnica. Temos de espalhar estas experiencias pois evitam as cirurgias e remoção do utero que os ginecologistas tanto querem fazer ,era também este meu caminho se não tivesse tido conhecimento com  Prof. Pisco. Mais uma vez o meu muito obrigado. Bem hajam  
M.C.M.R.S – EAU 1483 – Olá a todos, venho por este meio procurar expressar em palavras as emoções, sensações e prazer que passei a viver após a submissão ao processo de embolização de miomas uterinos. Até à data de 08/07/2013 a minha vida foi um tormento – não encontro melhor definição – no que diz respeito às consequências que os miomas tinham no meu dia a dia, fisicamente, psicologicamente, na vida pessoal e profissional. Tendo sido sujeita a uma miomectomia em Dezembro de 2005 os tenebrosos miomas estavam de volta 3 meses depois. Voltava então o suplício da hemorragias, das anemias, das menstruações longas e não raras vezes de 20 dias, o ter de andar munida de mudas de roupa e até de cueca fralda. Valeu-me ter conhecido alguém que vive apaixonadamente a sua profissão, a ginecologista Dra. Marcela Forjaz que, avaliando os meus dados clinicos, hemoglobinas de 10 ou menos, valores que só levantavam ligeiramente com tomas de suplementos de ferro e vitamina B12, considerou que reunia as condições para uma embolização. Colocaram-se as opções em cima da mesa : histerectomia ou embolização, a opção seria sempre minha. Não conhecendo de todo o que era a embolização, pesquisei no mundo virtual da Internet, e sem hesitar decidi pela técnica. Se pelo que li com sentido critico achei seguro e eficaz, agora que passaram 6 meses e em que de uma situação de anemias constantes, constrangimentos vários, fadiga, etc, passei para um estado continuo de força, as anemias são história do passado, a hemoglobina voltou a niveis de 12,7 sem tomas de reforços de ferro, e em que os fluxos passaram a ser minimalistas, é minha obrigação testemunhar publicamente pela eficácia da técnica. Tinha 3 miomas : 2 Intramurais e 1 submucoso. Hoje tenho apenas os 2 Intramurais mas com um grau de isquémia (morte) de praticamente 100% e apenas decorreu 6 meses após o processo. Um deles reduziu de tamanho 42% e o outro 90%. O mioma submucoso já não existe.  O processo é incomparavelmente menos invasivo que uma cirurgia, não é traumatizante, as dores são relativas como todas, de acordo com o grau de tolerância à dor de cada um. Não obriga a tomas de medicação agressivas quer na preparação quer no pós durante os dias de “convalescença” e retoma-se a vida normal num curto espaço de tempo. Em boa hora, contactei o Prof. Doutor Martins Pisco, e me deixei nas mãos de toda a sua fantástica equipa, melhorando a minha vida, ou melhor revolucionando a minha vida no espaço de 5 dias. Estes sim, são os verdadeiros heróis que metem “golos” . Um Grande Bem Haja a toda a equipa, em particular ao Prof. Doutor Martins Pisco.  
F.A. – EAU – 1507 – Bom Dia Exmo. Sr. Prof. Faz amanhã um mês que fui submetida ao seu procedimento e tal como solicitado, estou a enviar o questionário, bem como um pequeno resumo como me tenho vindo a sentir, esperando desta forma poder contribuir ajudar na continuidade e eventual aperfeiçoamento desta técnica. Regressei à minha actividade profissional 1 semana após o procedimento, mais precisamente dia 30 de Setembro. A minha primeira noite após Embolização foi, sem dores ou nauseas, sendo que dormi toda a noite. O dia seguinte foi tranquilo, apenas um pouco de náuseas, embora sem necessidade de recorrer a qualquer medicação, e uma ligeira impressão (nem classifico de dor) no ventre. Nesse dia pus gelo, embora apenas uma vez, por esquecimento. Na Quarta-Feira, dia 25, iniciou-se o ciclo menstrual que durou até ao dia 4 de Outubro. Correu bastante bem face ao que era habitual, uma vez que não tive qualquer coagulo. Fluxo abundante mas não excessivo como ocorria anteriormente. Posteriormente continuei com um pouco de corrimento do tipo borra de café e com uns pequeníssimos farrapitos. Continuo a utilizar um penso diário uma vez que dependendo dos dias vou tendo algum corrimento, amarelado claro sem cheiro. Fiz toda a medicação de acordo com o plano, e apenas continuo com alguma dificuldade a nível intestinal, que atribuo ao facto de por norma ter um intestino bastante sensível aos anti-inflamatórios, dado ter colite espastica, e ainda sinto um pouco de “impressão” junto ao local onde foi introduzido o cateter. De resto, devo referir que faço toda a minha vida normal, inclusive tenho estado com 3 crianças bastante pequenas (dos 6meses aos 4 anos) que me saltam para o colo e requerem a atenção inerente, não tendo por esse facto sentido grande restrição a nível de movimentos, fraqueza ou falta de apetite. Tenho por vezes pequenos espasmos no abdómen que considero normais, sendo que são esporádicos e passam rapidamente, não constituindo por si só qualquer relevância. Aguardo agora o inicio de mais um ciclo menstrual, devendo referir que tenho sentido as dores pré menstruais habituais, o que me leva a ter esperança que tudo esteja dentro do normal. Gostaria de solicitar o nome de um ginecologista, uma vez que, optando pelo procedimento não tenho qualquer médico para me efectuar o acompanhamento que necessariamente devido ao meu historial familiar (mãe falecimento por neoplasia da mama com extensão ao osso e pâncreas, e pai com neoplasia do pulmão) necessito. Por outro lado sentir-me-ei mais à vontade e confiante com alguém que tenha conhecimento do procedimento. Pedia igualmente ao Sr. Prof. que me desse indicação de quando devo ser observada na especialidade de ginecologia. Após 6 meses com o resultado da ressonância? Resta-me fazer referência e agradecer toda a amabilidade gentileza e profissionalismo com que fui tratada quer pelo Sr. Prof., quer pela sua equipa médica, estendendo-se aos senhores enfermeiros e pessoal auxiliar que foram de um carinho, atenção e interesse pelo meu bem estar extremo. O meu muito obrigada e bem hajam a todos. Melhores cumprimentos
  A.C.V. EAU – 1533 – Caro Dr. João Pisco, Venho por este meio partilhar e agradecer os ótimos resultados obtidos no seguimento da embolização uterina realizada no dia 9 de Dezembro de 2013. Deixei de ter dores logo no primeiro período menstrual após embolização e progressivamente a intensidade do fluxo tem diminuído. A principal melhoria verificou-se no 3º período menstrual uma vez que o fluxo foi muito menor! (1º período 40 pensos higiénicos, 2º período 33 pensos, 3º período 18 pensos). A duração do período menstrual mantém-se em 6 dias. Sinto-me muito feliz com os resultados e muito mais tranquila quanto ao meu futuro!  
T.R. EAU – 1495 – Muito obrigada! Saber da existência deste tratamento para os miomas é uma lufada de esperança para quem tem o problema, quer resolvê-lo e quer ter filhos. Graças ao médico que me aconselhou a ir ao hospital de são Louis e ao Dr. Martins Pisco, tratei do meu mioma  a 19 de Agosto de 2013 no qual passado 6 meses da embolização os  resultados dos exames foram ótimos,  dando a % máxima em que o mioma não me chateia mais,podendo assim tentar a minha sorte de engravidar….vale a pena recorrer a esta nova técnica de embolização que existe!  
C.M.B.A. EAU – 1477 – Envio o testemunho do sucesso do tratamento de embolização realizado no Hospital St. Louis. No ano anterior, foi-me diagnosticado o crescimento de alguns miomas uterinos, cuja solução apresentada pelo médico especialista foi a operação por forma a retirar o órgão em causa. Não contente com a deliberação apresentada, procurei informar-me e tomei conhecimento do tratamento exclusivo do professor e decidi submeter-me em Julho de 2013. Foi-me comunicado que a intervenção tinha corrido bem, senti-me realmente bem logo nos dias seguintes, sem necessitar de grandes precauções ao nível de cuidados de saúde, e meses depois notei que o tamanho dos miomas tinha reduzido substancialmente. Seis meses após o tratamento realizei uma ressonância magnética, tal como recomendado, o que corroborou o sucesso do procedimento médico concretizado, pois os miomas tinham praticamente desaparecido, apesar de ainda estarem presentes, o seu tamanho deixou de ser significativo. Não precisarei de fazer mais nada e estou dispensada de qualquer tratamento médico adicional. Concluindo, não poderia ter ficado mais satisfeita com a embolização realizada, pois o mesmo foi um sucesso incontestável e melhorou as minhas condições de saúde de forma inegável.  
A.C.T. EAU – 1061 – Hoje 14/04/2014, 3 anos após a embolização para tratamento do meu mioma, fiquei a saber que podia deixar de me preocupar com ele, fiz a embolização porque queriam tirar-me o útero e os ovários devido ao volume do meu útero que era de 338 cc e volume do mioma 221 cc. Hoje o volume do meu útero é 78 cc e o volume do mioma 26 cc.e apresenta uma isquémia de cerca de 90%. Estou muito contente por ter mantido o meu útero e óvarios. Obrigado Professor Martins Pisco  
F.A – EAU 1507 – Exmos Senhores, Gostaria de dar o meu testemunho quanto à técnica em apreço – Embolização Uterina. Confrontada pelo meu ginecologista com a necessidade de ser submetida a Intervenção cirúrgica, histerectomia devido a mioma uterino, tomei conhecimento da existência de uma técnica na qual não havia necessidade desta cirurgia. Contactei o senhor professor João Martins Pisco, por indicação de outras mulheres, que foram confrontadas com o mesmo problema e perante os seus testemunhos optei por esta solução. Passados que são 7 meses da realização do procedimento médico, reconheço que foi uma boa opção, já que durante o acto médico e no decurso destes meses, tenho tido uma franca melhoria da minha qualidade de vida, o que aliás é também atestado pelo controlo dos exames de rotina e da ressonância magnética a que tenho sido submetida. Como testemunho pessoal, posso dar como conselho que mulheres em iguais circunstâncias, não deixem de solicitar parecer médico na eventualidade de terem indicação clínica para esta técnica, que considero eficaz e com poucos ou nenhuns efeitos secundários. A recuperação é rapidíssima, 1 semana,  as melhoras evidentes, e o procedimento praticamente indolor. Estou grata por ter atempadamente tido conhecimento desta técnica que me permitiu evitar uma cirurgia, que me retiraria um órgão e consequentemente com todos os seus inconvenientes de anestesias, tempo de recuperação, etc. Um bem hajam a todos os que trabalham nesta técnica, e muito em especial ao professor Martins Pisco. Grata por toda a atenção creiam-me ao dispor  
N.R. – EAU 1501 – Quando o meu caso foi diagnosticado, segundo os médicos que consultei, não teria muitas hipóteses de poder manter o meu útero, com apenas 35 anos e sem filhos. Entrei em pânico! Mas o meu ginecologista falou-me da técnica de Embolização de Miomas e indicou-me o Prof. Martins Pisco, que ao analisar os meus exames, deu-me uma percentagem de 70% de hipótese de sucesso. Estava apreensiva de início, pois não sabia até que ponto poderia resultar, sendo que tinha múltiplos miomas uterinos. Mas arrisquei e após praticamente um ano, posso dizer que me sinto a recuperar muito bem (tanto em força, pois fiquei com anemia e emocionalmente, pois era bastante desconfortável mensalmente) e os miomas diminuíram consideravelmente de tamanho! Quero agradecer ao Prof. Martins Pisco e à sua equipa todo o cuidado que colocaram no meu caso bem como ao pessoal médico envolvido em toda a operação. Seria ótimo que mais hospitais aceitassem realizar esta técnica que carece de anestesia geral e internamento, embora seja ainda algo recente. Afirmo com confiança e baseada no meu caso, que para muitas mulheres poderá ser uma excelente alternativa de tratamento de um ou variados miomas sem ser usada uma intervenção tão invasiva (e eventualmente trágica em alguns casos) para as mulheres. Desejo o maior sucesso para o Dr. Pisco e a sua equipa e que mais profissionais de saúde possam aprendê-la e aplicá-la também em hospitais públicos de forma a ser mais acessível a todas as mulheres.
M.J.L – EAU 1197 – Sofria com dores mensais, género parto, durante uma semana, sofria de hemorragias graves, mal conseguia andar, falar ou até raciocinar, cheguei a desmaiar, fiquei anémica devido às hemorragias. Consultei vários médicos que me aconselharam cirurgia para retirar o útero, era sempre a solução indicada, até tive uma cirurgia marcada, mas sempre equacionado/questionando se valeria a pena sujeitar-me a tal. Para quê retirar o útero quando não é estritamente necessário? Quando o problema não é o útero mas sim algo que está lá por perto. Para quê sujeitarmo-nos a uma intervenção cara, demorada, perigosa, com anestesia geral, invasiva, com recuperação dolorosa e incapacitante durante bastante tempo, com eventuais complicações futuras, sujeitando a uma medicação de substituição diária, até pelo menos à idade da menopausa? Foi então que recebi um mail de um amigo e tomei conhecimento da Embolização, um método muito eficaz, sem complicações, de rápida execução e recuperação. Marquei de imediato consulta e uma vez verificada a viabilidade para a intervenção, resolvi aceitar o desafio, fiz, sem qualquer tipo de dúvida, uma inquestionável opção, investindo na saúde e na qualidade de vida. O procedimento foi rápido, indolor e sem consequências. Entrei de manhã e saí ao final do dia pelo meu próprio pé, estive os seguintes três dias em casa, um fim-de-semana alargado em descanso e na 2ª feira seguinte voltei ao trabalho, normalmente. O Profº. Martins Pisco e a sua equipa são excelentes profissionais, interessados, competentes, atentos e prestáveis, que me orientaram durante todo o processo, quer dando informação verbal e escrita, quer telefonando para saber da progressão durante toda a recuperação. Hoje, passados 3 anos, no relatório da última Ressonância Magnética aparece escrito, e passo a citar, “O fibromioma dominante, antes da embolização das artérias, foi muito provavelmente expulso, identificando-se apenas o seu pedículo que apresenta uma isquemia de cerca de 90%”. Por outras palavras livrei-me de vez do mal e a minha vida voltou ao normal, sem dor ou qualquer outro tipo de desconforto mensal ou preocupação adicional na altura do mês mais “problemática” para uma mulher. Recomendo a todas as mulheres que tenham fibromiomas, ou outra qualquer patologia compatível com este procedimento que o façam, sem qualquer tipo de receio, amigas minhas têm sempre que saber o que se passou comigo. Agradeço imensamente ao Profº. Martins Pisco e à sua equipa de médicos, enfermeiros, técnicos, administrativos e auxiliares, que me fizeram sempre sentir em “casa” com todo o apoio e carinho que demonstraram ao longo destes três anos de acompanhamento. Ganhei com certeza o que procurava “saúde e qualidade de vida”. Muito obrigada e beijinhos para toda a equipa.
M.P. – EAU – 1381 – Como testemunho, quero deixar aqui o meu muito obrigado ao Professor Doutor Martins Pisco e à sua equipa por me terem restituído a minha qualidade de vida. Fiz a embolização a 24 de Setembro de 2012 e este Verão numa consulta de rotina com o Prof. Martins Pisco, após ter efetuado os exames necessários, foi-me dada a grande notícia que os miomas que logo no primeiro exame estavam reduzidos a quase 90%, tinham desaparecido praticamente por completo. as palavras do Professor foram” Pode esquecer que teve miomas, vai fazer de conta que nunca existiram”. O meu sorriso não ficou só nos lábios, ultrapassou a alma. Para quem tem uma profissão como a de bailarina, ninguém imagina o que é passar o tempo todo com um cansaço extremo provocado por uma anemia que se arrastava à anos devido aos miomas. As hemorragias que pareciam que não tinham fim, o incómodo, as dores, a quantidade de vezes que tinha de ir à casa de banho. Após um dia da embolização, apesar de ter algumas dores, o cansaço, acreditem ou não, desapareceu por completo, foi uma sensação tão estranha de leveza, que nem parecia verdade. Tudo o resto voltou ao normal em dias que parecia mentira. Quando o meu ginecologista me disse que teria de tirar o útero, pensei que o meu mundo tinha acabado naquele momento. Por isso e por tudo de bom que me aconteceu, tenho de agradecer ao Prof. Dr. Pisco por todo o empenho e dedicação. O meu grande OBRIGADO
S.E. – EAU 1452 – Conforme combinado envio em anexo o Questionário após os 18 meses de Embolização, em relação à Ressonância Magnética não a fiz após os 18 meses de Embolização por bons motivos, estou grávida de 4 meses e meio e por isso a médica ginecologista não permitiu. Fico muito agradecida pelos cuidados prestados e pelo contacto da ginecologista Dr.ª Anabela Cardoso, que se revelou bastante atenciosa também. Não sei se depois da gravidez devo fazer a Ressonância Magnética ou esperar pelos 36 meses? Gostaria que me desse instruções nesse sentido.
A.R. – EAU 1569 –Venho por este meio informar-lhe que fiquei extremamente satisfeita com o inovador tratameto de fibromiomas uterinos realizado pelo professor Marins pisco e sua equipe. A operação decorreu rapidamente e sem qualquer atraso. Não tive qualquer tipo de problemas durante a recuperação, onde praticamente não tive dores, sendo que foi possível retomar a minha vida normal num curto espaço de tempo.Pois quando entrei em contacto com o pessoal do hospital, já estava desesperada o mioma maior que eu tinha, media 9,2 e tinha um volume de 321 cc. O último médico que me atendeu sugeriu-me a retirada do útero. E como pretendo fazer mais filhos, fiquei desesperada. Pesquisei na Net e descobri a maravilhosa equipa do Professor Dr. Pisco. Fui submetida a operação em Março de 2014. Regressei após os 6 meses,a Portugal para fazer a revisão, e tive a óptima notícia dada pelo Professor Dr. Pisco, que as dimensões passaram de 9,2 a 6,8 com um volume de 161cc. Fiquei muito satisfeita e perguntei ao Dr. Se lhe poderia dar um abraço, e ele respondeu -me carinhosamente que sim. Hoje Janeiro de 2015, fui fazer uma écografia para saber como é que está tudo, e neste momento o mioma está com as seguintes dimensões 4,2 com um volume de 102 cc. Depois disso só tenho mesmo que agradecer. E tenho contribuído, passando a palavra as Mulheres da minha família e do meu Pais Angola, para que se submetam a embolização, caso tenham o mesmo problema que eu. Pois ainda há esperança para nós. Considero que a experiência foi também muito positiva devido à forma como fui tratado por todo staff do Hospital. Espero que continuem a realizar um excelente trabalho durante muitos anos com técnicas inovadoras em prol do bem-estar dos seus pacientes. o meu Muito Obrigado.
H. G. – EAU 1598 – Boa tarde, junto o texto que tanto prazer de deu a escrever como forma de agradecimento! Mais uma vez Muito Muito Obrigada! ‘Todos os anos, cerca de 6000 mulheres são intervencionadas nos nossos hospitais públicos, para remoção do útero pela presença de miomas… Todos os anos, cerca de 6000 mulheres recebem como sugestão dos seus médicos ginecologistas, a retirada do órgão representativo da sua feminilidade, da criação… Estes números continuam a tilintar no meu inconsciente! Por ter estado tão próxima deles! Sofria há alguns anos de miomas (tumores benignos) que, por razões médicas desconhecidas, aumentaram exponencialmente até atingir 10 centímetros… meio palmo… maior que uma bola de andebol! Na medicina convencional nada havia a fazer, e recorrer à histerectomia para retirar tudo, que segundo palavras do ginecologista que há muito me seguia, é ‘’algo que os médicos adoram’’. Esta mutilação gera riscos à mulher que eu não estava preparada para sofrer. Recorri, assim, à medicina alternativa (de acupuntura, a homeopatia e biomagnetismo) que me ajudaram a estagnar o crescimento. Admito que os miomas nunca foram impedimento de fazer a minha vida normal. No entanto, o peso no baixo-ventre e as idas à casa-de-banho eram uma constante. Pior era explicar aos mais curiosos o porquê do aumento abdominal como se grávida estivesse. Dez centímetros representariam uma gestação de cerca de 16/18semanas (aquela fase de dúvida se a mulher está gorda ou grávida) e encontrando-me em idade fértil, seria espectável a dúvida! O verão de 2013 foi passado a dormir – literalmente! Recordo-me de ter falhado muitos acontecimentos e momentos, mas estava a alimentar algo que me retirava toda a força anímica e me conduzia a uma anemia severa… não tinha forças para nada! Recorrendo ao ginecologista, fui aconselhada a tomar um medicamento que me provocou uma urticária no corpo todo e consequentes danos no fígado – fui orientada por dermatologista a deixar o medicamento naquela hora. Provocou-me uma ânsia de saber e pesquisa. E quem procura, sempre encontra! Cruzei-me com o conceito de ‘’embolização uterina’’. Descobri ser um tratamento inovador e pouco conhecido em Portugal, mas que recebia prémios no estrangeiro. Fui recebida pelo próprio médico, o Dr. João Pisco (o único a praticar este método num hospital bem no coração de Lisboa, St. Louis, desde 2004) com uma mensagem simples e directa: pelos exames, esta seria a única solução de me salvar de uma histerectomia. No prazo de três meses para realização de exames de diagnóstico, estava a informar os meus médicos da minha decisão. Apercebi-me que na especialidade de ginecologia não era uma operação de sucesso (até porque lhes retirava o prazer do bisturi) e por isso, eram os próprios a não informar os seus pacientes deste tratamento. Em Junho de 2014, preparava-me para um processo inclusivo (onde o ginecologista é convidado a assistir). Um tratamento sem bisturi, com recurso a apenas uma pequena sonda, que iria entupir com partículas microscópicas as veias que alimentavam os miomas. Saí do hospital sem marcas ou cortes no corpo que indicassem a intervenção a que tinha sido submetida. Seis meses depois e após exames, o diagnóstico comprova a diminuição em 50% do volume dos miomas, num processo que continuará por tempo indeterminado. Mas o número 6000 continua a tilintar, e anseio que este tratamento chegue a todos! É possível não recorrer a uma mutilação tão contranatura como a histerectomia! Basta passar a mensagem!”

M.C.S. – EAU 1483 – Olá a todos, venho por este meio decorridos cerca de 19 meses após a submissão ao processo de embolização de miomas uterinos, testemunhar a evolução da minha situação. Relembrando:  Tinha 3 miomas, sendo 2 Intramurais e 1 submucoso. Actualmente não tenho nenhum. Recuperei a minha forma fisica, as anemias constantes deram lugar a valores normais, passei a ter qualidade de vida e com um nível indescrítivel por palavras. As hemorragias, as constantes mudas de roupa, a insegurança no dia-a-dia, o mau estar, a sempre presente hipótese de mais uma cirurgia geral para histerectomia a somar a outras de outro cariz que já tinha sido sujeita, são agora tudo coisas e momentos que já não se colocam. Em boa hora tomei a iniciativa desesperada de me apresentar no consultório da minha fantástica ginecologista Dra. Marcela Forjaz que me colocou várias hipóteses em cima da mesa, uma delas a Embolização. E em melhor hora ainda contactei o Prof. Pisco que me colocou ainda mais hipóteses sendo uma delas, dado a idade a de antecipar pelo método da embolização a eminente menopausa. Um Grande Bem Haja ao Prof. Doutor Martins Pisco, à Dra. Marcela Forjaz e a todos que exercem a sua profissão da mesma maneira.   Cabe a todos que somos testemunhos vivos da eficácia da técnica divulgar e espalhar no nosso círculo de amigos, familiares e contactos para que mais mulheres sejam aliviadas de um sofrimento perfeitamente escusado.

 T.P. Z. – EAU 1642 – Caríssimo Dr. Pisco,

É com grande satisfação que escrevo este email, pois passados já quase três meses

desde que fui submetida a embolização, quero informar-lhe que sinto já uma ligeira

melhoria.

Os sintomas anteriores ao procedimento estão a reduzir consideravelmente, o fluxo

menstrual já não é tão intenso, já não vou urinar com muita frequência e até sinto

que o volume do fibromioma diminuiu!

Queira aceitar os meus melhores cumprimentos!

H.N. EAU 1168 – Escrevo-lhe este e-mail para expressar, a si e à sua equipa, toda a minha gratidão pelos resultados obtidos na embolização que, em boa hora, decidi fazer no Hospital de S. Louis, no passado dia 23  de Maio de 2011. O seu nome e a existência dessa intervenção foram-me referenciadas pelo meu médico assistente, Dr. José Manuel Moisão. Durante muitos anos sofri de períodos menstruais muito longos e abundantes, com consequências graves na estabilidade dos meus baixos níveis de hemoglobina e de ferro (anemia crónica), para além de todos os incómodos para o meu dia a dia. O motivo dessas ocorrências eram os fibromiomas no meu útero. Até à minha primeira consulta consigo, única opção que me era dada era a intervenção cirúrgica para remoção do útero. Em todos os contactos que tive, consigo e com a sua equipa, tudo me foi claramente explicado sobre a embolização: o que ia acontecer e as probabilidades de sucesso e de evolução futura. A intervenção em si foi tudo o que me tinham dito: simples, rápida, antes de me dar conta já estava em casa. As consequências foram, a todos os títulos, excepcionais: os miomas reduziram-se imenso, os períodos menstruais normalizaram, em duração e em abundância. Em suma, a minha vida mudou radicalmente para melhor. Devo esse resultado à embolização, que tenho recomendado a todas as pessoas que conheço com problemas semelhantes. Uma vez mais, muito e muito obrigado ao Sr. Prof. Pisco e a toda a equipa que o acompanha por terem tornado a minha vida melhor. Se algum dia o Sr. Prof. precisar do meu testemunho pessoal, estarei disponível para o fazer. Bem haja

S.C.F.S. EAU 1671 – Fiz a embolização das artérias uterinas, na passada segunda-feira, dia 23/02/2015. Em primeiro lugar, quero agradecer a vossa atenção e acompanhamento da minha situação e dizer-vos que me tenho sentido muito bem ao longo desta semana: não tenho tido dores abdominais, tenho muito apetite, dormido bem, feito pequenas/médias caminhadas, socializado, etc.

P. I. F. EAU 1504 – Junto Relatório da RM Pélvica após 18 meses de embolização (RM 2015), bem como a realizada o ano passado (RM 2014), para comparação.   Estou muito satisfeita com o tratamento que fiz, o meu fluxo menstrual reduziu bastante logo na primeira menstruação após a embolização e assim se tem mantido. A minha qualidade de vida melhorou consideravelmente.

M.M.L. EAU 1469 -Fiz embolização 03-06-2013, em abril de 2014 engravidei tendo o bebe nascido há cerca de 1 semana.

 

Peço desculpa só agora informar, só que tive uma gravidez de risco e estava com medo que a mesma não chegasse ao fim.


Desde já agradeço ao Professor João Martins Pisco, por me ter ajudado a realizar o meu grande sonho que era ser mãe.

M.J. EAU 1620  –  Há nove meses tive a notícia de que tinha fibromiomas de dimensão considerável. Por aquilo que li e que entretanto me apercebi, tive a sorte da minha médica ginecologista ter indicado imediatamente o Prof. Martins Pisco e o Hospital de St. Louis, sem sequer me ter indicado ou aconselhado a retirada do útero, o qual procurei de imediato. Agora, passados seis meses do tratamento por embolização, tive a grande notícia de que os fibromiomas reduziram para metade do seu volume. Depois de enviar os exames, o Prof. Martins Pisco ligou-me a dar as boas novas. Quero agradecer-lhe publicamente, a ele e à equipa, pelo projeto, pelo empenho e pelo sucesso e pela esperança que me dá e pode dar a tantas mulheres. Um abraço muito amigo para si e para toda a sua equipa.

P.M. EAU 905-52 – Acabei por conseguir ter mais um filho após ter sido tratada por si, ainda que tenha tido dois abortos antes.

 Cheguei às 41 semanas de gravidez e o parto foi provocado, mas  como não fiz dilatação foi feita cesariana.

A minha filha  nasceu no dia 25 de Outubro de 2014 no hospital de Portalegre e pesou 3560 g.

C.S. EAU 1654- No passado dia 22 de Dezembro de 2014, efectuei a embolização de vários miomas no útero. O pós-operatório decorreu muito bem e hoje passado quase 5 meses da intervenção posso dizer que a minha qualidade de vida melhorou consideravelmente, uma vez que as hemorragias menstruais diminuíram bem como o volume abdominal

C.C. – EAU 1242 –Embolização e Gravidez de Sucesso aos 45

Gostaria de começar por dizer que todo o processo aconteceu de forma muito eficaz e sem ansiedade. O Hospital Saint Louis tem, de facto, uma excelente equipa, liderada pelo Prof. Martins Pisco. Tomei conhecimento deste tratamento inovador através da minha médica ginecologista, no Porto, quando a informei, aos 40 anos de idade, que pretendia engravidar. Saudável e com boas perspetivas, os fibromiomas uterinos, apesar de vigiados, constituiriam um sério risco em caso de gravidez.  Agendei uma consulta com o Prof. Pisco. Foi marcado o dia da cirurgia. Entrei e saí do hospital no mesmo dia. Senti confiança e conforto durante todo o processo. Durante a própria cirurgia, troquei impressões com o Prof. Pisco, visto tratar-se de anestesia local.  O pré e o pós-embolização aconteceram com imensa atenção ao pormenor e cuidado pelo bem estar do paciente. Tenho um seguro de saúde, mas se não tivesse, recorreria na mesma a este tratamento porque parece-me ser o que apresenta menos riscos para o útero. Uma história longa resumida, aos 45 anos tive uma bébé saudável e linda, que nasceu com 3,035 kg, por cesariana programada, às 39 semanas de gestação. A gravidez correu muito bem , sem quaisquer problemas. A Melinda já é o orgulho dos papás. Muito obrigada, Prof. Pisco!

A.P.C. – EAU 1637 – Confesso que não foi uma decisão fácil, mas neste momento posso afirmar que foi a melhor opção. As hemorragias reduziram substancialmente, o útero foi preservado e a houve uma melhoria da minha qualidade de vida. Pude comprovar com o resultado da ressonância dos 6 meses que a intervenção foi muito bem sucedida. Aconselho a todas as mulheres que tenham o mesmo problema, a não hesitarem e a optarem pela embolização para o tratamento de miomas. Sou mais uma das pessoas que está a ter oportunidade de comprovar a sua eficácia. Resta-me agradecer ao Dr. Pisco e à sua equipa, o desenvolvimento desta técnica inovadora e alternativa, cá em Portugal

M.L.J. EAU 1619 CCI24072015 T.M. EAU 1495 – “Boa Tarde dr., em Agosto de 2013 fui submetida a uma embolização, volvidos 6 meses regressei e constatámos que tinha sido bem sucedida tendo o mioma sido explido na sua totalidade. Hoje tenho a alegria de lhe informar que estou grávida de 8 semanas e meia tendo tido a minha primeira consulta onde vi através de ecografia o meu bébé e já ouvi o coração dele a bater. Assim deixo o meu testemunho de sucesso graças a si e a toda a sua equipa incansáveis e  que muito me ajudaram. Um bem haja a todos! Tenho dado e continuarei a dar as melhores referências do vosso trabalho. Mais uma vez um sincero Obrigado!” Hoje tenho a alegria maior deste mundo em testemunhar o nascimento do meu filho às 36 semanas no dia 22 de Setembro às 4:41h (o parto estava previsto para 16 de Outubro, apressou-se) foi um parto normal sem recorrer a ferros nem a cesariana o bebe está muito bem pesou 2.565Kg e mede 46cm tivemos alta hoje tudo normal, está se alimentando com leite materno, mais um tratamento de sucesso da sua equipa fantástica. Mais uma vez os meus mais sinceros reconhecimentos. Recomendo sempre que oiço falar o vosso hospital e continuarei a faze-lo pois o trabalho é muito bom! Em anexo mando umas fotografias, com os melhores cumprimentos;

C.R.C.A  – EAU 933.7

                                               MULHERES MIOMAS TÊM TRATAMENTO ! CHAMA-SE EMBOLIZAÇÃO !                    NÃO NECESSITAMOS TIRAR O ÚTERO Resolvi contar a minha história na esperança que ela chegue ao maior número possível de mulheres, pois fico indignada cada vez que ouço uma mulher dizer que retirou o útero (ou melhor, extirparam-lho) porque tinha MIOMAS! Que BARBARIDADE! Decorria o ano de 2007 quando, com 47 anos de idade, decidi ter um filho. A primeira coisa a fazer naturalmente, é um check-Up geral para ver se está tudo bem. Na ecografia pélvica o médico olha para mim e diz-me “ você tem o útero que parece um saco de batatas” assim mesmo, a frio, sem tirar nem por. Como podem imaginar caiu-me tudo…. Era uma pessoa perfeitamente saudável até á altura, nunca tive de que me queixar, Graças a Deus, fui fazer todos os exames, porque  era importante na minha já avançada idade para ter o primeiro filho mas sempre confiante que estava tudo bem. SURPRESA! Tinha o útero cheio de MIOMAS! Pequeninos,  disse o médico, mas muitos. Marquei de imediato consulta no meu ginecologista para saber o que deveria fazer: “TIRAR O ÚTERO” disse o médico, “Já não está aí a fazer nada”. Já não me caiu nada porque já me tinha caído tudo. Como não há nada melhor que um dia a seguir ao outro, no outro dia já estava com outra cabeça e como sou uma pessoa que não aceito qualquer coisa que me digam sem perceber porquê, perguntei: Doutor porque é que eu tenho que tirar o útero? Os miomas são malignos? Não se podem tratar? Os miomas não são malignos respondeu, mas você já não vai ter filhos e por isso ele não está aí a fazer nada o melhor é tirar! Não me convenceu. Pensei: Se os miomas não são malignos, porque é que eu hei-de estar a tirar o meu útero? Não, não Quero tirar o útero. Procurei mais dois médicos, Prof`s Dr`s, muito conceituados na praça, paguei os olhos da cara e responderam-me a mesma coisa “ISSO É PARA TIRAR”. Antes de ir a estas duas consultas e com a minha insatisfação sobre a forma como me queriam resolver o problema dos miomas, comecei logo a investigar na Net. Após dias de investigação, descobri que o Brasil já tem há mais de 20 anos um Instituto de tratamento dos miomas. Reparem bem , um instituto que só trata miomas. Fantástico! Aí está a minha solução e pensei, se já fui ao Brasil para passear, mais depressa vou lá tratar dos miomas! Este Instituto tratava os miomas com uma técnica chamada de EMBOLIZAÇÃO, relativamente simples e eficaz mas o Brasil não é aqui ao lado e o tratamento também não era nada barato… Decidida a fazer a Embolização, procurei obter mais informações sobre a técnica, para perceber o que era exactamente e que riscos poderia correr. No decorrer das minhas investigações deparo-me com uma informação fabulosa que me deixou nas nuvens! Então não é que nós temos cá em Portugal um médico que é tão somente o mais conceituado no Mundo a fazer a técnica da Embolização? Este Médico chama-se JOÃO MARTINS PISCO e dá consultas no HOSPITAL DE ST. LOUIS, na Rua Luz Soriano, 182 em lisboa (Ao cimo do Bairro Alto). Claro que marquei logo uma consulta. O Sr. Prof é uma pessoa extremamente simpática e acessível . Explicou-me toda a técnica associada ao procedimento , informou que já ia nas cerca de 800 mulheres com o tratamento feito e sem quaisquer problemas, a não ser o nascimento dos seus tão desejados filhos ao fim de nove meses. QUE MARAVILHA! Mulheres, de todas as idades, que não conseguiam engravidar por causa dos miomas e que, após o procedimento, aí estavam elas felizes da vida a dar á Luz os seus tão desejados ” rebentos”! Claro está que, se fosse na conversa dos outros Srs Drs, que, ou por desconhecimento da técnica, ou por conhecimento apenas teórico, ou porque não lhes interessava deixar de ganhar cerca de 7.000€ com a operação para extirpar o útero, nenhum, em tempo algum, me deu a mais pequena informação sobre a Embolização! INCRÍVEL! A técnica da embolização , como exames prévios, exige as corriqueiras análises ao sangue e urina e uma ressonância magnética para se ver onde estão os miomas. O procedimento é feito com anestesia local, faz-se um corte de 1cm (ou talvez menos já não posso precisar) que nem pontos leva, na virilha direita, por onde entra um cateter que vai pela aorta abdominal até aos miomas, um a um, corta-lhes a circulação do sangue, eles murcham e morrem. O procedimento demora cerca de meia hora, está a ser visto num ecran, ao mesmo tempo que, no meu caso, ia fazendo alguns comentários com o médico. E JÁ ESTÁ! LIVRE DOS MIOMAS SEM TIRAR O MEU ÚTERO! O pós-operatório é simples, vai para o recobro algumas horas, algumas mulheres têm umas dorzitas, outras, como as lá vi, parecia que tinham ido fazer compras á loja das meias! Frescas que nem uma alface. Mais informo, que o Hospital de St. LOUIS e mais particularmente o Sr. Prof. Martins Pisco é constantemente visitado pelas equipas médicas da Clinica Mayo, uma clinica Americana das mais conceituadas na América e no Mundo, para com ele aprenderem a técnica. Outras equipas de outros países, vêm ao Hospital de St. LOUIS para o mesmo fim, e também o Sr. Prof. viaja constantemente por todo o Mundo a convite de várias instituições, hospitais, clinicas, etc, para ensinar a técnica da Embolização na qual ele é o especialista mais conceituado. Muito Obrigada Dr. Martins Pisco Com Muita Admiração

R.N.F – EAU 1688 – PARABÉNS! A si, a mim, a toda a equipa do Hospital Saint Louis! Não há melhor forma de começar este testemunho. Faltam-me palavras, saber ao certo por onde começar e ao certo o que dizer. Não tenho palavras para agradecer Prof. Martins Pisco. O dia de hoje marca um importante senão, e arrisco dizer só com os meus 26 anos, o melhor momento da minha vida! “A sua operação foi um sucesso” marcar-me-á enquanto mulher e significará, de hoje em diante, vida. A minha jornada começou há 6 anos e, imagine-se, tenho apenas 26, um caso raro por esta idade. Ouvi de tudo um pouco, mas sobretudo que não tinha alternativa: histerectomia. Muitas consultas, muitas lágrimas e muito desespero. Felizmente também me cruzei com médicas crentes na alternativa, que acreditaram que a técnica de embolização uterina podia ser a melhor solução. E foi! Digo, acreditando que a minha voz possa ir longe, a todas as milhares de mulheres que sofrem em silêncio e que desconhecem esta solução: procurem sempre alternativas, informem-se e recusem aceitar trocar os vossos desejos por uma imposição médica. A 5 de maio de 2015 submeti-me, com receio, confesso, a esta técnica pouco aceite pela comunidade médica, infelizmente. Hoje, 27 de outubro de 2015, seis meses depois deste tratamento, posso dizer, sem incertezas, que foi a decisão mais acertada da minha vida! A todas as mulheres que tenham dúvidas, arrisquem. Lembrem-se que “o maior juiz dos seus actos deve ser você mesmo e não a sociedade. Aprenda as regras e quebre algumas” (Dalai Lama). OBRIGADA, com todo o meu coração!  

A.M. EAU 1655 – Venho informar com muita alegria que estou gravida de 4 meses. Tenho sido acompanhada pelo meu medico e fora uns pequenos sangramentos no primeiro trimestre tem tudo corrido muito bem. Apesar dos miomas ainda existirem o quadro eh bem mais encorajador do que era antes da embolizacao feita em Dezembro do ano passado.   Queria mais uma vez agradecer a equipa do Hospital St. Louis pelo profissionalismo e atencao com que fui tratada. Mal posso esperar para ter o meu filho/a nos bracos.

E.M. EAU 1679- Fiz embolização uterina em Abril de 2015 e estou muito feliz com os resultados (Os mimos reduziram em mais de 80%). Há 10 anos que andava a “lutar” com os médicos ginecologistas porque me recusava a retirar o órgão em que eu acredito que seja o centro da energia feminina. Estarei eternamente agradecida ao Prof. Pisco.

 M.S. EAU 388Estou há vários meses para lhe escrever e dar-lhe uma notícia que sei que o deixará muito feliz.

Voltando um pouco atrás no tempo de forma a contextualizar a boa nova, relembro-lhe que fiz EAU em 22-03-2007, 388.ª embolização. Fui o 11.º caso de gravidez pós EAU (Matilde, nascida a 06-08-2008) e o 32.º caso de gravidez, com um 2.º filho pós EAU (Zé Diogo, nascido a 23-02-2010).

Tenho feito ecografias regularmente e o meu útero continua a produzir miomas, tenho vários mas de tamanho insignificante. Ah! E tenho também os calcificados graças à EAU.

A boa nova é que passados estes anos engravidei outra vez, não foi planeado e tive o meu 3.º filho, o Zé Artur, a 31-01-2015 sem qualquer problema relacionado com os miomas.

Tenho a família que sempre quis, 3 filhos lindos, saudáveis e que eu continuo a chamar os “filhos da embolização”.

M.C.B. EAU – 1704 –  Boa tarde Doutor, venho por este meio informar o seguinte: depois da embolização das artérias uterinas em Julho de 2015, já não tenho as hemorragias e as dores que tinha quando aparecia o período menstrual ( havia meses que ficava 20 dias ou mais a menstruar e eram grandes quantidades de sangue que até saiam com grandes bolas que pareciam pedaços de carne). Foram tempos horríveis para mim. Atualmente, tenho 38 anos, sou mãe de 2 lindas meninas (12 e 3 anos de idade) e como qualquer mulher em idade fértil, penso ter mais filhos. O meu ginecologista disse-me que não poderia engravidar com os miomas que tinha, senão teria abortos espontâneos. Para que tivesse uma gravidez até ao fim sem qualquer problema, teria de me operar, abrir tipo cesariana para remover os miomas e teria de ficar 1 ano a recuperar e só depois pensaria em ter filhos. Fiquei muito triste porque as minhas filhas tive partos normais e porquê que ele iria fazer uma abertura na minha barriga? Eu não quis. Certo dia, conversei com uma amiga e explicou que uma conhecida dela, teria vindo de Luanda com problemas de não conseguir engravidar por causa de miomas, e que havia um Hospital que usava um método sem abrir. Para mim, foi uma alegria ouvir isso; pesquisei na net e marquei na mesma semana uma consulta e depois de alguns dias fiz a embolização. Os miomas ( 1 desapareceu e o outro está morto). Graças a este método, não tenho nenhuma marca, o período regularizou (4 a 5 dias) e sou uma mulher feliz. Estou muito grata por tudo o que o Doutor fez por mim e também agradeço a equipa maravilhosa que tem. Prometo que quando estiver grávida, irei avisar. O Doutor devolveu-me a alegria e isso jamais irei esquecer. O meu muito obrigado por tudo.

M. P. EAU 1758 (07-12-2015) – Bom dia Professor Pisco,

na sequência do seu contacto telefónico, escrevo-lhe para lhe dizer o quanto fiquei contente por o meu corpo ter reagido bem à intervenção cirúrgica. Acho que não estou a acreditar. Durante tanto tempo, fizeram-me acreditar e eu própria assumi que EU não tinha solução, que o MEU CORPO não tinha solução… que quando me disse que tudo estava bem, que os miomas e o meu útero tinham diminuído de tamanho, que podia estar descansada daqui para o futuro, de certa forma, não acreditei. Não acreditei que pudesse ser verdade… acho que no fundo ainda não acredito. Espero que o meu corpo não arranje forma de me “pregar uma partida” e que quando lhe ligar seja simplesmente para lhe dar uma boa notícia. Muito obrigada por tudo e continuação de um bom trabalho.

A.M.V.G. EAU 1719

CCI05092016 CCI05092016_0001 CCI05092016_0002 CCI05092016_0003

 

F.M. EAU 1972 – Passou-se 6 meses desde da minha Embolizacao ao mioma, exames revelam que resultado é excelente. Trata se de uma tecnica inovadora ,menos invasiva que a cirurgia. Quis deixar este post no face, sei que ha muitas mulheres em idade fértil  Com o risco de nao poder vir a ter filhos se nao terem conhecimento desta tecnica. Infelizmente os ginecologistas que deveriam defender a vida; muitos poucos apoiam a Embolizacao .Na minha idade ainda menos. Fiz no hospital saint Louis em Lisboa com Dr. Martins Pisca. Estou lhe muito grata por me ter atendido em urgência. E salvei meu Utero. o Sagrado feminino.

Estou ao dispor de qualquer mulher para partilhar minha experiência.

Para os homens ha uma tecnica similar para o tratamento a próstata

Bem nem sei por onde começar.. Hoje foi um dia com sabor de vitória! Passados 6 meses após a embolização uterina da minha mãe os exames revelaram que o problema ficou resolvido!

Quero aqui divulgar com vocês (mulheres) minhas amigas, colegas, conhecidas, esta técnica inovadora (pouco conhecida) no nosso país para tratamento de miomas uterinos para que todas nós possamos ter conhecimento dela e quem sabe vir a ajudar alguém que esteja nesta situação e desconheça o método.

Para quem não sabe: os miomas são tumores benignos que surgem no orgão reprodutor da mulher (útero) em todas as idades em que os seus sintomas na maioria dos casos caracterizam se pelas hemorragias abundantes não controláveis e dores fortes no abdómen, entre muitos outros.. Acontece que, em qualquer hospital, ou ginecologista que examine este problema numa mulher a solução apresentada é: Histerectomia – cirurgia bastante invasiva de remoção completa do útero e ovários da mulher- ou seja limpam nos sem querer saber de mais nada e resolvem assim o problema. Recuperação aproximadamente: 3/4 meses e em alguns casos deixa sequelas psicológicas na mulher p/toda a vida. O que me chocou foi saber que a maior parte destes médicos têm conhecimento deste método inovador mas não são capazes de o partilhar com as mulheres que sofrem desta patologia, o que as obriga a seguir o caminho mais difícil.

Vivi com a minha mãe este pesadelo e vimos nos num beco sem saída até descobrirmos esta técnica que deveria ser do conhecimento geral e disponível a todas as mulheres: a embolizaçao. É uma técnica minimamente invasiva , de anestesia local, demora cerca de 1.30h e a maioria das pacientes têm alta no próprio dia.

Quero aqui deixar o meu eterno agradecimento ao Dr. Pisco e a toda a sua equipa do Hospital Sao Luis por ter salvo a minha mãe! Um bem Haja!

Aproveito também o momento para informar que esta técnica é utilizada nos homens que sofrem com problemas na próstata.

A.M. EAU 1655 –Informo que o meu filho nasceu no ultimo dia 24-05-2016, com 3,695 kg de parto cesariana com 39 semanas e 4 dias.

A data da minha embolização foi 21 de Dezembro de 2014 e engravidei em Agosto de 2015 de forma natural, exatos 9 meses após o procedimento.

Obrigada por tudo e continuem a realizar o sonho das mulheres que ainda desejam ser mães.

S. EAU – 1738 Bom dia Dr. Pisco,

Sim, já engravidei. E quando aconteceu, em Julho, enviei-lhe um e-mail a informar, inclusive a solicitar que me esclarecesse algumas dúvidas.

Por outro lado, devo dizer que já tenho 21 semanas de gravidez e que até agora, graças a Deus, os miomas não aumentaram de tamanho, era o que eu mais temia.

Agradeço pelo interesse e por ter feito algo tão maravilhoso como o procedimento de secar os miomas. O sucesso do mesmo, sem dúvidas, foi o trampolim para que eu voltasse a engravidar.

Muito obrigada e que Deus o abençoe e o proteja.

D.Q. EAU-1800

Excelentíssimo Prof. Dr. Martins Pisco,

A minha operação correu bem graças à Deus! Não tenho palavras para agradecer a si e a toda equipa médica do hospital Sant Louis que fizeram parte da minha operação. Pois foram muitos anos de sofrimento… Mas hoje estou muito contente no fundo do meu coração. Um bem haja a todos!

A.D.A., 31 anos  EAU= 1255 (12-12-2011)

Bom dia Dr. Prisco,

Daqui é a Anabela Dias Afonso da Costa, fiz a embolização em Dezembro de 2011, já liguei algumas vezes para dizer como estou.

Graças a Deus e o Dr. e sua equipa, estou bem e por razões financeiras não faço as revisões conforme a V/ recomendação, mas tenho feito consultas de Genecologia para controlar os miomas. Em 2012 engravidei, foi antes do tempo recomendado pós embolização, mas tive um aborto espontâneo, em Dezembro do mesmo ano volto a ficar gravida da minha pequena Rafaela que é um anjo de criança.

Tenho recomendado algumas pessoas que o procurem para fazerem o tratamento com o Dr. Prisco. Só tenho a agradecer por tudo, assim que a situação aqui melhorar financeiramente eu vou para Lisboa pra fazer a revisão.

 

Partilhe este conteúdo

Comentários: 32

  1. Maria A. Lobo says:

    Dr. Pisco, fiquei muito feliz com os depoimentos de sucessos no tratamento de embolizaçao.
    Tenho 27 anos, sou casada a um ano e tenho uma duvida muito grande ainda em relação a este assunto, sobre até que tamanho de miomas podem ser feito o processo de embolização, e sendo os miomas fora do útero esse procedimento dá certo ou não?
    Tenho 3 miomas, 1 sei bem que é subseroso, e os outros dois um na parte superior e o outro na parte inferior…
    O maior já mede quase 9 cm e os demais estão entre 2,5 a 3,0 cm.
    Existe ainda solução para o meu problema?

    Att,

    M.A.Lobo

  2. Marinalva Francisca da Silva says:

    Descobri que tenho mioma agora pouco, e nunca tive filho, como posso fazer a embolizacao, se nao no hospital na cidade onde moro.

  3. Elaine Cristina de Oliveira Cerqueira says:

    Olá Dr. Fiz a embolização agora em janeiro/2012 e graças a Deus deu certo, porém só fiz pq tenho uma vontade imensa de ter outro filho, mas fiz exames recentes que indicam que entrei na menopausa e tenho apenas 37 anos, gostaria de saber se existe alguma forma de reverter essa situação, ou se ainda pode ser que meus ovários voltem a funcionar e eu volte a menstruar?
    Eu estou chateada pois quero muito outro filho.
    Nao sei o que fazer!!!!

    Att,

  4. edilene says:

    esses sepoimentos são fantasticos,gostaria de saber se quem teve polipo endometrial de 3cm e retirou através de videohisteroscopia e continua com útero crecendo com volume de 193cc pode ser tratada com embolização?
    Me falem algo sobre isso. Obrigada.

  5. Zélia Carvalho says:

    Recorri a esta técnica, porque a minha ginecologista não me recomendava a cirurgia, pela localização do mioma (encostado ao canal endométrio) e porque esse mesmo mioma, me impedia de ser mãe. Apesar de a 1ª embolização não ter resultado como se pretendia, decidi repetir o tratamento e em menos de um ano, engravidei. Hoje tenho uma filha linda
    Agradeço ao Professor Pisco e toda a sua equipa.

  6. Ana Teixeira Nunes says:

    Tenho três miomas e depois de alguma pesquisa cheguei à conclusão que a embolização traduz-se num bloqueio de sangue aos miomas. Isto não leva à necrose deles? Não surgirão complicações no futuro?

  7. Matilde dos Santos Monteiro says:

    Boa noite,

    dado o adiantar da hora e as minhas constantes necessidades de ir á casa de banho…..não me vou alongar muito, já à pelo menos 4 anos tenho andado por diferentes ginecologistas….nenhum me resolveu o problema dos períodos demasiados longos, em que chego a usar fralda…. sinto.me muito triste. . .gostava que me enviassem contato para marcar consulta com o Dr. Martins Prisco….foi um anjo que me iluminou nas minhas pesquisas…..vou contar um pouco da minha história…. tive um linfoma à 11 anos atrás, continuo a ser seguida nos HUC porque tenho os parâmetros da ferritina, a hemoglobina e o ferro baixos, tomei mesmo comprimidos de ácido fólico e ferro para tentar aumentar estes parâmetros sanguíneos….o que me provocaram muito mal estar ao nível do estômago…..com a alteração da médica que me acompanhava sugeriu-me a consulta de ginecologia e aí nessa consulta foi-me retirado um pólipo em necrose….. receitaram-me duphaston, que me causou a formação de uma auréola em torno do meu peito direito….. deixei de tomar e ela está quase a desaparecer….desde então melhorei um pouco das hemorragias durante o período…..à cerca de um mês fui à urgência porque tinha muitas dores no baixo ventre acompanhadas de muitas flatuações, e o período não me vinha à cerca de 3 meses…fizeram-me BCG achando que estava grávida, fizeram-me também uma ecografia vaginal onde me detetaram 2 miomas (um com 1,2cm e outo com 2 cm)……já não suporto tanto mal estar…..ajudem-me por favor…..muito obrigado

  8. elizabetep says:

    Marque consulta pelo telefone 213216557 e traga exames.

  9. Maria Fernanda says:

    Avanço notável da medicina.Fiz Embolização Uterina a 16 de Abril de 2012.
    Estou bastante satisfeita,valeu a pena.Pois os fibromiomas reduziram bastante.
    Excelente,recomendo esta técnica a todas as mulheres com este problema.
    È uma técnica inovadora,simples e que necessita de ser divulgada no nosso país.
    È uma técnica que evita a remoção do útero e proporciona qualidade de vida ás mulheres e hipóteses de virem a ter filhos.
    Ainda bem que para nós mulheres existe o Dr.Prof.João Martins Pisco.
    Agradeço ao Dr.Prof.João Martins Pisco e à sua equipa pela dedicação e empenho pela técnica.Muito obrigada por tudo e que Deus vos Abençoe.

  10. Fernanda Gonçalves says:

    Há quatro anos recorri ao Professor João Pisco para fazer a embolização. Tinha um fibromioma de 13cmx9cm e a minha vida era um tormento. Desde a embolização, ganhei qualidade de vida e de um ventre de grávida, passei a ter um ventre liso. Hoje, acabei de receber a noticia que o meu fibromioma está reduzido a 1,4cm. Muito obrigada Professor João Pisco. Deus o Abençoe a si e à sua equipa.

  11. Vera says:

    Gostaria muito de fazer, mas infelizmente na minha cidade Maringá, ninguém sabe o que é isso !

  12. Pina says:

    respondido por mail

  13. PRISCILA FERREIRA DOS SANTOS says:

    FIZ UMA EMBOLIZAÇÃO Á 3 MESES DE UM MIOMA DE 10CM E GOSTARIA DE SABER SE ELE DEMORA MUITO A DIMINUIR OU SE TEREI QUE REALIZAR O PROCEDIMENTO NOVAMENTE.

    ATENCIOSAMENTE,

    PRISCILA

  14. Pina says:

    Priscila,
    deve fazer ressonância magnética aos 6meses no mesma clinica onde fez a 1ª e enviar o relatório para avaliar.

  15. Marquinha Basto says:

    Bom dia Dr Pisco, tenho dois miomas, um subseroso de 8cm que esta calcificado e outro intramural de 3cm. Não tenho qualquer sintomas. Como me livrarei do mioms calcificado? Existe algum procedimento não invasivo para retir-lo?

  16. Pina says:

    vai ser respondido por email

  17. lourena says:

    boa tarde, tenho 31 anos fiz vários exames e ecografia detetaram 4 miomas médios e um grande k me da muitas dores e que é palpável. a minha médica disse k tenho de operar e tirar o útero mais eu ainda quero ter filhos, estou muito triste, por favor me ajudem. vivo em Angola, Luanda, ma tenho visto para Portugal até outubro.

  18. Manuela Pacheco N.º 1381 says:

    Como testemunho, quero deixar aqui o meu muito obrigado ao Professor Doutor Martins Pisco e à sua equipa por me terem restituído a minha qualidade de vida. Fiz a embolização a 24 de Setembro de 2012 e este Verão numa consulta de rotina com o Prof. Martins Pisco, após ter efectuado os exames necessários, foi-me dada a grande notícia que os miomas que logo no primeiro exame estavam reduzidos a quase 90%, tinham desaparecido praticamente por completo. as palavras do Professor foram” Pode esquecer que teve miomas, vai fazer de conta que nunca existiram”. O meu sorriso não ficou só nos lábios, ultrapassou a alma.
    Para quem tem uma profissão como a de bailarina, ninguém imagina o que é passar o tempo todo com um cansaço extremo provocado por uma anemia que se arrastava à anos devido aos miomas. As hemorregias que pareciam que não tinham fim, o incómodo, as dores, a quantidade de vezes que tinha de ir à casa de banho.
    Após um dia da embolização, apesar de ter algumas dores, o cansaço, acreditem ou não, desapareceu por completo, foi uma sensação tão estranha de leveza, que nem parecia verdade. Tudo o resto voltou ao normal em dias que parecia mentira.
    Quando o meu ginecologista me disse que teria de tirar o útero, pensei que o meu mundo tinha acabado naquele momento. Por isso e por tudo de bom que me aconteceu, tenho de agradecer ao Prof. Dr. Pisco por todo o empenho e dedicação.

    O meu grande OBRIGADO <3

  19. Antónia-1569 says:

    Venho por este meio informar-lhe que fiquei extremamente satisfeita com o inovador tratameto de fibromiomas uterinos realizado pelo professor Marins pisco e sua equipe.

    A operação decorreu rapidamente e sem qualquer atraso. Não tive qualquer tipo de problemas durante a recuperação, onde praticamente não tive dores, sendo que foi possível retomar a minha vida normal num curto espaço de tempo.Pois quando entrei em contacto com o pessoal do hospital, já estava desesperada o mioma maior que eu tinha, media 9,2 e tinha um volume de 321 cc.
    O último médico que me atendeu sugeriu-me a retirada do útero. E como pretendo fazer mais filhos, fiquei desesperada. Pesquisei na Net e descobri a maravilhosa equipa do Professor Dr. Pisco.
    Fui submetida a operação em Março de 2014. Regressei após os 6 meses,a Portugal para fazer a revisão, e tive a óptima notícia dada pelo Professor Dr. Pisco, que as dimensões passaram de 9,2 a 6,8 com um volume de 161cc. Fiquei muito satisfeita e perguntei ao Dr. Se lhe poderia dar um abraço, e ele respondeu -me carinhosamente que sim.
    Hoje Janeiro de 2015, fui fazer uma écografia para saber como é que está tudo, e neste momento o mioma está com as seguintes dimensões 4,2 com um volume de 102 cc.
    Depois disso só tenho mesmo que agradecer. E tenho contribuído, passando a palavra as Mulheres da minha família e do meu Pais Angola, para que se submetam a embolização, caso tenham o mesmo problema que eu.
    Pois ainda há esperança para nós.
    Considero que a experiência foi também muito positiva devido à forma como fui tratado por todo staff do Hospital.

    Espero que continuem a realizar um excelente trabalho durante muitos anos com técnicas inovadoras em prol do bem-estar dos seus pacientes.
    o meu Muito Obrigado.
    Darei Noticias.

  20. Sandra says:

    Fiz a embolização e entrei em menopausa com 38 anos, pergunto se essa cirurgia pode ser desfeita, se as particula que ocasionaram a menopausa podem ser retirada?

  21. Pina says:

    vai ser respondido por email

  22. Maria João says:

    Há nove meses tive a notícia de que tinha fibromiomas de dimensão considerável. Por aquilo que li e que entretanto me apercebi, tive a sorte da minha médica ginecologista ter indicado imediatamente o Prof. Martins Pisco e o Hospital de St. Louis, sem sequer me ter indicado ou aconselhado a retirada do útero, o qual procurei de imediato. Agora, passados seis meses do tratamento por embolização, tive a grande notícia de que os fibromiomas reduziram para metade do seu volume. Depois de enviar os exames, o Prof. Martins Pisco ligou-me a dar as boas novas. Quero agradecer-lhe publicamente, a ele e à equipa, pelo projeto, pelo empenho e pelo sucesso e pela esperança que me dá e pode dar a tantas mulheres. Um abraço muito amigo para si e para toda a sua equipa.

  23. Pina says:

    vai ser respondido por mail

  24. janete almeida says:

    ola! fiz a embolizacao ha 13 dias, e sofri muito com dores, fiquei 2 dias no hospital a base de morfina, e hoje estou com muita dor o dia inteiro na regiao da cirurgia, fora que me machucaram com a sonda, nunca senti senti tanta dor na minh vida!!! ja tinha feito 2 histerocopia e uma videolaparoscopia e nunca passei tanta dor.me ajude DR. pois pude ver que todas as mulheres tiveram uma otima pos embolizacao e uma recuperacao!!!!

  25. SONIA CRISTINA says:

    Olá tenho 42 anos e tenho miomatose uterina 311,cm3 está tecnica de embolização achei maravilhosa pode me ajudar, onde posso fazer o médico ginecologista disse que tenho que tirar meu útero mas não quero fazer está cirurgia, gostaria de saber se aqui próximo a minha cidade tem esse tratamento, moro em Andradina/SP.

  26. Pina says:

    vai ser respondido por mail

  27. Pina says:

    vai ser respondido por mail

  28. Gostaria de partilhar aqui o meu testemunho:

    http://primeirolimao.blogspot.pt/2016/01/embolizacao-uterina.html

    Obrigada Professor Pisco.

  29. luciana says:

    Olá tenho 38 anos fiz a embolização tem 2 meses menstruei no mês seguinte normal…Mas agora já faz 20 dia que minha menstruação não vem é normal…

  30. Pina says:

    Será respondido por e-mail.

  31. Renata says:

    Tenho 29 anos tenho 3 miomas intramural, meu utero esta com 259 cm3
    Esse tratamento sera eficaz no meu caso? Pois no medico que fui ele disse que teria que tirar meu utero. Aqui na minha cidade tem esse tratamento ou aqui próximo?

  32. Pina says:

    Será respondido por e-mail

Deixe o seu comentário: