Hiperplasia Benigna da Próstata - Novo tratamento - Resultados

A embolização da próstata é um tratamento altamente eficaz, com bons resultados preliminares  e com riscos mínimos. Consiste na redução parcial da alimentação sanguínea da prostata. Necessita de um curto período de internamento (algumas horas ou, no máximo, 18 horas) podendo o paciente retomar a sua actividade normal entre 1 dia e uma semana após o tratamento. No dia seguinte à embolização pode fazer a sua vida normal, excepto conduzir durante um dia. Os nódulos hiperplásicos, apesar de não desaparecerem por completo, ficam atrofiados e deixam de causar sintomas na maioria dos casos. Esta técnica envolve menos riscos que as técnicas cirúrgicas. A necessidade de urinar muitas vezes ou a dificuldade de urinar também passam pouco tempo após a embolização. Depois da embolização, a maioria dos pacientes refere melhoria da qualidade de vida e do seu estado de espírito, tornam-se mais optimistas, com melhor disposição para as suas actividades de vida pessoal e profissional, passam a dormir melhor e a ter mais espírito criativo. Nos pacientes que melhoram alguns dos sintomas poderão persistir embora menos acentuados.

A par da melhoria clínica, a Ecografia efectuada revela na maioria dos casos a redução de dimensões da próstata. Esta é uma técnica que tem grande sucesso em doentes com obstrução uretral aguda e algália, hematúria refractária e em doentes algaliados durante muito tempo. Em cerca de 20% dos pacientes que melhoram a prostata não reduz de dimensão.

Este aspecto verifica-se sobretudo nos doentes que tomam dutasteride ou finasteride que reduzem o volume da prostata. Como após a embolização é suspensa a toma destes medicamentos, a prostata tem tendencia a crescer o que é compensado pela redução da circulação. O resultado final pode traduzir-se na ausência de redução no volume da prostata, apesar de o doente poder melhorar.

A embolização das artérias prostáticas é uma nova aplicação da velha tecnologia sob investigação. A embolização não é uma técnica experimental pois é utilizada com êxito em Medicina, há quase meio século. O material utilizado para sua execução, cateteres, guias e particulas de PVA são usados com sucesso em Medicina há mais de meio século. Verifica-se uma melhoria em cerca de 85 a 90% dos pacientes a curto prazo. Contudo 10 a 15% dos pacientes não melhoram apesar da embolização efectuada ser bilateral e completa. Desconhece-se por enquanto a razão do insucesso. Nestes doentes, se as artérias prostáticas não forem dificeis de cateterizar, a embolização poderá ser repetida, apenas por 1.500€ para parte do material usado. A médio e longo prazo, isto é, entre 1 e 5 anos, pode observar-se regresso dos sintomas em cerca de 10% dos pacientes, o que quer dizer que a melhoria continua a ocorrer em cerca de 75 a 80%. Os pacientes que não melhoraram, não sofrem agravamento dos sintomas, em relação aos verificados anteriormente à embolização e poderão ser tratados pela cirurgia.

Fig. 1 Ressonância Magnética Pélvica Sagital. a) Diâmetro longitudinal da próstata 59.2mm; b) Diâmetro longitudinal da próstata 1 semana após a embolização 51.1 mm.

Fig. 1 Ressonância Magnética Pélvica Sagital. a) Diâmetro longitudinal da próstata 59.2mm; b) Diâmetro longitudinal da próstata 1 semana após a embolização 51.1 mm.

Fig. 2 Ressonância Magnética Axial. c) Antes da embolização diâmetro transversal 61.8 mm, diâmetro anteroposterior 49.9 mm (volume 95 cc); d; Uma semana após a embolização: diâmetro transversal 58.5 mm, diâmetro anteroposterior 47.5 mm. (Volume 75 cc). Redução de volume 21%.

Fig. 2 Ressonância Magnética Axial. c) Antes da embolização diâmetro transversal 61.8 mm, diâmetro anteroposterior 49.9 mm (volume 95 cc); d; Uma semana após a embolização: diâmetro transversal 58.5 mm, diâmetro anteroposterior 47.5 mm. (Volume 75 cc). Redução de volume 21%.

 

 

As Reacções adversas após a embolização podem dividir-se em 3 grupos:

a) Frequentes – Hematoma no local de punção ,  equimose da coxa (cor roxa), ardor na uretra e anus durante algumas horas, urinar muitas vezes na noite do tratamento e prisão de ventre 1 ou 2 dias;

b) Raras (10%) – Infecção urinária e sangue na urina;

c) Muito Raras (2%) – Sangue nas fezes e no esperma.

Todas estas reacções passam ao fim de alguns dias ou semanas, sem  qualquer tratamento.

18-e1272383737243

Fig. 3 – Ecografia prostática via rectal a, b – Antes da Embolização (comprimento 69.1 mm, largura 65.2 mm, altura 51.7 mm) volume 122cc

 

Fig. 4 - Ecografia prostática via rectal. c, d) Uma semana depois da embolização (comprimento 63.7 mm, largura 64.6 mm, altura 40.9mm) volume 88.1cc Redução de 32%.

Fig. 4 – Ecografia prostática via rectal. c, d) Uma semana depois da embolização (comprimento 63.7 mm, largura 64.6 mm, altura 40.9mm) volume 88.1cc Redução de 32%.

Dos 1650 pacientes, com idades compreendidas entre 47 e 89 anos e HBP sintomática, que desejavam ser tratados por embolização, alguns foram excluídos devido a artérias tortuosas e alterações ateroescleróticas. Em 4 foi impossível a embolização devido ao grande envolvimento das artérias por arterosclerose. Os restantes 600 foram tratados com êxito por embolização. Destes, 10% não melhoraram por embolização incompleta devido ao avançado grau de aterosclerose, 5% melhoraram ligeiramente e os restantes tiveram acentuada melhoria. Os doentes que melhoraram não voltaram a tomar medicação para a próstata. Doze dos doentes tinham sido submetidos a prostatectomia  anos antes. 62 estavam algaliados por retenção urinária. A algália foi removida entre 1 e 8 semanas depois da embolização  e todos excepto 2 passaram urinar sem dificuldade. A maioria dos doentes não sente qualquer dor durante a intervenção, ou apenas dor ligeira.

A actividade sexual não sofreu qualquer deteorização e melhorou em mais de um terço dos pacientes.

O fluxo urinário aumento na maioria dos pacientes tratados.

Fig.6

Fig. 5 – Ressonância Magnética. a,b – Antes da embolização volume = 96,5cc. c,d – 6 meses após a embolização volume = 36,6cc. Redução de 61,7%

 

Após a embolização observa-se uma redução progressiva do resíduo urinário pós miccional.

Ocorreram 16 infecções urinárias após a embolização e não se verificaram outras complicações.

O hematoma inguinal no local de colocação do cateter e a cor roxa da pele do abdomen, coxa e testículos são frequentes mas passam decorridos algumas semanas sem qualquer tratamento.

Nos doentes cujas artérias prostáticas estejam muito envolvidas pela ateroesclerose, poderá ser impossível a embolização de ambas as artérias prostáticas e nestas situações a melhoria pode ser menos evidente ou pode mesmo não ocorrer qualquer melhoria.
Por tal motivo deve fazer-se uma criteriosa selecção dos pacientes pela Angio TAC, que é obrigatória para visualizar as artérias prostáticas e o grau de dificuldade na realização do procedimento.

Resultados a médio e longo prazo

Na revista JVIR 2016 ( ver publicação) publicaram-se os resultados de 630 pacientes.

Verifica-se melhoria quase imediata, na altura da alta em 32% melhoria a curto prazo até ao mês 89%, a médio prazo  entre 1 e 3 anos em 82,2% e a longo termo entre 3 e 7.5 anos em 78,1%.

EAP pode ser repetida se houver regresso da sintomatologia.

 

Partilhe este conteúdo

Comentários: 16

  1. João G. Dias says:

    Olá … Bom dia.

    E com muito interesse que tomei conhecimento dessa nova técnica de embolização da próstata para a solução do problema de retenção urinaria…Tenho o problema, estou usando sonda urinária e gostaria de me submeter a tal procedimento cirúrgico. Como fazer? Quanto custa? Já tenho totods os exames prontos para fazer a cirurgia pelo método tradicional.

    Aguardo o contacto.

    Grato.

  2. LUIZ CASTELLO BRANCO says:

    GOSTARIA DE SABER SE ESTA TERAPIA JÁ SE ENCONTRA DISPONIVEL EM ALGUM HOSPITAL OU CLINICA NO ESTADO DO RIO DE JANEIRO .

  3. FRANKLIN BERNARDES DA FONSECA says:

    OLÁ, PROFESSOR DOUTOR PHd MARTINS PISCO.
    EXCELENTE A TÉCNICA APRESENTADA. AO QUE PARECE, INOVADORA E INCREMENTANDO NOVOS HORIZONTES, POSSIBILIDADES, UMA LUZ NO FUNDO DO TÚNEL. PARABENS. GOSTARIA QUE ME MANTIVESSEM SEMPRE ATUALIZADO, INFORMADO, DOS AVANÇOS TECNOLÓGICOS, A PAR DA EMBOLIZAÇÃO PROSTÁTICA. É ALGO A ESTUDAR E REFLETIR, QUIÇÁ, SUBMETER-SE À NOVA TECNOLOGIA, QUE, PELO VISTO, NÃO É INVASIVA. SUCESSO A TODOS. COM APREÇO,
    FRANKLIN BERNARDES DA FONSECA (PODEM PUBLICAR, SE DESEJAREM).

  4. Adrine SC says:

    Dr. estou com sangue no esperma fiz varios exames .trans retal acusou 2 nodulos calcificados em uma das visiculas seminais,psa 0,59 43 anos de idade,meu urologista disse que cirurgia e arriscada,fui em outro urologista mais experiente,fez o toque retal e disse q sentiu um pequeno caroço no fundo da prostata,mandou fazer um exame de ressonancia nuclear magnetica pelvica ,estou desesperado e cancer .abraço sta cataria.

  5. Diamantino Dias Lopes says:

    Olá boa noite é com muinto interesse que vejo a existencia de mais uma tecnica de tratamento da próstata sem sermos submetidos a qualquer cirurgia.
    Actualmente não necessito de qualquer intervenção mas se fosse necessario optava por esse tratamento.
    Um abraço.

  6. Sou médico, cirurgião Endovascular, e estou interessado no assunto.
    Poderia me ajudar em encontrar artigos sobre o tema??

    atenciosamente

    Bruno Morisson
    CRM-RJ 52772593

  7. Paulo Ferreira de Paiva says:

    Prezados Senhores.
    Gostaria de receber maiores informações acerca desta técnica bem como informações se o procedimento já foi liberado pelo órgão competente do Ministério da Saúde. Fe fiquei bastante interessado em me beneficiar desta forma de tratamento, já que tenho HBP e já fui aconselhado por meu médico a me submeter a intervenção convencional, via uretra.

    Atenciosamente.

  8. elizabetep says:

    Exma. Senhor,
    Qualquer questão deverá enviar um e-mail para jpisco@hslouis.pt mailto:jpisco@hslouis.pt
    Cumprimentos,

  9. Cesar Vieira says:

    Gostaria de saber se no Rio de Janeiro tem algm medico, ou Hospital que ja esteja usando esta tecnica?
    Grato

  10. Ritardo says:

    Prezado Doutor!
    Tenho 54 anos e tenho HPB que esta com 70cc. Dificuldades para urinar e se prender fica praticamente impossivel. Levanto pelo menos 2 vezes a noite para urinar, as vezes tenho que sentar na bacia pela demora. Meu médico diz que a técnica é muito nova e que poderá ter problemas com o tempo e que devo esperar até fevereiro, medir novamente meu PSA que esta em 7.0 para ver se terei que operar com laser pois diz ser a melhor técnica. Já fiz biopsia e não deu nada, ou seja o diagnóstico foi mesmo BHP. Pelo que tenho lido o procedimento é muitoantigo porem em mulheres, mas acredito ser a melhor técnica hoje disponivel e sem riscos, a não ser que a interrupção da alimentação do sangue para a prostata possa ocasionar algum problema. Teria algum hospital em São Paulo que realiza a técnica, qual seria o preço do procedimento e quais as sequelas possíveis. Desculpe por tantas perguntas, mas estou realmente muito apreensivo e querendo me curar o mais rapidamente possível.Grato

  11. Asleones says:

    Por favor, estou com a hiperplasia, levanto a noite pelo menos 4 vezes .Meu PSA que esta em 7.4. Já fiz os exames e o diagnóstico foi mesmo BHP. Pelo que tenho lido o procedimento é novo, mas também acredito seja melhor técnica hoje disponivel e sem riscos, a não ser que a interrupção da alimentação do sangue para a próstata possa ocasionar algum problema futuro e quais as sequelas possíveis futuras. Tenho lido aqui no Brasil que o presidente da sociedade de
    Urologia é muito contrário a esta técnica, por favor, há algo de risco para que ele tenha esta atitude? Nos desculpe a serie de perguntas pois, estou interessado em fazer esta intervenção,
    Muito obrigado, e meus parabéns pela inovação.

  12. elizabetep says:

    Como qualquer intervenção esta também pode ter riscos , mas a percentagem de sucesso situa-se nos 85 a 90%.

  13. celestino coelho says:

    BOA TARDE

    EM MAIO DE 2011 FIZ A EMBOLIZAÇAO DA PROSTATA, NO HOSPITAL DE S. LUIZ EM LISBOA COM O DR MARTINS PISCO.TENHO ME SENTIDO BEM HA CERCA DE UM ANO FUI A UMA CINSULTA DE UM MEDICO PELA PRIMEIRA VEZ, ACHOU QUE EU ESTAVA BEM, NAO TENHO TIDO QUEICHAS, ATE HOJE.

  14. João Antonio Basso says:

    Boa Tarde, parabenizo o Dr. Martins Pisco, pelo interesse em pesquisas de métodos novos para a Próstata. Mas ao mesmo tempo se é confiável ou não?
    No estudo da eficiência da cirurgia não compreendi muito , a sua eficiência. Algum poderia me orientar melhor?
    * 1650 pacientes entre 47 e 89 anos.
    * ? alguns excluídos quantos ? 1050.
    * 600 foram os restantes = 36,36%.
    * 10% não melhoraram = 60 pacientes.
    * 5% melhoraram ligeiramente = 30 pacientes.
    * 510 pacientes com acentuada melhora.
    * somente 2 passaram urinar sem dificuldade?

    Estes dados tirei onde esta supra citado após a figura 4.
    Diante deste exposto acho arriscado tentar fazer este processo.

  15. Messias Antonio Vilalta says:

    Comentando os números apresentados na critica do Sr. João Antonio Basso:
    * Deve haver uma razão para os 1050 não terem feito o procedimento, mas seria bom que o Professor mesmo respondesse.
    *Em relação a somente dois passaram a urinar sem dificuldade, o João interpretou errado o texto “todos excepto 2 passaram urinar sem dificuldade” ou seja apenas 2 mantiveram a dificuldade em Urinar.

  16. Pina says:

    Prezado Messias,

    Os 1050 doentes não foram tratados por ter indicação.
    Apenas 2 mantiveram dificuldade em urinar

Deixe o seu comentário: